Professora no Egito corta trança de aluna por não usar véu

professora Iman e a estudante Mona
A atitude de Iman de cortar o cabelo de Mona equivale
no Brasil às professoras que obrigam os alunos a orar 
No Egito, a professora muçulmana Iman Kilani (foto) cortou uma trança da aluna Mona Barbesh (foto), 11, como punição por ela não usar o véu islâmico. A menina e o seu pai tinham combinado que ela só usaria o véu quanto se sentisse “pronta”. 

A professora foi condenada a pagar uma pequena multa, além de ser suspensa da escola por seis meses. Iman disse que cortou o cabelo da garota porque outras alunas estavam reclamando.

"Como prometi tomar uma atitude, um menino me emprestou uma tesoura e tive de manter a palavra e punir”, disse. Ela também cortou a trança de outra menina que às vezes aparecia na escola sem o hijab.

Barbesh Khairi, pai da Mona, disse que ninguém vai convencê-lo da necessidade de a sua filha usar o véu. Afirmou que o hijab é algo que a mulher religiosa tem dentro de si.

Um porta-voz do governo afirmou que não existem leis que obriguem as escolas a exigir o véu das alunas.

A atitude de Iman demonstra um fanatismo religioso equivalente aos das professoras que, no Brasil, fazem proselitismo de sua religião, havendo casos da imposição de oração em classe de aula.

Com informação da BBC Brasil

Professora ameaçou dar zero ao aluno que não orasse na classe
março de 2012

Religião no Estado laico    Fanatismo islâmico

Comentários

  1. Satanás o Único e Verdadeiro .Eu Sou.7 de novembro de 2012 12:39

    E eu aqui sentado ao vento , sentindo a brisa refrescante tocando em meu rosto. HaHaHa me aceitem ou não eu estiu sempre marcando presença ... Cade os evangélicos????? Abraços querido adoro vocês........

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles também te adoram ...não param de falar e pensar em vc!

      Excluir
  2. Exatamente o que professores religiosos fazem no Brasil impondo suas crendices a força e obrigando os alunos a segui-las.

    ResponderExcluir
  3. Fiquei surpreso que o Estado egípcio não apoiou a professora.
    Pensei que não fosse acontecer nada a ela.

    ResponderExcluir
  4. Depois ainda vem imbecis dizer que as mulheres são livres para escolher se querem usar o véu ou não. Se vê claramente na reportagem da BBC que as mulheres são pressionadas a usar o véu.
    Rodrigo*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem apenas 11 anos, não é mulher e não tem querer, já que não possui "plena capacidade de compreender as implicações sociais de tal ato" (ato de se recusar a usar o véu).

      Crianças não têm de ter querer frente ao consenso da maioria, jamais!

      Excluir
    2. Crianças não podem consentir, logo, é a cultura da maioria que consente o que elas podem ou não fazer socialmente, sempre!

      Excluir
  5. Pontos interessantes a se notar:
    *A explicação lamurienta da professora: Mimimi eu prometi punição aí me emprestaram uma tesoura (que provavelmente você pediu emprestada, né Teacher?) e eu TIVE mimimimimi que cumprir o que eu disse MIIImimimimi...
    *Ela foi punida, a diretoria "cortou suas tranças" e porque será que isso me deixou realmente SURPRESO?
    *O pai da garota é o primeiro homem muçulmano moderado que eu vejo retratado neste blog DESDE QUE EU PASSEI A FREQÜENTÁ-LO!
    *E o mais incrível de tudo isso é ver a combinação que ele fez com a menina: Cara, ele ESCUTA sua filha e RESPEITA suas decisões! Isso é incrível vindo de um muçulmano, pelo menos os retratados neste blog, e mostra que, se nem tudo são rosas neste mundo, nem tudo são espinhos também.

    Winston Smith

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um muçulmano moderado e inteligente a esse ponto em país de maioria islâmica? Ainda desconfio! Ele pode ser ateu ou agnóstico e não fala nada para não ser depredado.

      Excluir
    2. em país muçulmano??? ele deve é ter receio de ser linchado em praça pública, e a mulher e a filha serem enterradas até o pescoço e depois apedrejadas até a morte.

