Pular para o conteúdo principal

Tribunal decide não investigar Bento 16 por encobrir abuso

por Laurie Goodstein
do The New York Times

Vítimas de abusos de padres
 processaram o papa em 2011
O Tribunal Penal Internacional de Haia decidiu não investigar ou processar o ex-papa Bento 16 (na caricatura ao lado) e outros líderes da Igreja Católica Romana acusados de encobrir o abuso sexual de crianças por padres.

Vítimas de abuso sexual apresentaram uma queixa em 2011 pedindo que o tribunal processasse Bento 16 então papa, e três outros funcionários do Vaticano pelo que chamavam de um encobrimento internacional e sistêmico de abusos sexuais que equivaliam a "crimes contra a humanidade".

O tribunal respondeu, numa carta datada de 31 de maio, que após analisar a denúncia, determinou que as questões "não parecem cair dentro da jurisdição do Tribunal". A carta dizia que "algumas das alegações" estão fora da jurisdição do tribunal, que tem como função julgar genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

Além disso, o caso não parece estar dentro dos limites de tempo do tribunal. Na maior parte dos casos, o tribunal pode julgar apenas crimes cometidos depois de ele ter sido constituído, em julho de 2002, e muito embora os casos apresentados pelas vítimas envolvessem alegações mais recentes, alguns dos materiais de apoio que as vítimas apresentaram antecediam a 2002.

O tribunal disse que "a decisão de não dar prosseguimento pode ser reconsiderada à luz de novos fatos ou informações", e sugeriu que os casos poderiam ser levados a "autoridades nacionais ou internacionais competentes".

O resultado foi exatamente o que muitos advogados internacionais e de direitos humanos haviam previsto. Barbara Blaine, da Rede de Sobreviventes de Vítimas de Abuso por Padres (Snap, na sigla em inglês), o grupo que iniciou o caso, disse: "Não estamos intimidados nem desanimados com essa notícia."

Pamela Spees, advogada do Centro para os Direitos Constitucionais, que tratou do caso do grupo de vítimas, disse que sabia que ele enfrentava "muitos obstáculos", mas que valeu a pena porque as vítimas de abuso de muitos países se pronunciaram depois de saber que o caso havia sido levado ao Tribunal Penal Internacional.

"Estamos falando de pessoas de mais de 70 países, sobreviventes na África e na América Latina que antes estavam isolados, e que agora têm um entendimento totalmente diferente do que aconteceu com eles e como isso se relaciona com a igreja", disse ela.

Ela disse que demorou em tornar pública a carta para ter tempo suficiente para notificar as vítimas, de vários países, que apresentaram seus casos ao tribunal.

A queixa citou Bento 16, que deixou o cargo em fevereiro e é agora papa emérito; o cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado do Vaticano; o cardeal Angelo Sodano, secretário de Estado anterior; e o cardeal William J. Levada, um norte-americano que chegou a liderar a Congregação para a Doutrina da Fé, órgão do Vaticano designada para receber os casos de abusos sexuais do clero encaminhados pelos bispos.





Escultura retrata Bento 16 como papa nazista e pedófilo
novembro de 2012

Casos de padre pedófilo

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios