Assembleia do Rio é usada para celebração de cultos e missas

O próprio arcebispo dom Orani
celebra missa no espaço legislativo
Evangélicos e católicos se apossaram do auditório Senador Nelson Carneiro, da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, para a realização de suas atividades.

O pastor Joel Vilon da Costa (assessor parlamentar da deputada Graça Pereira, do PSD), a ex-deputada Edna Rodrigues (pastora da Igreja Universal) e a deputada pedetista Miriam Rios (da Renovação Carismática) promovem ali toda a semana cultos e missas, respectivamente.

Na próxima semana, por exemplo, haverá missa na terça-feira, culto na quarta e encontro católico na quinta. A missa será celebrada por dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio.

Alguns deputados afirmaram ao “Globo” que já foram impedidos de usar aquele espaço do sexto andar do prédio anexo ao prédio principal da Assembleia porque estava ocupado por religiosos.

Daniel Sarmento, procurador regional da República, disse que o auditório só deveria ser usado para o debate do interesse de toda a população. “Uma coisa é você fazer um culto num local público, como um parque. Outra é você fazer isso num local como o Parlamento.”

Questionado pelo jornal, o deputado Paulo Melo (PMDB), presidente da Casa, ficou em cima do muro. Por intermédio de sua assessoria, mandou dizer que o local não é só utilizado para atividades religiosas.

Edna disse que o uso do auditório é “patricionado” por um deputado da bancada evangélica, que é composta por dez parlamentares do total de 70. “Cada reunião tem um responsável, que nem sempre vem aqui”, disse. “Alguns nem são evangélicos.”

A prática começou na legislatura 2003-2006, com a autorização de Jorge Picciani, então presidente da Assembleia.

Sarmento afirmou que a posse de um espaço do Legislativo por religiosos — que ocorre em outras Assembleias — serve para demonstrar que o Estado laico, embora exista desde o nascimento da República, não é levado a sério.

“Essa é uma prática totalmente inconstitucional”, disse. “Você não pode utilizar as instalações do Poder Legislativo para fazer um culto religioso. A Constituição fala do princípio do Estado laico, mas o Estado brasileiro não conseguiu incorporar esse princípio ao seu dia a dia.”





Com informação de O Globo.

Marcha para Jesus do Malafaia será custeada por verba pública
março de 2013

Religião no Estado laico


Comentários

  1. Fiz uma reclamação na Ouvidoria do Congresso pelo mesmo ato a meses e até agora o silêncio. Em 19/10/2011 recebi a confirmação que dizia : "Recebemos e registramos sua mensagem na Ouvidoria Parlamentar, relacionada à utilização de espaços da Câmara dos Deputados para a realização de cultos religiosos.
    O Ouvidor Parlamentar, Deputado Miguel Corrêa, ao tomar conhecimento da questão, encaminhou as manifestações à Presidência desta Casa, para análise e esclarecimentos necessários.
    Assim que a Ouvidoria Parlamentar receber os esclarecimentos solicitados, os disponibilizará na página deste órgão, para conhecimento de todos os interessados.
    Atenciosamente" E até agora nada de resposta. Se a Ouvidoria do Congresso é surda, imagina a ouvidoria de uma merreca inferior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a ouvidoria é crente, os juízes são crente , os promotores são crentes , e a constituição não serve pra nada, ou melhor serve sim , quando é pra prender militar grevista eles citam a constituição, porque greve policial é inconstitucional, pais nojento o nosso .

      Excluir
    2. Se você trabalhasse dentro do Congresso, seria bem mais fácil acabar com os cultos do que estando do lado de fora.

      Excluir
  2. Constituição Federal:

    Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

    I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento , ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público;


    É simples, claro e explícito: não pode, pois é inconstitucional! Então, onde está a atuação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem veda? A Constituição? A Constituição é pessoa?

      Excluir
    2. A lei veda, idiota.

      Excluir
    3. Quem está no poder são os religiosos e/ou seus paus mandados, logo, a Constituição só serve quando é para defender seus interesses abusivos, do contrário, não serve nem pra limpar caca de cachorro na calçada!

      Excluir
    4. Anônimo28 de março de 2013 20:27

      Você é mais um troll ou só mais um entre os milhões de analfabetos funcionais desta m%$#@ de país?

      Excluir
    5. Gustavo, n.d.a. nenhuma das opções acima. A lei tem braço, pernas?

      Excluir
    6. O que a lei vai fazer se ninguém cumprir a lei?

      Excluir
    7. Quem veda é o Presidente da Câmara de Deputados e os que votaram nele.

      Excluir
    8. "A Bíblia está acima da Constituição!"

      Senador-pastor Magno Malta

      Excluir
  3. Bancada Evangélica = Bando de Vagabundos. Deviam estar fazendo algo útil pela população, mas não: estão afrontando o Estado laico, com proselitismo barato numa casa de leis. E a corja da atriz aposentada/fracassada Miriam Rios não fica atrás. Olha o número da ALERJ para mostrar a indignação contra essa pouca vergonha: 0800-0220008.

    Ruggero

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não são apenas Bando de Vagabundos, são um Bando de Corruptos.