      Excluir
    3. "E o mais incrível de tudo isso é ver a combinação que ele fez com a menina: Cara, ele ESCUTA sua filha e RESPEITA suas decisões!"

      Ela tem apenas 11 anos, logo, não deve ter nenhum direito de decisão. Por acaso, se uma adolescente de 11 anoso decidir namorar com um adulto e o pai respeitasse a decisão dela, você concordaria?

      Não sejamos hipócritas, pois em nossa cultura mesmo nós não respeitamos decisões afetivas de pessoas dessa idade e sempre tempos "bons motivos" para tal. Lá, eles não respeitam as decisões religiosas de pessoas dessa idade, certamente que também com seus "bons motivos" para tal.

      Não sejamos tão hipócritas!

      Excluir
    4. "E o mais incrível de tudo isso é ver a combinação que ele fez com a menina: Cara, ele ESCUTA sua filha e RESPEITA suas decisões!"

      Ela tem apenas 11 anos, logo, não deve ter nenhum direito de decisão. Por acaso, se uma adolescente de 11 anos decidir namorar com um adulto e o pai respeitasse a decisão dela, você concordaria?

      Não sejamos hipócritas, pois em nossa cultura mesmo nós não respeitamos decisões afetivas de pessoas dessa idade e sempre tempos "bons motivos" para tal. Lá, eles não respeitam as decisões religiosas de pessoas dessa idade, certamente que também com seus "bons motivos" para tal.

      Não sejamos tão hipócritas!

      Excluir
    5. Os absurdos que acabei de ler me confirmam que um ateu pode ser tão preconceituoso quanto qualquer evangélico.
      E o pior é falar sobre coisas que não se conhecem. Sobre um país, sociedade e povo sobre os quais não conhecem absolutamente nada.

      Excluir
  6. Pq essa puta não vem morar aqui? Seria interessante ver ela passar por ridícula por se fantasiar de viúva de ninja.

    ResponderExcluir
  7. Você nem sabe quem esta' por trás daquela roupa de ninja! Quem garante que essa ridícula não paga outra pessoa pra trabalhar por ela?.... Vemos que não são só os muçulmanos, mas as muçulmanas também são fanáticas, em grande parte. Religião e' uma m... , mesmo.

    ResponderExcluir
  8. "A punição para aqueles que fazem guerra contra Alá e Seu Profeta e fazem corrupção na terra, é de assassiná-los, de crucificá-los, ou cortar uma mão e um pé em lados opostos ... . " (Alcorão 5: 33)

    ResponderExcluir
  9. povo atrasado .
    os EUA deviam jogar uma bomba nesse paisinho de merlim .
    falta nao vai fazer.

    ResponderExcluir
  10. Tambem me surpreendi com a punicao da professora.Me parece que o povo egipcio ta lutando contra a influencia da religiao na politica, tomara que consigam. Espero que no Brasil esse avanco jumengelico nao passe de uma coisa pontual, senao...

    ResponderExcluir
  11. Anônimo das 02:52

    O que eu faria se ela quisesse namorar um adulto e o pai dela aceitasse? N-A-D-A! Não me diz respeito, diz respeito aos dois. Se ele aceita, ele e ela que arque com as conseqüências, sejam elas más ou boas.
    E cara, escutar e entender alguém não significa ser frouxo, significa ser sensato. O exemplo que você deu nem é válido pois não sabemos o que ele acharia de sua filha namorando adultos, o que sabemos é o que ele acha de sua filha não querer usar um véu... que diferença, né! E você sabia que nestes assuntos religiosos há os que não escutam seus filhos? Você enquanto filho(a) de um pai muçulmano preferiria que ele te obrigasse a decorar o corão ou usar o véu sem sua vontade ou que ele te respeitasse e esperasse você decidir sobre isso? Esta é a pergunta que deve ser feita.
    Sem hipocrisia você!

    Winston Smith

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas se eu sou considerado, pela minha idade, como um ser sem capacidade de decisão, logo, é o desejo da cultura social - representado na pessoa do meu pai - que deveria impor como eu devo ou não me relacionar com outros membros da sociedade, no caso, tanto relação afetivo-sexual quanto relação religiosa.

      Se eu não o meu querer sendo respeitado e acatado para um tipo de relacionamento que contrarie o senso comum, então por que eu teria o meu querer respeitado e catado para outro tipo de relacionamento que também contrarie o senso comum?

