Justiça mantém Deus no real para não gerar 'intranquilidade'

do Valor Econômico

Referência a Deus em cédula do real
7ª Vara de SP aceitou alegação de que
não há desrespeito ao Estado laico

Com base na alegação do Banco Central de que a retirada da expressão "Deus seja louvado" das cédulas do real iria custar R$ 12 milhões aos cofres públicos e gerar "intranquilidade" na sociedade, a juíza federal Diana Brunstein, da 7ª Vara da Justiça negou o pedido feito pelo Ministério Público de São Paulo para alterar o papel-moeda nacional.
Diana entendeu que a menção a Deus nas "cédulas monetárias não parece ser um direcionamento estatal na vida do indivíduo que o obrigue a adotar ou não determinada crença".

A juíza também considerou que a alegação do MP de que as cédulas representam afronta à liberdade religiosa não veio acompanhada de dados concretos colhidos junto à sociedade que denotassem qualquer incômodo com o uso da expressão "Deus".

A decisão é provisória e negou o pedido de antecipação de tutela para que as futuras cédulas do real fossem impressas sem a expressão religiosa. Caso o pedido fosse atendido, os custos do BC com segurança, atualização do design das cédulas e divulgação das alterações chegariam a R$ 12 milhões. O MP ainda pode recorrer ao Tribunal Regional Federal (TRF) de São Paulo na tentativa de alterar as cédulas.

Justiça mantém crucifixos em repartições públicas de SP
novembro de 2012

A expressão "Deus" está no papel-moeda nacional há 26 anos e foi incluída por voto do Conselho Monetário Nacional, em 26 de junho de 1986, época do Plano Cruzado. A expressão foi mantida durante as mudanças da moeda para cruzado novo, em janeiro de 1989, cruzeiro, em março de 1990, e cruzeiro real, em agosto de 1993.

Em março de 1994, o então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, tomou conhecimento que a expressão "Deus seja louvado" havia sido retirada. Naquela época, FHC estava cotado para disputar a eleição presidencial - o que acabou se confirmando - e contava com uma experiência negativa em outra campanha por causa de um tema religioso.

Quando disputou as eleições para a Prefeitura de São Paulo, em 1985, o então candidato FHC titubeou ao ser questionado se acreditava em Deus num debate na televisão. Ao invés de responder "sim" ou "não", ele contestou a pergunta, reclamando o motivo de ela ter sido feita. A repercussão do episódio de 1985 foi negativa para o então candidato, que foi apontado por seus adversários como "ateu". Jânio Quadros acabou sendo eleito prefeito de São Paulo. Dado esse passado, em 1994, FHC determinou a realização de "estudos necessários para que a expressão fosse restabelecida". O BC atendeu ao então ministro da Fazenda e ordenou a recolocação de "Deus" nas notas do real, em 8 de junho de 1994. Desde então, não houve alteração da expressão nas cédulas.

Ao ser questionado sobre o assunto pela Justiça, o BC informou que a expressão não fere o Estado laico e não pode ser comparada com outras, como "Alá seja louvado", "Buda seja louvado", "Salve Oxossi", "Salve Lord Ganesha" ou "Deus não existe".

Para o BC, o uso desses termos provocaria "agitação na sociedade brasileira". "É possível perceber, de forma suficientemente clara, que a expressão que se pretende extirpar das cédulas de real, em boa verdade, emprega a palavra Deus em sentido amplíssimo", afirmou nos autos o procurador-geral do BC, Isaac Sidney Menezes Ferreira. "A ideia da sentença é justamente louvar entidade espiritual superior, nominada, pelas mais diversas religiões, de "Deus", e não afirmar a existência ou negar a existência dessa entidade."






Quem colocou Deus no real não tinha nada mais importante a fazer?
novembro de 2012

Religião no Estado laico


Comentários

  1. não acredito que iria gerar tumulto ,coisa estranha é o jeito que a nossa justiça funciona a questão não é se vai ou não causar tumulto tem que ver o que diz a lei ,e se esta ilegal tem que arrancar da nota a inscrição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles não dizem(explicam com clareza) que tipo de 'tumulto' seria esse.

      Excluir
    2. CHUUUPEM ateus desocupados. Vão procurar algo que seja útil para fazer.

      A frase é bonita e os argumentos usados para que ela fosse retirada são ridículos.

      Quem manda é a maioria e a maioria quer que a frase fique, afinal, antes de ser um estado "laico" o estado é também "democrático".

      Xingamentos de baixíssimo nível de quem não tem o que fazer e nem argumentos virão logo abaixo...



