Feliciano ameaça as conquistas dos direitos humanos

Título original: Os direitos humanos em mãos impróprias

por Renato Janine Ribeiro
para Valor Econômico

Deputado é um alerta de
que pode haver retrocesso
Contra tudo e (quase) todos, o deputado Feliciano e seu Partido Social Cristão se aferram ao cargo mais alto a que chegaram, a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. A situação é insustentável para o país, porém conveniente a ele e ao partido, até porque dificilmente obterão, um dia, outro posto dessa envergadura ou tanta repercussão na mídia.

O PSC, com seus 16 deputados federais e um senador, faz o seguinte cálculo: quer aumentar seus votos em 2014, valendo-se — paradoxalmente — da exposição num cargo que vai contra tudo em que o deputado crê. Falem mal de mim, mas falem: mesmo a mídia negativa ajudará a ganhar eleitores, numa franja inculta e preconceituosa da sociedade. Isso, mesmo sabendo que, ao pregar o que a opinião esclarecida repudia e que o Supremo Tribunal Federal descartou em vários julgados, o PSC inviabiliza sua presença no governo federal, atual ou futuro. Não se imagina que, no mandato a se iniciar em 2015, Dilma, Marina, Aécio ou Campos deem um ministério a um político dessa agremiação. Seria alto o custo de ter no primeiro escalão quem endossa a tese de que os negros descendem do filho amaldiçoado de Noé, e por isso merecem miséria, Aids e Ebola, ou de que a mulher deve obedecer sempre ao homem. Um custo, aliás, não só nacional — porque repercussão internacional negativa, se não houve, virá — até porque o deputado começou a gestão visitando a embaixada do Irã, país constantemente condenado por ações contrárias aos direitos humanos.

O caso ilustra um problema sério de nosso presidencialismo de coalizão. As bancadas que apoiam o governo se infantilizam: demandam vantagens, em vez de formular projetos. Assim, o presidente é quem dá racionalidade a uma coligação que, sem ele, seria puro negócio. A coalizão é irracional, o presidente é racional. A questão é quanto o presidente cede. Ele cede nas bordas, protege o essencial. Como disse certa vez Roberto Pompeu de Toledo, a Fazenda jamais irá para um partido duvidoso. Assim agiram Itamar, FHC, Lula e, hoje, Dilma. O saldo é positivo para a governabilidade, negativo para a reputação da política. O braço mais democrático de nosso sistema, o Legislativo e, nele, a Câmara, fica com a imagem ruim junto aos eleitores. E, a meu ver, todos os presidentes mencionados cederam mais do que deviam.

O pior é que uma área fortemente ética, como os direitos humanos, fique nas bordas, seja negociável, não esteja protegida.

Se chegamos a essa crise, foi justamente porque, na hora do vamos-ver, os grandes partidos acharam que os Direitos Humanos (ou o Meio Ambiente, no Senado) eram moeda de troca barata. Mais importantes, para eles, são as grandes comissões. Quando o ministério se reúne, as Pastas da ética — Igualdade Racial, Mulheres, Meio Ambiente, Direitos Humanos — ficam no fundo da sala. Mas isso precisa, tem de mudar! Os ministérios econômicos são essenciais para o futuro do país, mas o que é este futuro? Ele será definido pela igualdade das pessoas, sem acepção de sexo ou cor, pelo respeito à natureza, pelo desenvolvimento de uma economia e de uma sociedade sustentáveis e, finalmente, pela possibilidade que todos tenham, não prejudicando o outro, de florescer.

Isso porque os direitos humanos são a ética pública de nosso tempo. O respeito ao outro surge em dezenas de artigos das grandes declarações nacionais de direitos humanos, a inglesa de 1689, a francesa e a americana de 1789. Esses direitos se ampliam com os da declaração universal de 1948, bem como outros documentos da ONU — e de muitos países. Ir contra eles é afrontar o melhor do espírito de nosso tempo. O que significam os direitos humanos? Numa só frase: permitir que uma pessoa floresça como queira. O grande limite aos direitos, assim, deriva deles mesmos: eles não autorizam ninguém a impedir outrem de, também, florescer. Essa ideia tão simples foi e é uma novidade histórica notável. Todos conhecemos histórias, passadas e presentes, de sofrimentos e mesmo desgraças que não existiriam, houvesse esse respeito. O que os direitos humanos procuram eliminar são algumas grandes causas de infelicidade.