      Se você puder enxergar racionalmente o comparativo, vai logo perceber a hipocrisia presente naqueles que defendem o respeito a um tipo de vontade, mas condenam o respeito a outro tipo de vontade análoga!

      Excluir
    2. Mas se eu sou considerado, pela minha idade, como um ser sem capacidade de decisão, logo, é o desejo da cultura social - representado na pessoa do meu pai - que deveria impor como eu devo ou não me relacionar com outros membros da sociedade, no caso, tanto relação afetivo-sexual quanto relação religiosa.

      Se eu não tenho o meu querer sendo respeitado e acatado para um tipo de relacionamento que contrarie o senso comum, então por que eu teria o meu querer respeitado e catado para outro tipo de relacionamento que também contrarie o senso comum?

      Ou eu tenho as MINHAS DECISÕES de relacionamento social sendo respeitadas, mesmo tendo pouca idade, ou eu não tenho as MINHAS DECISÕES de relacionamento social sendo respeitadas, é simples!

      Se você puder enxergar racionalmente o comparativo, vai logo perceber a hipocrisia presente naqueles que defendem o respeito a um tipo de vontade, mas condenam o respeito a outro tipo de vontade análoga!

      Excluir
  12. Anônimo das 04:40

    Não vejo hipocrisia numa pessoa que separa o que seu filho pode ou não escolher. Repetindo, não sabemos o que esse pai acharia sobre sua filha namorar adultos, e também sabemos que coisas como essas são raríssimas de acontecer, e quando acontecem é feito as escondidas porque sabem que os pais não aprovariam tal ato. Olha o risco que a falta de diálogo pode trazer.
    Se o pai é o filho(a) confiam e respeitam um ao outro é natural que haja compreensão em certos assuntos de ordem pessoal (religião) e, quando confrontado, ou até espontaneamente, como prevenção, uma boa conversa sobre sexo e relacionamento que faz da "negativa" um momento de aprendizado e não de conflito.
    (continua)

    ResponderExcluir
  13. (continuando)
    Biologicamente falando, a partir do momento em que a garota menstrua ela já está pronta para reproduzir, portanto não há impedimento biológico numa relação de adultos e jovens.
    Porém, moralmente falando, há o impedimento legal destes casos, e a lei deve ser respeitada.
    Um pai, ou mãe, responsável deve ao menos dizer ao filho já adolescente as implicações que seu ato pode trazer, e em relação a crianças de 11 anos dizer que pra tudo há seu tempo, mas, como já disse, esse seu exemplo é muito difícil de acontecer em crianças dessa idade, não sei se vale a pena você usar isto como suporte ao seu argumento.

    Winston Smith

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, minha visão é um bocado libertária, mas não estou querendo apologizar que alguém deva fazer algo que infrinja as leis vigentes. Apenas acho que a idade do consentimento deveria ser mais baixa, além de não concordar com a repressão que os pais impõem aos filhos jovens com base em pre[con]ceitos "morais". Infelizmente o mundo ainda tem muito, ou melhor, tem todo o caminho a percorrer no sentindo de se livrar desta visão medieval sobre o convívio e os relacionamentos interpessoais.

      Você parece possuir uma visão progressista sobre a questão, então vamos ficar por isso mesmo, até por que estou muito desanimado pra instigar uma discussão mais aprofundada agora.

      Um abraço!

      Excluir
  14. Religião ja ta enchendo o saco de todo mundo.

    ResponderExcluir
  15. Religião e' algo que já não tem mais função, a não ser atrapalhar a vida de todo mundo, inclusive dos que a professam, que não se dão conta do quão maligna e nociva ela e'. Se em tempos de despotismo e ciência primordial ela era algo em que as pessoas se agarravam ante o desconhecido, hoje ela não passa de um instrumento de controle (para manter o povo quieto e servil, como teria dito Napoleão). Obvio que essa professora e' um só' fantoche nas mãos dos imas que querem manter seu controle a ferro e a fogo ( um dia ainda essas pessoas abrirão os olhos para o fato que elas estão apenas sustentando uns vagabundos instigadores decoradores de Alcorão que não produz absolutamente nada além de ódio.
    Ruggero

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Busca neste site