Votos dos não religiosos foram decisivos na reeleição de Obama

Nones, os sem religião
A 'nação none' é composta por não
religiosos e crentes sem afiliação
O Gallup chegou a uma revelação inesperada aos examinar os dados das eleições presidenciais norte-americanas deste ano: 70% dos nones votaram em Barack Obama, dando assim uma valiosa contribuição para a reeleição do candidato.

Nones é o nome que a Pew Research Center deu ao grupo de pessoas não religiosas (entre as quais ateus e agnósticos) e as que se declaram crentes ou espirituais, mas não estão afiliadas a nenhuma denominação.

O instituto de pesquisa apurou que 67% dos nones votaram no democrata Obama, e 26% no republicano Mitt Romney.

Os votos dos evangélicos favoreceram Romney na proporção de 56% contra 41%. Em relação ao eleitorado católico, a relação foi de 7 pontos percentuais a favor de Obama, 52% a 45%. Para o candidato à reeleição, portanto, os nones fizeram a diferença.

Os nones se situam na faixa do eleitorado mais jovens. São mais liberais do que seus pais e tendem a votar no Partido Democrata. Eles representam 20% da população americana, com perspectiva de se tornarem mais abrangentes. Estima-se que, dos eleitores deste ano, 12% eram de nones ou de “não filiados a nenhuma religião”.

Na avaliação de Gregory Smith, do Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública, a influência dos nones na política americana é “uma evolução notável”, porque se trata de um grupo de eleitores com senso crítico mais apurado.

Daqui para frente, segundo Smith, os políticos estarão mais atentos a essa nova força política, o que servirá de contrapartida à tradicional influência dos líderes religiosos, que representam o segmento mais conservador da sociedade americana.

Como informação do NPR, entre outras fontes.

Ex-protestantes americanos não optam por outra religião
outubro de 2012

Estatística das religiões no mundo

Comentários

  1. O grande grupo decisivo na eleição de Barack Obama foram as mulheres negras, que votaram em massa (96%) no candidato democrata. Na verdade, se apenas os homens tivessem votado, Romney teria levado praticamente todos os estados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Gallup confirmou o que eu já sabia. Todos os meus contatos jovens americanos das redes sociais(18 a 25 anos) votaram em Obama, com excessão de um ,que optou por Romney, mas não por critérios religiosos. O voto dos negros foi decisivo, o voto das mulheres(principalmente as negras) foi decisivo, o voto dos LGBTS foi decisivo, o voto dos hispânicos foi decisivo, o voto dos demais imigrantes foi decisivo, o voto dos jovens foi decisivo, o voto dos ateus , dos agnósticos e nones foi decisivo, o voto dos mais pobres foi decisivo. Os homens brancos que votaram maciçamente em Romney, como menciona o leitor de cima, foram os mais velhos, ricos, conservadores, puritanos, religiosos, fundamentalistas e heterossexuais anti-gays ou homofóbicos ou anti-secularistas. Os jovens brancos também preferiram Obama. Mais de 80% da juventude LGBT branca votou em Obama e mais de 86% da negra também.

      Excluir
    2. O que foi decisivo para a "eleição" de Obama foram os votos de uma minoria mixuruca, já que o candidato queniano não-americano "venceu" com uma merrequinha de votos.

      É bom também lembrar que Obama recebeu mais "votos" nos estados americanos onde não se exigia documentos de identificação com fotos, o que facilita FRAUDES.

      Excluir
    3. Olavete desmiolada, desde quando 4 milhões de votos é merrequinha de votos? Vai lamber sabão , meu.

      Excluir
  2. Irreligiosos nos EUA: 15,2%

    Ou seja: 70% de 15% é 10% dos votos válidos.

    E desde quando isso é decisivo, pá?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas eleições de segundo turno no Brasil, por exemplo, foram decididas na base do vencedor 51 por cento x perdedor 49 por cento dos votos válidos. E está se falando de 10 por cento de milhões, não de centenas ou dúzias.

      Ruggero

      Excluir
    2. Para saber se foi decisivo, teriamos que ver em qual região se concetrou esses votos e se estes votos fariam diferenças nas disputas dentro do estado. Nos Eua o voto não é o "voto popular" majoritário como no brasil... ganha o candidato que ganhar em estados com mais distritos.

      Excluir
    3. Você está se referido ao Colégio Eleitoral dos Delegados que vão para o candidato que obtiver mais votos em cada estado ou distrito. Mas não há dúvidas. Obama venceu na soma dos delegados do Colégio Eleitoral e no voto popular majoritário. Dizia-se que seria uma vitória por margem mínima em ambos os cenários . Analistas previam uma disputa acirradíssima, mas acabou sendo uma vitória até tranquila do candidato democrata.

      Excluir
    4. Tranquila ? So se for no colegio eleitoral dos delegados pq no voto popular caso vc nao saiba a diferença foi de mais ou menos 2%, ou seja, acirradíssima.

      Excluir
    5. Eu acho que 2% ou pouco mais do eleitorado dos EUA, que é enorme, não significa pouca coisa, não.

      Excluir
  3. Cara, o que aconteceu com seu blog??? A fonte está péssima pra ler. Antes era bem melhor, arruma isso Paulo Lopes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está estranha mesmo. Este blog sempre foi uma delícia de ser lido.

      Excluir
    2. No atual momento, a fonte dos comentários está num tamanho e formato perfeitos, muito confortáveis para a leitura!
      Acredito que as fontes do título e do texto principal precisem melhorar (no título as letras estão muito próximas e no texto muito "verticalizadas"), mas ainda assim estão melhores que as anteriores.

      Utilizo monitor de 22" @ 1280x720

      Excluir
    3. Agradeço as sugestões. Continuarei a fazer experimentações de formatos de título e texto para facilitar a leitura.

      Excluir
    4. satisfação garantida11 de dezembro de 2012 14:29

      Nossa, tem gente que é mesmo consumidor/palpiteiro exigente!

      Não basta dar ordens, exigir censura aos comentários que não lhe agradam, etc.

      Exige também fontes e aspecto visual que lhe propiciem "delícia" ao ler.

      Excluir
    5. Carlos Maçaranduba11 de dezembro de 2012 14:45

      ah me poupe Olavólatra.

      Excluir
    6. Esse olavista tem sérios problemas mentais.

      Excluir
  4. Sim!

    Obama uniu católicos e "nones" em prol de fazer o que parece certo. Uniu-os num esforço por um mundo melhor! Talvez com mais empregos, menos prisões secretas, ausência de ataques terroristas...uniu-os com sentimentos que, provavelmente, nem têm nomes em línguas vivas ou mortas!

    As notícias mostram que os Japonêses, ficaram felizes com a reeleição de Obama, assim como os Latino Americanos, os Mexicanos, muitos europeus... Na verdade o mundo o elegeu e reelegeu, não só os Americanos dos EUA.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi feito uma pesquisa pelo mundo e obama ganhou praticamente todos os países. Os conservadores americanos são uma especie especial de gente tapada, pouco encontrada no mundo...

      Excluir
  5. Votos em Obama por grupo:

    Evangélicos = 41%
    Católicos = 52%
    Nones (sem religião) = 67%

    Quanto menos ligado à religião, menos retrógrado é.

    ResponderExcluir
  6. pelo menos duas coisas boas acontecendo no mundo: o começo do fim da extrema-direita covarde e ao mesmo tempo o fim das religiões, é to começando a acreditar que yes, we can...

    ResponderExcluir

Postar um comentário