      Excluir
    3. Engraçado, nunca vi um ateu xingando um crente. Na verdade, é bem o contrário.

      Como o anônimo das 15:39 bem disse, não é questão de como a sociedade responderia. Quem está ao cargo de representar a sociedade é o Executivo, que é eleito por ela, não o Judiciário. O Judiciário precisa fazer valerem as leis, e a Constituição brasileira dita que não pode haver preferência religiosa no Estado. Logo, tal declaração nas cédulas, crucifixos em estabelecimentos do governo e tudo mais, vão de contra a essa regra, e são inconstitucionais.

      A maioria é cristã? Que se pronunciem para ter uma nova constituição, e que esta seja cristã. Aí sim terão o direito de fazer valer o poder da maioria em frente ao poder da Carta Magna. O problema é conseguir com que os crentes concordem em alguma coisa...

      Excluir
    4. Resposta para Italo:

      Italo você disse:

      "...Engraçado, nunca vi um ateu xingando um crente..."

      Resposta:
      Ou você é cego ou não sabe ler.

      Tem CENTENAS de xingamentos de nível baixíssimo de ateus contra crentes NESSE blog.

      Olha aí embaixo, olha os outros artigos, tá dormindo cara?


      Excluir
  2. Isaac Sidney
    Menezes Ferreira. "A ideia da sentença é
    justamente louvar entidade espiritual
    superior, nominada, pelas mais diversas religiões, de "Deus", e não afirmar a
    existência ou negar a existência dessa
    entidade."

    ''agora alguém me diga o porque de afirmar a existência de deuses ou não no dinheiro''

    ResponderExcluir
  3. Anônimo Ateu Gay Efebófilo Humanista30 de novembro de 2012 15:48

    "A Justiça também considerou que a alegação do MP de que as cédulas representam afronta à liberdade religiosa não veio acompanhada de dados concretos colhidos junto à sociedade que denotassem qualquer incômodo com o uso da expressão "Deus"."

    É aquela velha história que eu sempre costumo comentar aqui no blog, sobre os pequenos abusos religiosos sobre o estado irem "demarcando território" para que mais a frente os cristãos tomem decisões políticas que afetem diretamente a vida de todos sob a prerrogativa de que a fé cristã está profundamente incorporada ao dia-a-dia do povo brasileiro e, portanto, se justifica a imposição de seus dogmas na forma de leis.

    Colocaram os crucifixos e ninguém se manifestou.
    Colocaram a frase no dinheiro e ninguém se manifestou.

    Agora tentam tirar, e aparecem trocentas desculpas para que nada seja modificado. Amanhã aparecerão leis cristãs e seus relatores utilizarão a frase do dinheiro como exemplo de que somos uma nação profundamente cristã. Uma coisa leva a outra, e assim por diante.

    Vai vendo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com você , e mais idiota ainda é esta estória de louvar divindades em dinheiro.

      Excluir
    2. Já usam o argumento do preâmbulo da Constituição...

      Excluir
    3. Mas o STF determinou que o preâmbulo não tem valor. Apenas expressam o sentimento daqueles que redigiram a Constituição, como que agradecendo a sua divindidade por ter conseguido realizar tal feito.
      Mas isso não se extende ao texto da constituição, que é laica.

      Excluir
    4. Engraçado como a retirada desssa expressão pode causar "agitação" na sociedade enquanto que desnutrição, analfabetismo e corrupção parecem não incomodar. O CABRESTO da religião imposto a todos. e a sociedade em sua cegueira e pretensa democracia continua a RELINXAR.

      Excluir
  4. http://www.facebook.com/photo.php?fbid=108287182671478&set=a.108261402674056.18564.100004705904556&type=1&theater

    ResponderExcluir
  5. Quem não gosta da frase só precisa rabiscá-la. O rabisco não vai alterar o valor da nota. Agora o religioso que não tiver o que fazer é que vai prestar atenção num pequeno rabisco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já rabisco faz uns 3 anos - isso quando não escrevo Zeus no lugar do deus louvado pelos trouxas, ou escrevo estado laico em cima. Ou deus não existe, ou Exu seja louvado. Frase ridícula tem que ser avacalhada, mesmo.

      Ruggero

      Excluir
    2. Anônimo30 de novembro de 2012 17:07

      voce nao tem mais nada que fazer? o tempo que voce perde com essas parvoices , devia usar para prestar servicos socias a tanta gente que precisa :) ou entao o melhor e dar todo o dinheiro que tenha a frase escrita( ironia on). sinceramente

      Excluir
    3. Anônimo das 18:15, tu não passas de um fanfarrão. Seu papinho de serviços sociais cheira a pieguice da mais fuleira e sabe por que? Porque DUVIDO que vc se presta a tais serviços. E continuarei a riscar. O que para sua crentolice pode parecer falta do que fazer, a mim é um protesto contra um bando de cretinos que se acham donos de tudo. No mais, levaremos de 5 segundos para riscar a frase asquerosa do dinheiro.