      Os Bispos do antigo PL que o diga!

      Excluir
    2. Casa de leis? Segundo Mirian Rios, aquela é uma CASA DE ORAÇÃO (oração religiosa, óbvio)!

      Excluir
  4. vai no congresso trabalha e depois que acabar o expediente vai na igreja rezar , vai na mesquita etc..Ninguém vai proibir você de fazer isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles estão políticos, mas não são políticos. Já religiosos, bem... também estão religiosos, já que religiosidade é uma ideologia criada pelo homem e que pode ser aderida ou abandonada a qualquer momento!

      Excluir
  5. O Brasil já é uma teocracia. Só não vê quem não quer. Porém, nesse caso a religião é uma prostituta que "fornica" com quem pagar mais, e algumas vezes até com quem faz só um "agradinho".~

    ResponderExcluir
  6. E os troxas das outras religiões tipo afrodecendentes por ex.não fazem nada,tão sempre por fora,discriminados,mas tá certo mesmo o verdadeiro é o tal genivá ou jerivá, a sei lá, nunca vi o cara mesmo,dizem que daqui mais uns "milhos"anos ele aparece. Eu que não vou esperar,vou é curtir a vida, fui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele pode aparecer a qualquer momento! Vigiai, ermão!

      Excluir
  7. Fico imaginando como será essa teocracia! Vai acontecer no Brasil o mesmo que ocorre no Iraque e outros países islâmicos: após conseguirem implantar tal sistema, as várias denominações entrarão em choque porque cada uma tem sua própria teologia, sua prória maneira de pensar. Assim sendo, Assembléia de Deus não irá tolerar influência de IURD e vice-versa, bem como IURD entrará em confronto com IMundial, etc. Não haverá concenso, e as várias denominações formarão alianças entre si para então se combaterem pelo poder. Finalmente, a ICAR verá a merda que fez ao dar apoio aos evangelibãs e também irá orientar seus 'fiéis' a reagirem.

    Cristianismo é algo diabólico (no sentido oposto ao simbólico, que significa 'lançar em conjunto, mover em conjunto ou união, convergir a um mesmo ponto). Diabólico é algo, então, que diverge de um mesmo ponto, que se move em desunião ou sentido oposto, que se lança desordenadamente). Ou seja, caso o cristianismo fosse mesmo algo do bem, não haveriam tantas denominações e tantas divergências dentro dessa religião. Como pode haver várias teologias para um mesmo 'deus'? A explicação é simples: porque o cristianismo foi uma criação perversa de alguns seres humanos para dar ao Império Romano uma relgião que pudesse amalgamar novamente as várias partes que o compunha. Com isso, a Europa passou a ter uma religião que exaltava a brancura de seu povo. Como podemos ver, Jesus, os apóstolos, os anjos, são todos brancos, de olhos azuis ou verdes, cabelos loiros geralmente. Cristianismo foi uma ideologia criada com intenções imperialistas, racistas, misóginas, etc.


    Os cristãos podem estar unidos agora para impor essa teocracia, mas depois irão devorar uns aos outros pelo poder porque são divergentes, cada uma dessas denominações quer ter razão, e o poder cega (principalmente o poder do dindim). Esses evangelibãs estão nos arrastando para o caos, para uma possível guerra civil, e ainda se acham de 'deus'. Psst!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os cristão só conseguem se unir quando criam um inimigo em comum para combater. Por hora é a turma que engloba gays, ateus e 'abortistas' em geral.

      Excluir
  8. Pessoal acorda esta gente é doente , eles querem orar até dentro da casinha dos cachorro em cima das árvores , chuta o rabo desses ótario dai e manda eles irem ir rezar na igreja porque ai não é igreja..Some com esses fundamentalistas ,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles te acusam de intolerância e perseguição religiosa, daí os juizes e promotores que também são religiosos concordam com eles e você é condenado!

      Excluir
  9. Laicismo não é ser um estado ateu,sem religião,mas sim não favorecer nenhuma religião em detrimento de outra.
    Por exemplo: o Brasil não é um pais muçulmano como o Irã,nem catolico,nem protestante,nem espirita,etc.
    O espaço publico não é só usado por crentes,mas tambem por católicos e outras religiões que quiserem usar.
    Até ateus podem fazer suas reunioes la se quiserem...então lutem pelos seus direitos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então o Estado Laico favorece todas as religiões igualmente. Todas as religiões são iguais perante o Estado Laico.

      Excluir
    2. Em vez de ficar criando suas próprias definições, consulte o que diz a Constituição Federal de 1988.

      A atual Constituição brasileira, de 1.988, proíbe, em seu art. 19, à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, "estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento, ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público."

      Leia mais: http://jus.com.br/revista/texto/2320/separacao-entre-igreja-e-estado#ixzz2Oyub2600

      Excluir
    3. Ou seja, a União(União dos Estados ou os Estados Unidos), os Estados(os Estados se unem para formar a União), o Distrito Federal e os Municípios(os Municípios se unem para formar os Estados) estão proibidos de rezar uma missa, de dizer vai com Deus ou graças a Deus, de pagar dízimo, mas se o público estiver interessado em fazer o proibido, aí a Constituição não proibe mais. Só resta saber quantas pessoas fazem parte desse público.