Daí que seja decisivo, para nossa sociedade, na qual os direitos têm avançado graças a uma soma notável de esforços — os movimentos de minorias, a atuação aqui convergente de PSDB e PT, as decisões do Supremo Tribunal Federal e até as novelas da Globo —,  que não haja ponto de retorno. Se eleitores desejam eleger um representante que se insurja contra esses direitos, desde que fique dentro dos limites constitucionais, isso a democracia permite. Mas, que um porta-voz do preconceito represente o país, seja no Executivo, no Legislativo ou no Judiciário, eis o que passa dos limites aceitáveis. A opinião pública deve deixar isso bem claro, na mídia e para os partidos. Os direitos humanos são uma conquista que não se pode pôr em xeque.

Porque está em jogo, agora, a própria democracia. Nos Estados Unidos, uma das pátrias da democracia, já se impediu na prática, por mil pequenos ardis, a implementação de direitos humanos fundamentais. A Corte Suprema em certas épocas os reconhece, em outras não; ainda hoje, a pena de morte é aplicada por vezes sem defesa adequada dos réus nos tribunais.

Em nosso país, onde o Supremo apoia mais os direitos humanos, corremos hoje risco comparável — quando uma comissão decisiva, em vez de debater crimes de ódio, vai tirá-los da agenda, porque é controlada por alguém que se opõe aos melhores valores de nossa época. A prática pode desfazer o que foi enunciado na teoria. É por isso que devemos, todos, impedir este retrocesso.

Renato Janine Ribeiro é professor titular de Ética e Filosofia Política na USP.





Teologia de Feliciano é racista e fundamentalista, diz pastor
março de 2013

Marco Feliciano

Comentários

  1. Poucas vezes na vida li um texto tão lúcido, coerente, e bem argumentado quanto esse. Excelente. Parabéns ao professor Renato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. DEMOCRACIA EM RISCO?

      Professozinho ridículo!

      - QUE DEMOCRACIA?
      - A dos PeTralhas, que estão sendo impedidos de continuarem assaltando o Erário?
      - A dos traficantes de drogas ilícitas, que estão sendo impedidos de continuarem a traficar no Campus da USP, onde o professor de ética enviesada tem cátedra?

      POR QUE ESSE PROFESSOZINHO DE ÉTICA SELETIVA NÃO FALOU DO ATIVISTA GAY, QUE DENTRO DA CDH AGREDIU FISICAMENTE UM SEXAGENÁRIO?

      Excluir
    2. Nós não odiamos os evangelicos...somente ABOMINAMOS suas práticas...

      Excluir
    3. "os direitos têm avançado graças a uma soma notável de esforços — os movimentos de minorias, a atuação aqui convergente de PSDB e PT, as decisões do Supremo Tribunal Federal e até as novelas da Globo"
      (Renato Janine Ribeiro)


      O sábio professor de Ética esqueceu de citar o Big Brother Brasil do Pedro Bial e do Boninho, programa educativo que tem se revelado uma verdadeira escola de pensadores progressistas comprometidos com os direitos humanos!

      Excluir
  2. o psc só tem a perder e perdeu ,ninguém fará alianças com este partido nem por estratégia ,eles hipocritamente devem estar se sentido o próprio davi diante de golias, puro devaneio ,ainda somos uma democracia.

    Todos grupos sociais manifestaram repúdio à candidatura de marco feliciano , até a Conanda manifestou repúdio, comunidades afros descendentes manifestaram repúdio a ele , eles são o vilão da história.

    Eles são prepotentes ,marco feliciano , marisa lobo e cia encabeçaram uma campanha no twitter e no facebook para ganhar votos numa pesquisa de caráter muito duvidosa eles mal chegaram aos 10mil , contra ele já tinha 17mil, este termômetro pode parecer que não mais indica muita coisa.

    As declarações do deputado/pastor são extremamente preconceituosas e discriminatórias , principalmente à comunidade lgbtt , direitos humanos como já foi dito ,é o direito de ser você como você é, seja negro, seja branco, seja hetero, seja gay ,seja religioso ,seja ateu etc , definitivamente ali não é lugar para o marco feliciano presidir, ele continua pensando a mesma coisa sobre gays, sobre o catolicismo onde faz pregações ofensivas aos da fé católica, da umbanda e candomble, faz declarações sexistas ,machista contra mulheres etc..fora marco feliciano

    ResponderExcluir
  3. Texto muito lúcido e objetivo. Mas deu-me a falsa impressão de que a estadia desse senhor na CDHM será curta.

    Não se pode esquecer de que a base eleitoral desse Partido é composta por uma massa de pessoas que estão sendo utilizadas e manipuladas por falsos profetas e que os planos delirantes deles vão muito além do que estamos vivenciando neste momentobasta fazer uma rápida pesquisa no site da Câmara dos Deputados Federais e pesquisar quais os Projetos de Leis que eles vêem propondo, verdadeira tentativa de empoderamento de setores religiosos.

    ResponderExcluir
  4. Olhem essa tirinha:

    http://2.bp.blogspot.com/-TRrRVVIZ3H4/TZjhZjc9qUI/AAAAAAAAAOw/l08ogXg_L38/s1600/14-eu_odeio.jpg

    É questão de tempo para que os ateofóbicos irem parar na cadeia.

    Se cuidem, Darth Vader Free User, Jumento Apartado, Soli Deo Gloria, FernandoElShadday, Exu Tatá Caveira, Snowball, Conde (Aquele do Youtube), CapitaoZapp e outros, além dos datenistas do Youtube.

    No futuro essa turmaiada toda vai estar na cadeia.

    ResponderExcluir
  5. A insistência do monstro nazifascista e fanático religioso Marco Feliciano, em se manter artificialmente, pela via do subterfúgio, da truculência institucional e da burocratização inerte, para se manter a qualquer custo, inclusive político, como presidente da comissão de direitos humanos da câmara federal, cargo que não lhe cabe em absoluto; lembra em muito a ascensão de Adolf Hitler e dos nazistas na Alemanha pré-segunda guerra mundial e a sua insistência em chegar e se manter no poder a qualquer custo, como resultado tivemos mais de 50 milhões de mortos.

    “Um povo que não conhece sua história está condenado a repeti-la” Eduardo Bueno - Historiador

    ResponderExcluir
  6. Por que será que o texto não faz nenhuma menção à HOMOFOBIA disseminada pelo deputado-pastor???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fez, implicitamente.

      Os ministérios econômicos são essenciais para o futuro do país, mas o que é este futuro? Ele será definido pela igualdade das pessoas, sem acepção de sexo ou cor, pelo respeito à natureza, pelo desenvolvimento de uma economia e de uma sociedade sustentáveis e, finalmente, pela possibilidade que todos tenham, não prejudicando o outro, de florescer.

      Excluir
    2. Não fez, pois homofobia diz respeito à discriminação por sexualidade, e não por sexo.

      Das duas, uma: Você é ignorante no assunto ou age de má-fé com essa sua interpretação esdrúxula.

      Excluir
    3. Por que o professozinho de ÉTICA SELETIVA não fez nenhuma menção à agressão física a um sexagenário, feita pelo presidente da ALGBT, TONY REIS, dentro da CDH?

      Sujeitinho cara-de-pau!

      Excluir
    4. eu tenho visto que os evangelicos estão muito preocupados com o rabo dos outros... ja basta lavarem o de vcs (que anda mais preso e sujo que pau de galinheiro) que fica de bom tamanho...e deixem o dos outros em paz.

      Excluir
  7. Força Feliciano, diexa os esquerdopatas estrebuxarem! O inferno será o lugar deles..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chora mais reaça

      Excluir
    2. Porra, crentelho! Para de se intrometer! Não sei se vc percebeu, mas essa é uma página de notícias para ateus, agnósticos e pessoas de bom senso, por tanto, caia fora, você não faz parte desse mundo. Volta pras tuas páginas na internet!

      Excluir
    3. Vai trolar no verdade gospel, crentelho.

      Excluir
    4. Passa a senha do seu cartão pra ele! Ele vai gostar dessa "força". Manezão.

      Excluir
    5. eu tenho visto que os evangelicos estão muito preocupados com o rabo dos outros... ja basta lavarem o de vcs (que anda mais preso e sujo que pau de galinheiro) que fica de bom tamanho...e deixem o dos outros em paz. ou a tentação é ENOOOOORME?

      Excluir
  8. O Feliciano está precisando sumir da presidência da comissão de direitos humanos da câmara, e consultar um psicanalista, logo ele se livra da neurose, e volta prá igreja dele.

    ResponderExcluir
  9. Como presidente da comissão dos direitos humanos e minorias porque ele não aproveita agora o cargo pra acabar com o preconceito e discriminação que gays e lésbicas sofrem por parte da igreja, porque ele não aproveita a oportunidade pra acabar com o preconceito dos evangélicos contra pessoas de religiões. Essas pessoas são humanas e além do mais é uma minoria muito discriminada e vítimas de muito preconceito..Ou ele não é o presidente da comissão dos direitos humanos e minorias?

    ResponderExcluir
  10. Crentes fanaticos criticando o texto do Renato em 3,2,1...

    ResponderExcluir
  11. Por que o texto diz que no início de 2015 a país estará sendo presidido por um dos 4 nomes citados? Por acaso ele sabe que vai ser algum deles? Sinceramente acho que na próxima eleição poderá ser a primeira vez que este país verá um presidente eleito como voto do povo não se reeleger. A dilminha não está bem na fita e espero mesmo que caia e que apareça alguém novo que queira fazer mudanças profundas no governo.

    ResponderExcluir
  12. estamos cercados por todos os lados...






    e a incoerencia religiosa não tem limites. Ô povinho sem noção.

    ResponderExcluir
  13. O texto está ótimo, mas não concordo que o PSC e Infeliciano devam ser menosprezado sob o argumento de que não encontrarão respaldo na sociedade. Não devemos esquecer que o PSC representa todos os cristãos, e pode muito bem unir todos os fundamentalistas católicos, protestantes históricos, pentecostais, etc. Além do mais, a FPE conta cada vez mais com a possessão dos meios de comunicação e outros pontos estratégicos, bem como dispõe de muita grana para corromper muita gente. Sem esquecer também que os evangelibãs estão infiltrados em todos os partidos praticamente e os dominam de certa forma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo, Rubim!

      Excluir
    2. Eu creio que até faz sentido a possibilidade de os lixos PSC e Bancada Evangélica quebrarem a cara nas eleições. Bata lembrarmos o que houve com Malafaia e seus apoiados nas eleições presidenciais e com a Universal e o seu apoio a Russomanno na eleições para prefeito de São Paulo: foram humilhados. Essa bancada não representa todos os cristãos. os próprios vídeos do aloprado Feliciano, comprando briga com os ainda majoritários católicos, mostra que o cristianismo está bem dividido. Muitos evangélicos repudiam esse cara, também. Meios de comunicação? Aposto que a maior parte dos evangélicos prefere a novela da Globo do que esses programas maçantes e repetitivos de igreja. Mas é aquela coisa: toda erva daninha tem que ter cortada pela raiz.

      Ruggero

      Excluir
    3. Edir Macedo, sorrateiramente, utiliza o seu império de mídia "secular" (Grupo Record) para realizar suas manobras com a massa ignorante!