      Ruggero

      Excluir
    4. O Anônimo de 30 de novembro de 2012 18:15 reclama do tempo "perdido" "com essas parvoíces", mas gastou mais tempo digitando o comentário em que reclama do que o tempo de alguém que risca uma cédula. (E eu estou gastando tempo agora!)

      Haja!

      Excluir
  6. eles(o governo e congeneres) temem serem repudiados pelo povão crente e católico e assim não teram votos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "e assim não terão votos"

      se usa "ão" pois você está se referindo ao futuro.

      Excluir
    2. Exatamente. Eles preferem garantir a sua continuidade no poder do que fazer valer a Constituição. Preferem se manter no poder por outros motivos que não fazendo um bom trabalho.

      Excluir
  7. "intranquilidades" são necessárias para a evolução de algo.

    Motivo esfarrapado, mais uma vez os teocratas ferrando com tudo.

    lastimavel.

    ResponderExcluir
  8. 12 milhoes pra fazer notas novas sem uma frasezinha? isso ai é desculpa

    ResponderExcluir
  9. Isso foi a decisão quanto a antecipação da tutela, e não sobre o mérito da ação...

    ResponderExcluir
  10. Respostas
    1. A frase só gera custo quando é pra ser retirada?
      E em todas as vezes que foi colocada, quem a custeou? Será que foi o Sarney? Cadê o comprovante?

      Ah não, deve ter sido o tal Deus, que num ato miraculoso e comprobatório de sua existência, fez surgir a frase - sem custo nenhum - nas notas já impressas! Ah, bom...

      Excluir
    2. Realmente, ONDE que está esse custo?! Basta imprimir as 'fornadas' de notas novas sem a frase. O recolhimento continua normal e costumeiro, a substituição de notas velhas por novas, idem, como sempre o Bacen fez. Esse custo é uma mentira deslavada, coisa ded proselitista, de "doutor" com rabo preso!

      Ruggero


      ET.: esses proselitistas podem até impedir que se tire a frase vil das cédulas, mas quero ver eles me impedir de riscá-las, zoá-las, deturpá-las...

      Excluir
  11. Além de Deus jamais ter tido a capacidade de usar os recursos que estão fora da sua época. E ser só uma hipótese, que depende de provas, o ônus da prova cabe aos teístas.

    ResponderExcluir
  12. justamente louvar entidade espiritual superior, nominada, pelas mais diversas religiões, de "Deus", e não afirmar a existência ou negar a existência dessa entidade.

    Nessa parte do texto!! Logico q a expressão afirma a existencia de algo sobrenatural!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, se você sugere que algo seja louvado, então é por que você sugere que, antes, esse algo (ou alguém) exista, ora bolas!

      A frase é proselitista, e isso nem deveria ser colocado em questão, embora os teocratas apelem pra quaisquer falácias, por mais esdrúxulas que sejam, para tentar justificar seus atos - sempre - abusivos!

      Excluir
    2. ...se você sugere que algo seja louvado, então é por que você sugere que, antes, esse algo (ou alguém) exista...

      A existência pode ser real ou ficcional. Quando dizemos que o saci-pererê é um menino negro de uma perna só e que usa um gorro vermelho e fuma cachimbo estamos descrevendo um ser que existe de maneira ficcional. Mesma coisa para Deus.

      Sugerir que se louve a Deus pode significar muitas coisas pois a palvra "Deus" pode significar muitas coisas. Cada qual dará a essa palavra, "Deus", um significado que estará de acordo com suas crenças religiosas ou não.

      Para muitos, Deus significará Jeová. Para outros, uma energia, uma força, uma inteligência. E para poucos, uma ideia humana.

      Penso que para a maioria das pessoas a noção de "Deus" carrega um significado daquilo que é bom, justo, sábio, auxiliador, provedor e, portanto, algo que valha a pena ser louvado.

      Quanto a polêmica frase instituída pelo Sarney e mantida pelos presidentes que o suscederam, acho que, à época, deveria ter merecido uma consulta popular para que se decedisse pô-la ou não pô-la.

      Ainda há tempo para essa consulta popular e eu votaria pela retirada, mas, não ficaria decepcionado se ganhasse a opção de mantê-la.

