Pular para o conteúdo principal

Moral avançou sem precisar da religião, afirma Dawkins


Crença não serve
como bússola moral

A humanidade neste início do século 21 é bem diferente do que há 100, 200 anos. Ela melhorou. Hoje as pessoas são menos racistas e machistas — as pessoas ficaram mais gentis. E esse avanço não tem nada a ver com religião.

Essas afirmações são do biólogo evolucionista e ateu Richard Dawkins, autor do estudo “O Gene Egoístas”, entre outros livros.


Ao responder perguntas de leitores do site da CNN, o britânico disse que a ideia de ter a religião como bússola moral “é horrível”. A Bíblia e o Corão, por exemplo, disse, mandam apedrejar até a morte as pessoas que não dedicarem o sábado do Senhor.

Ele argumentou que, hoje em dia, os religiosos não fazem isso tipo de coisa, porque a sua leitura dos livros sagrados é seletiva, aceitam algumas coisas e rejeitam outras.

Os critérios adotados pelos religiosos para essas escolhas não são bíblicos. “São os mesmos critérios que orientam qualquer pessoa moderna em suas decisões.”

Dawkins disse que o cristianismo está morrendo não só na Grã-Bretanha, mas em toda Europa Ocidental. Acrescentou que até mesmo nos Estados Unidos, embora sejam um dos países mais religiosos, tem declinado o número de pessoas ligadas a uma crença religiosa.

Ele disse que os políticos americanos ainda não perceberam isso e, por isso, continuam achando que devem agradar os lobbies religiosos.


Um leitor quis saber se ele acha que as crianças não deveriam ter religião. “Eu certamente não gostaria de proibir os pais de influenciarem seus filhos”, disse. “No entanto, não concordo que se rotule uma criança de católica simplesmente porque seus países são católicos. Isso me parece uma forma de abuso infantil.”

“É tanto absurdo dizer que uma criança de 4 anos é católica como falar que ela é existencialista ou positivista”. Para ele, os pais não deveriam impor nenhuma religião aos seus filhos, pelo menos até que estes desenvolvam o poder do discernimento.

Outro leitor perguntou se ele, Dawkins, não é uma espécie de evangélico, já que vive pregando as palavras do ateísmo. O biólogo recusou a comparação, porque, disse, gosta de “pensar” e não sai por aí “gritando” verdades absolutas. [“Além disso], a razão está do nosso lado”.

Com informação da CNN.




Hitler nunca renunciou ao seu batismo católico, diz Dawkins

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m