      Excluir
    4. Ruggero,


      Concordo com C e a notícia sobre esses pontos, e eu até já comentei em outras notícias desse blog sobre os cristãos não serem unidos e as diversas denominações começarem a lutar entre si após conseguirem o poder a que tanto aspiram. Caso isso ocorra, o Brasil viraria um Iraque, por exemplo, com as denominações guerreando por poder e supremacia ante as demais. Contudo, não devemos subestimá-los e achar que será assim mesmo, ou que irão perder força e não chegarão lá. Não devemos jamais nos esquecermos do maldito e famigerado Hitler! É como C disse: o mal deve ser cortado pela raiz. Ou como eu sempre digo: Os ovos da serpente devem ser destruído antes que eclodam.

      Excluir
  14. Eu vejo algumas mudanças acontecendo exatamente como Alvin Toffler. A mídia pode calar, mas agora o povo, com a rede mundial, tem muito mais voz. E é assim que alcançaremos uma verdadeira democracia. Agora somos milhões de vozes, não só milhões de ouvidos. Resguardado esse direito, o resto é consequência.

    ResponderExcluir
  15. As únicas conquistas ameaçadas por MARCO FELICIANO são as mamatas dos ativistas, que chegavam a receber ONZE MILHÕES de REAIS em uma emenda só, como a do Chico Alencar!

    As pessoas de bem, como as contaminadas por chumbo no Nordeste, e que não conseguiam ser ouvidas pela CDH, agora sabem, que não precisam ser gays para serem ouvidas na CDH.

    Essa predileção pelo segmento gay, já aconteceu com o PT, quando a madame gay, Marta Suplício foi prefeita de São Paulo. Onde certa vez um grupo de trabalhadores se "travecou" para chamar a atenção da prefeita, que só tem olhos para os gays. Está sepultada politicamente.

    Voltando à CDH, agora a comissão é de todos os brasileiros e não do segmento gay.
    Agora a CDH, pode ser chamada pelo nome que lhe é próprio, pois antes era a CDG(Comissão de Direitos dos Gays).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certo...então pelo seu argumento...os gays nao tem direitos, devem ser ignorados...e ha quantos anos o seu amado pt nao esta no poder??? muito antes da luta pelos direitos dos gays, certo? os contaminados por chumbo, pelo que eu entendo, são problema do estado e da saude... e de alguem que mexa a bunda por eles...que tal o senhor promover isso ao invez de se preocupar com o rabo dos outros?
      E pergunto: alem de Ex-petista o senhor é ex-gay tb? por isso essa revolta contra pt e gays?

      Excluir
  16. Lucidez e coerência, parabéns Sr. Ribeiro. O alerta que várias pessoas de bom senso fazem em relação ao perigo de grupos e intérpretes religiosos com uma ideologia retrógrada e maniqueísta, mostram que existem olhos e ouvidos atentos, mentes com pensamento crítico que sinalizam os perigos da deslaicização do Estado. Os períodos em que houve maior número de guerras, disseminação da corrupção, fome, miséria e morte foram justamente aqueles em que o poder religioso predominou politicamente. As religiões não podem representar o conjunto da sociedade, porque partem da premissa básica de que a "verdade" que veiculam é única, inquestionável e deve ser aceita por todos. Lembro aos defensores do Sr. Feliciano que ele não é Deus, nem mesmo parece ser um pastor já que destila veneno, preconceito e ódio contra seus "inimigos". Jesus, o humilde, o divulgador do perdão e do amor faria tal coisa? O comentário já está longo, portanto lembro apenas mais uma passagem em que Jesus afirma claramente que seu reino não é desse mundo e para finalizar, diz ao que veio ao afirmar que não se deve ajuntar os tesouros materiais, mas valorizar antes os do céu, que são incorruptíveis. A mensagem do Sr. Feliciano e outros pseudo-pastores evangélicos não reconhece nada disso, são adoradores de Mamon, pensam apenas no lucro e poder que seus incautos e muitas vezes inocentes fiéis lhes concede. Patético.

    ResponderExcluir

Postar um comentário