      Excluir
    3. pra mim significa Mamom o Deus do dinheiro.

      Excluir
    4. @Anônimo 30 de novembro de 2012 17:42

      Independente da "interpretação", continua sendo uma ideia religiosa, logo, proselitista e infratora da laicidade estatal.

      Em nosso contexto social, sugerir que se louve a deus significa exatamente sugerir um louvor (ou aceitação) religioso direcionado à divindade do cristianismo. Não adianta dizer que alguém quer atribuir "o que quiser" à palavra deus, pois isso não muda o seu significado real, que todos sabem muito bem qual é.

      Não sejamos tão ridículos a ponto de querer tampar o Sol com uma peneira!

      Excluir
    5. Anônimo30 de novembro de 2012 18:22

      Não seja generalista. Nem todos os que louvam a Deus estão louvando o Deus do cristianismo. A maioria está, mas, a maioria não é todo mundo.

      Em nosso contexto social louvar a Deus significa mais do que aceitar Jeová como divindade. Significa aceitar que há uma ideia que resume nela própria os ideais mais caros ao ser humano, tais como bondade, justiça, sabedoria, caridade e essa ideia é nomeada Deus. Portanto, quando a frase impressa nas notas de real sugere que se louve a Deus está se sugerindo uma aceitação e um elogio a um símbolo e não a um ser.

      Se a frase deve permanecer nas notas? Eu já disse que sou contra.

      Excluir
    6. @Anônimo 30 de novembro de 2012 19:57

      Sua resposta foi idêntica àquela dada pelos grupos de escoteiros sobre o juramento a Deus.

      É muito, mas muito conveniente para os crentes fazer com que os demais pensem desta maneira, afinal, isso faz com que sejam apoiados indiretamente em seu poder político.

      E já que está falando em não generalizar, então o lembro que os crentes em deus podem ser maioria, mas não são a totalidade, logo, a frase não contempla aqueles que não crêem em deus nem como divindade específica e muito menos como "ideais mais caros".

      Logo, a frase é irregular e ponto, independente dos malabarismos conceituais que vocês, crentes e simpatizantes, queiram realizar para tentar justificar o injustificável.

      Vocês podem até insistir em querer subestimar a inteligência alheia com essas falácias, mas não pensem ser injusto quando considerarmos tal atitude ofensiva e resolvermos revidá-la com a mesma moeda!

      #ficadica

      Excluir
  13. Os argumentos dos teocratas são sempre podres e falsos.

    ResponderExcluir
  14. "A ideia da sentença é justamente louvar entidade espiritual superior, nominada, pelas mais diversas religiões, de "Deus", e não afirmar a existência ou negar a existência dessa entidade."

    Como assim não afirmar a existência? Se vc louva algo é óbvio que vc pressupõe q esse algo exista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os gênios do BC acham que não. E a maioria do povo, que não é muito bom em interpretação de textos, vai achar que essa afirmação faz sentido. Só queria saber alguém vai ressaltar essa afirmação contraditória e usar isso pra provar que o BC disse merda.

      Excluir
  15. Achei essa desculpa da despesa de 12 milhões meio esfarrapada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. 12 milhões em que? Alterar o software que imprime a nota? Se eles já repoem as notas com o tempo, é só imprimir sem o texto.
      Se eles gastam 12 milhões para tirar algo simples assim, imagina quanto gastaram para mudar o formato (ou ainda aquela nota de 10 reais de plástico).

      Excluir
  16. "A ideia da sentença é justamente louvar entidade espiritual superior, nominada, pelas mais diversas religiões, de "Deus", e não afirmar a existência ou negar a existência dessa entidade."

    Como assim não afirmar a existência? Se vc louva algo, é obvio que pressupõe sua existência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estão zombando da inteligência das pessoas, mas tudo bem, não é? Afinal, brasileiros pensantes constituem a minoria da minoria, ou seja, uma parcela insignificante! Tão insignificante, que mais uma vez será atropelada pela "democrática" ditadura da maioria.

      Excluir
  17. Antes era a favor de tirar a frase, por respeito as outras religiões(ou falta dela), mas acho que tirar uma frase das notas não vale 12 milhões do dinheiro público

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria interessante acompanhar o caso antes de soltar uma pérola dessa, não?

      Se você acompanha e tem senso crítico, já SABE que essa alegação de suposto custo pela substituição "em função da remoção da frase" não tem o menor cabimento.

      Esse valor apresentado, muito provavelmente, é o valor que será gasto (com ou sem frase) na substituição natural das cédulas velhas por outras novas, que ocorre periodicamente (o Ministério Público não exigiu a substituição imediata, mas somente que as novas cédulas que entrassem em circulação - no tempo já programado - não contivessem tal inscrição religiosa proselitista).

      Vivemos no Brasil e estamos lidando com funcionários públicos religiosos, então há de se ter o mínimo de senso crítico ao julgar uma situação de acordo com declarações dadas por pessoas que nutrem "sentimento" religioso e/ou defendem interesses de outras autoridades que o nutrem.

      Mas enfim, pelo jeito, este país só sabe andar pra trás ou de lado mesmo! País de religiosos e/ou gente conservadora (apaixonados pela estagnação) é assim mesmo...

      Excluir
    2. Sou servidor público e sou ateu. Não generalize.

      Excluir
    3. @Anônimo 30 de novembro de 2012 20:03

      Desculpe, mas eu não sabia que o senhor era um componente da cúpula do Banco Central que está envolvido diretamente nesta questão!

      Lamento o mau entendido, senhor servidor público ateu responsável pelas declarações do BC.

      Excluir
  18. Existem religiões sem deus, então a expressão "deus seja louvado" não é aplicável à todas as religiões...

    TEM QUE TIRAR ISSO JÁ!

    ResponderExcluir
  19. "A Justiça também considerou que a alegação do MP de que as cédulas representam afronta à liberdade religiosa não veio acompanhada de dados concretos colhidos junto à sociedade que denotassem qualquer incômodo com o uso da expressão "Deus"."
    Inicialmente, a justificativa me pareceu lúcida. Mas logo depois, eu pensei nas determinações implantadas sem a consulta à sociedade...

    ResponderExcluir
  20. "A Justiça também considerou que a alegação do MP de que as cédulas representam afronta à liberdade religiosa não veio acompanhada de dados concretos colhidos junto à sociedade que denotassem qualquer incômodo com o uso da expressão "Deus"."
    Inicialmente, a justificativa me pareceu lúcida. Mas logo depois, eu pensei nas determinações implantadas sem a consulta à sociedade...

    ResponderExcluir
  21. Porra, tira logo essa merda do real! estão com medinho desses crentes do caralho!

    ResponderExcluir
  22. Deus seja louvado etá no lugar certo, no dinheiro, que é isso que ele gosta.

    ResponderExcluir
  23. Eu sei que, sem o "deus de bosta" ou sem o "deus de merda", eu quero um montão dessas notas aí.

    ResponderExcluir
  24. Oras, até parece que é necessário trocar o dinheiro todo de uma vez... apenas retirem a frase da matriz de impressão. Aos poucos as notas com a frase vão envelhecendo e sendo trocadas. Desculpa totalmente esfarrapada!

    ResponderExcluir
  25. Alguém dá um Constituição Federal para esse juiz da 7ª vara de SP e aproveita para enviar uma para os caras do BC, também. E que desculpa mais esfarrapada é essa de gasto de R$ 12 milhões?! Decisões tomadas por interesses escusos (proselitismo), uma vergonha, isso. Isso é um quarto mundo, mesmo (terceiro era faz tempo).

    ResponderExcluir
  26. Poderiam chamar o Sarney como terceiro e fazer ele pagar esses 12 milhões caso comprovado que ele simplesmente pediu para colocar esse termo como um favor ao seu ego hiper - inflado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente sugestão!
      Seria bom começarmos a exigir que os responsáveis pela gestão pública fossem responsabilizados por seus atos, não é mesmo? Um dia isso deve ser feito, e esse dia está nas mãos do povo brasileiro decidir. Pode ser daqui a 10, 20, 30 anos, bem como pode ser HOJE mesmo.

      Excluir
  27. Quer dizer que a proposta idiota iria custar 12 milhões! Realmente não tem o que fazer esse procurador e essa militância atéia desocupada querendo se meter em questões supérfluas. Se essa militância neo atéia fosse mesmo preocupada com educação e conscientização, pararia por aqui com esses devaneios histéricos custosos ao bolso do cidadão. Dinheiro desperdiçado da mesma forma que os religiosos que se valem dos recursos públicos destinados às suas atividades. Mas para satisfazer o ego neo ateu, acredito que a maioria aqui iria concordar com esse desperdício público por causa de uma frase. Como já disse por aqui: Tudo farinha do mesmo saco! Só muda o lado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não esperava arcoires saindo da boca de um religioso. Quando você parar de chupar o saco do seu amigo imaginario, ai você volta a postar aqui kkkk

      Excluir
    2. esses olavetes não desistemmesmo.

      Excluir
    3. Satan Goss, melhor não desistir doque desistir e entregar tudo nas mãos de deus kkkkkkkkkkk fica a dica ;)

      Excluir
    4. Mas eu sou militante ateu e estou bem ocupado, tanto que só escrevo aqui fora do horário de trabalho. Eu não sei o que pentecostelhos vêm (<- prova de que estudei português) trolar num site ateu. Estes é que me parecem desocupados.

      Excluir
    5. Senhor observador cego, então de quem iremos cobrar os R$ 12 milhões que custearam a estampa da frase nas notas do Real?

      Sarney paga, as igrejas pagam, ou devemos incluir uma "taxa de proselitismo da moeda" nas contas de água e luz de cada cidadão religioso deste país?

      Meu dinheiro não é capim, então quero saber quem vai ressarcir os cofres públicos por este mau uso do meu patrimônio para causas particulares!

      E aí, como é que fica?

      Excluir
  28. Mais uma demonstração da Justiça covarde que existe neste país; a mesma Justiça que solta centenas de presidiários para passar feriados em casa, liberação que eles aproveitam para a prática de mais crimes; a mesma Justiça que não tem coragem de retirar as cruzes e crucifixos das repartições públicas; a mesma Justiça que tem milhares de processos em seus arquivos, que nunca serão solucionados; a mesma Justiça prolixa, mergulhada em centenas de arrobas de resmas; o mesmo modelo de Justiça que funcionou (muito bem, obrigado!) durante a Ditadura Militar; a Justiça excessivamente burocrática, morosa, cara, injusta, cega ao bem estar dos pobres, dos negros, dos índios e das mulheres; é essa Justiça a causa direta e inequívoca de afrontas das Organizações Criminosas às Forças de Defesa do Estado; é essa Justiça que faz do Código Penal uma espécie de catálogo de supermercado; essa Justiça que não respeita a Lei e está levando nosso Brasil a uma grande derrota social.

    ResponderExcluir
  29. Custa 26 milhões pra tirar mas na hora de por ninguém reclamou né? E "intranquilidade"?? Faça-me o favor, desculpa mais primitiva de todas, eu nunca que iria imaginar que ainda teriam a cara de pau de usá-la. E imagine só, as pessoas que decidem se isso fere ou não a laicidade muito provavelmente estão se lixando pra isso. É o mesmo caso de quando juízes homens querem decidir o que é ou não ofensivo para as mulheres, ou héteros querem decidir o que é ou não ofensivo para os homossexuais. É sempre a mesma coisa: os grupos dominantes no Poder escolhendo pelos minoritários. Essa é a nossa justiça, um bando de gente defendendo os interesses próprios. E afetando a nossa vida com isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pelo desabafo, pois essa é a mais pura realidade, infelizmente!

      Excluir
  30. Colocar "deus seja louvado" no real pode,que tal se uma empresa
    decidir colocar em rolos de papel higiênico.Legal né?

    ResponderExcluir
  31. "12 milhões aos cofres públicos e gerar intranquilidade."

    12 milhões para tirar uma frase de um programa de impressão??? Mentira descarada, e o MPF já tinha dito que não precisava substituir a nota, e sim as novas que fossem impressas sem a frase. E mesmo que custe 12 milhões quer dizer que não se pode retirar algo inconstitucional pq vai gerar custos? Piada isso? Qualquer tramite no legislativo, executivo e judiciário gera custos, então nunca mais poderemos revogar algo ilegal "Não tem lei que diz que isso deve estar escrito na nota." Pq vai gerar custo? 7ª Vara da Justiça achando que esta lidando com incautos.

    O mais engraçado é que a 7ª Vara da Justiça não impediu que a frase fosse colocada pelo Sarney, pq iria gerar custos. Estranho isso...

    Qualquer 1 que ver a declaração do Sarney vai ver que ele colocou a frase na nota por proselitismo. Resumindo se esta usando a maquina estatal para fazer proselitismo do monoteísmo. O cara ainda cria uma cédula com nome de Cruzado, parece até piada. Adoraria ver a reação dos “cruzados” cristãos” se criassem uma nota com nome de Sarracenos. Sarracenos e cruzados se matavam na maior ALEGRIAAAAAA...

    "Não parece ser um direcionamento estatal na vida do individuo"
    É um claro direcionamento estatal. "Deus seja louvado." É uma clara manifestação do Estado a favor do monoteísmo, e é sim um proselitismo. Ignorando assim, politeístas, ateus, agnósticos, deístas, panteístas e etc. Uma afirmação que pode ser claramente interpretada como uma ordem, ou sugestão. O que por si só já um absurdo, o Estado me dando dicas ou ordens, falando qual deve ser minha cosmovisão.

    "não veio acompanhada de dados concretos" Claro agora qualquer pessoa que sentir que teve um direito constitucional violado, tem que pagar dezenas de milhares de reais para um instituto fazer uma pesquisa em âmbito nacional, para saber a opinião dos outros. Por falar nisso se a opinião da maioria for a favor de algo inconstitucional, deve manter o ato inconstitucional? Me responda Juízes da 7 vara de justiça. Desonestidade pura.

    Jurava que o Brasil tinha p princípio da isonomia e igualdade de credos e filosofia perante a lei, mas a 7 vara de justiça, mostrou que monoteístas tem privilégios para fazer proselitismo estatal.
    Rodrigo*

    ResponderExcluir
  32. O resto do texto da 7ª Vara da Justiça ignora diversas vezes politeístas, ateus agnósticos, deístas e etc.

    Provocaria "agitação na sociedade Brasileira." A 7° vara de justiça tem dados concretos junto à sociedade Brasileira que demonstre que iria ocorrer uma agitação??? Estranho né? Exigem dados, mas fazem afirmação sem dado nenhum, Hipocrisia.

    E mesmo que provocasse agitação. Seria correto manter privilégios para monoteístas, só pq ele iam ficar incomodados. A cidadã que entrou contra a frase na nota, não se sentiu incomodada?? Então Brasil deixou de ser um Estado Democrático de DIREITO, para virar a ditadura da maioria? “Onde as leis falham poluem os demagogos e o povo se torna tirano.”

    Aproveitem rasguem ou modifiquem o artigo 5 da Constituição que diz que TODOS são iguais perante a lei, independe de religião ou posição filosófica. Tirem ainda o termo laico, e coloquem confessional. É tão claro como o sol, que essa medida de manter a frase é injusta. Basta inverter a situação imagine a seguintes Frases "Louvem os Deuses." ou "Deus não existe." "Não louvam a Deus." Deístas não louvam Deus. Qualquer uma dessas frases seria tão injusta como a frase que só favorece o monoteísmo.

    "não afirmar a existência ou negar a existência dessa entidade”. Aqui você vê a má fé, ou total ignorância de quem escreveu essa decisão. Qual o sentido de louvar algo que não existe???? Se o Estado esta afirmando: “Deus seja louvado.” É obvio que ele esta afirmando que existe Deus, e que somente 1 deve ser louvado.
    Rodrigo*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente!
      Subscrevo integralmente seus dois últimos comentários.

      Excluir
  33. tá blz nao vamos sair recolhendo notas para apagar a frase, mais nas proximas design que forem criados para dificultar a falsificação, podiar vir sem a frase.

    ResponderExcluir
  34. Vou escrever por cima de "Deus", 'Sarney seja louvado'. Se der na telha, ainda colocarei 'Sarney é Deus, é eterno".

    Nem o PT conseguiu tirar a onipresença e onipotência do Sarney no governo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Nem o PT conseguiu tirar a onipresença e onipotência do Sarney no governo." [2]

      Excluir
  35. Façam como eu, sempre tenho em mãos uma caneta daquelas de marcar retroprojetor, sempre faço um risco de tinta preta sobre a frase.

    ResponderExcluir
  36. Façam como eu, andem sempre com uma caneta preta dessas de escrever em transparências ou marca-CD. Eu sempre risco a frase com essa caneta. Outra coisa importante, enquanto existirem juizas, do sexo feminio, a justiça nunca será plena, sempre agirão com emoção, nunca racionalmente.

    ResponderExcluir
  37. Traduzindo: Os crentes podem tudo e não devem ser incomodados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas até a simples existência dos descrentes já é uma "ofensa" que incomoda muito os crentes.

      Sempre foi assim! Eles não sossegam até nos exterminar, e depois, arrumam um jeito de ir exterminando a si próprios, pois vivem numa cultura de ódio e intolerância, independente do que alguns queiram argumentar para defendê-los, pois isso é fato e não muda com palavras de defesa!

      Pela preservação da espécie humana, a natureza criou ateus e descrentes! A religião é que corrompe a maioria das criaturas.

      Excluir
  38. Considerado que o pedido era apenas em caráter de tutela antecipada, temos, ainda, esperança.
    Embora não tenha lido o despacho na íntegra, fato é que a juíza apenas se esquivou de se manifestar quanto ao mérito, se aprofundando na questão.

    A alegação do BC de possível agitação social é risível.

    Como é que uma autarquia, portanto, instituição pública, manifesta isso? Que agitação social? Fez pesquisas? Quais as fontes? Seguiu critérios científicos?

    Se algum estudo com rigor científico mostrasse que a retirada provocaria agitação social, então é mais uma prova de que a religião faz mais mal do que bem - não consigo ter outro entendimento que não este.

    Como banco, o Bacen mostra que não entende nada de pesquisas e levantamentos estatísticos sociais.

    O pedido do MPF-SP, em si, não representaria qualquer gasto público. A substituição se daria conforme as notas fossem descartadas pelo tempo de uso, desgaste natural, portanto, substituídas normalmente, conforme a demanda por substituição.

    O fato de não ter enfrentado a questão, antecipando a tutela pela substituição, em nada prejudicaria uma eventual não concessão do mérito do pedido. Pois neste, voltaria a ser inserida a frase nas futuras emissões para substituição.

    Logo, do exposto acima, é possível concluir que a juíza não quis prestar a jurisdição, portanto uma escusa da prestação jurisdicional, em sede de tutela antecipada, razoável.

    ResponderExcluir
  39. FIQUEM TRANQUILOS BRASILEIROS!!! ,
    podem continuar acreditando
    que a maioria dos juízes são humanos e cagões !

    ResponderExcluir
  40. Custar R$ 12 milhões?! Isso que é uma desculpa mentirosa e esfarrapada!

    Na verdade, haveria economia de tinta sem a impressão dessa frase.

    Infelizmente o Brasil ainda viverá muito tempo na teocracia...

    ResponderExcluir
  41. Eu não quero nem saber se é "amplíssimo". Não vejo o porquê.

    ResponderExcluir
  42. Poucas vezes li tantos comentário ridiculos num mesmo blog. O problema do Brasil é que está muito politicamente correto. Não interessa se Deus existe ou não, o que importa é parar com essa frescura de agradar as minorias. Querem tirar a frase, ótimo, tirem também os feriados religioso começando pelo Natal. Aproveitem e mudem o nome do estado de São Paulo, Santa Catarina, Espirito Santo, sem mencionar os nomes de cidades que tenham qualquer ligação com religião. Vão fazer isso? Não, é obvio, então parem de encher o saco por uma frase.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos por partes, certo? Do contrário, dê você a dica de como mudar as coisas de uma hora para outra.

      Excluir
  43. Então a juíza tá usando o PODER que temporariamente tem pra julgar não com base na lei mas com base na crença dela? perfeito, vou começar a rabiscar em cima do deus (de merda) seja louvado a cada nota que passar na minha mão. Agora que esse FHC é um ateu safado e fisiológico isto é...

    ResponderExcluir
  44. realmente este blog tá cheio de comentários ridículos, mas fazer o quê? não podemos impedir os religiosos de se manifestarem. O argumento principal e como sempre falacioso é: se tirar o "merda seja louvado" tem que retirar também o..o.....o, cristo redentor lá do corcovado pq também é um símbolo cristão, e tem que mudar o nome de são paulo pq, bla, bla, blá.... é o típico argumento lógico-furado do cristão: não vou lavar a louça do almoço, na janta vai sujar de novo, e amanha de novo, e depois...
    As desgraças são tão conformadas com seus símbolos e sinais que não aceitam ou admitem mudanças, o argumento básico é A MAIORIA quer assim, tal qual a escravidão era legitimada com o argumento da MAIORIA, ainda que estúpida e ilegal mas sabe como é, trata-se da maioria, maioria covarde e fora da legalidade mas ainda assim maioria.

    ResponderExcluir
  45. Pior do que ser CRENTE IGNORANTE é ser POLÍTICO ATEU e dobrar-se à chantagem crentola, como fizeram os últimos presidentes.A solução, além da educação , é não eleger evangélicos. Temo que venhamos a ter um estado cristão.

    ResponderExcluir

  46. "A ideia da sentença é justamente louvar entidade espiritual superior, nominada, pelas mais diversas religiões, de "Deus", e não afirmar a existência ou negar a existência dessa entidade."(hã???!!!) Isaac Sidney Menezes Ferreira-Procurador-geral do BC

    "Jênio" esse cara, pelo poder argumentativo eu diria que ele foi aluno do Pondé.

    ResponderExcluir
  47. "Brasil, um país de todos."
    Não. Brasil, um país da maioria.

    ResponderExcluir
  48. "por favor, não risquem com caneta onde diz 'Deus seja louvado' em suas cédulas, isto é ilegal". Mas a própria frase também não é ilegal?

    ResponderExcluir

Postar um comentário