      Excluir
  10. Laicismo não é ser um estado ateu

    Outro dia eu li na internet que quando alguém começa falando que “estado laico não é estado ateu” (ou coisa parecida) já é de se esperar que vá vir besteiras...

    Isso que você afirma é um clichê vazio. Nada pessoal, mas você está repetindo besteiras!

    sem religião,mas sim não favorecer nenhuma religião em detrimento de outra.

    E já começa errando...

    O Estado laico é necessariamente sem religião, pois se tivesse religião ele seria confessional ou teocrático. Isso é tão basilar que se encontra em qualquer doutrina séria de direito constitucional.

    Estado ateu (que você começa mencionando como clichê) é um Estado que nega a existência de deus(es), tornando-se confessional ateu. O fato de não possuir religião não torna nenhum estado ateu.

    No que tange a não favorecer nenhuma religião em detrimento de outra, essa afirmação está incompleta. Primeiro que ele não irá favorecer nenhuma religião, independente de ser em detrimento de outra, pois, na verdade, quando se favorece uma religião, está se fazendo em detrimento do interesse público, da república e da própria Constituição. Segundo que o Estado laico também não deixa haver intromissão religiosa em seus assuntos políticos, sociais e institucionais, não possuindo assim nenhuma religião oficial, e também não se intrometendo em assuntos religiosos – não emitindo verdades sobre fé religiosa.

    O espaço publico não é só usado por crentes,mas tambem por católicos e outras religiões que quiserem usar.

    E a utilização de prédios da administração pública viola explicitamente o artigo 19, inciso I da Constituição Federal, que diz:

    Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:
    I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público;


    Artigo este que é uma das previsões da laicidade do Estado. Então, se religiosos estão usando os prédios públicos para fazer culto, está errado – quer você queira ou não –, pois é inconstitucional.

    Até ateus podem fazer suas reunioes la se quiserem...então lutem pelos seus direitos!

    Não é questão de direitos de grupos ou religiosos. É questão de se respeitar a laicidade do Estado.

    Em tempo: sugiro estudo antes de fazer afirmações sobre a laicidade, pois até o exato momento você demonstrou que não sabe sobre o que está falando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não sabe e nem quer saber.

      A única coisa que ele pretende é colaborar com a continuidade dos privilégios ao seu grupo religioso, mesmo que pra isso tenha que repetir frases e discursos prontos completamente desonestos e incoerentes!

      Para os religiosos, os fins sempre justificaram e ainda justificam os meios, a história comprova isso.

      Excluir
    2. E qual é a religião do estado?

      Excluir
    3. A religião do Estado é Igreja Universal do Reino do Povo, pois todo o poder emana do povo.

      Excluir
    4. "Secularismo francês (em francês: laïcité - pronuncia-se [la.isite], em português: laicismo) é um conceito que denota a ausência de envolvimento religioso em assuntos governamentais, bem como ausência de envolvimento do governo nos assuntos religiosos.[1][2] O secularismo francês tem uma longa história, mas a legislação atual é baseada na lei francesa de 1905 sobre a separação das Igrejas e do Estado. Durante o século XX, ela evoluiu para SIGNIFICAR IGUALDADE DE TRATAMENTO ENTRE TODAS AS RELIGIÕES(grifo meu), embora uma interpretação mais restritiva do termo tem sido desenvolvida desde 2004.[3] Apesar de dicionários ordinariamente traduzir laïcité como secularidade ou laicidade (sendo este último o sistema político)[4], tais conceitos não devem ser confundidos: laicismo não se confunde com laicidade[5]
      Na sua aceitação estrita e oficial, é o princípio da separação entre Igreja (ou religião) e Estado.[6] Etimologicamente, laïcité é um substantivo formado pela adição do sufixo -ite (português: -dade, latim -itas) ao adjetivo em latim lāicus, um empréstimo da palavra grega λᾱϊκός (Laikos "do povo", "leigo") e do adjetivo λᾱός (laos "povo").[7] A palavra laico é um adjetivo que significa uma atitude crítica e separadora da interferência da religião organizada na vida pública das sociedades contemporâneas.
      Politicamente podemos dividir os países em duas categorias, os laicos e não laicos, em que nos países politicamente laicos a religião não interfere directamente na política, como é o caso dos países ocidentais em geral. Países não laicos são teocráticos, e a religião tem papel ativo na política e até mesmo constituição, como é o caso de Israel, Irã e do Vaticano, entre outros."

      Fonte: Wikipedia

      Portanto o Brasil é um pais laico sim na sua essência,pois nenhuma religião governa este país!

      Excluir
  11. http://camara-dos-deputados.jusbrasil.com.br/noticias/100422097/ccj-aprova-autorizacao-para-entidades-religiosas-questionarem-leis-no-stf

    Já era tudo dominado.

    Fatima

    ResponderExcluir
  12. Qual o dia da macumba por lá?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Busca neste site