Pastor queixa-se por não ter mais acesso à Seleção Brasileira

pastor Anselmo Alves
Anselmo Alves disse que também 
dava apoio psicológico aos jogadores
O pastor Anselmo Alves (foto) não viajou a Londres para acompanhar a Seleção Brasileira nos jogos olímpicos. “Não tenho mais permissão de fazer trabalhos [na seleção], e nenhum atleta me convidou”, queixou-se.

O técnico Mano Menezes já tinha avisado em meados do ano passado que não permitiria a presença de pastores nas concentrações da Seleção.

Em julho de 2011, na Argentina, por ocasião da Copa das Américas, o jogador Lúcio deu um jeitinho de burlar a proibição convidando Alves para frequentar o restaurante do hotel onde a Seleção estava hospedada. A viagem do pastor foi paga pelo próprio jogador.

Mas agora, segundo reclamou o pastor, nem no Brasil ele consegue entrar em hotel onde a Seleção estiver.

Alves vinha acompanhando a Seleção Brasileira havia pelo menos 10 anos. A sua atuação foi mais notada pela imprensa principalmente na época do treinador Dunga.

Mano, ao menos quanto ao veto a Alves, está certo. Religião não tem nada a ver com a Seleção Brasileira. Os jogadores mais religiosos que orem em seu quarto. Nada impede isso.

Anselmo Alves não se conformou com o seu afastamento da Seleção. Ele tem argumentado que, além do apoio espiritual, dava sustentação psicológica aos jogadores. Mas quem deve dar esse tipo de apoio é psicólogo, e não pastor.





Lúcio dá um jeito de contornar veto e ora com pastor
julho de 2011

Religião nos esportes.

Comentários

  1. Ô, meu gesuiscristinho... tô com tanta peninha dele... pobrezinho...

    Agora, talvez, ele ache uma coisa útil pra fazer na vida. Ou não. Talvez ele possa conseguir alguma coisa no XV de Piracicaba.

    ResponderExcluir
  2. O futebolista está para o pastor assim como a pepita de ouro está para o garimpeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeita analogia.

      Excluir
    2. Comparação perfeita mesmo! Gostei.

      Excluir
  3. Se orar resolvesse, o campeonato italiano terminava empatado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagine o campeonato baiano, então.

      Excluir
    2. Bem feito, cara de peidão...

      Excluir
  4. Nada a ver, mas nossa...boleiros ganham salários de seis dígitos para jogar bola na frente das câmeras e gravar comerciais.
    Dá uma pena...
    Esses pobres diabos precisam de todo nosso apoio!Quando vejo uma criança com fome no semáforo eu grito: "vá ver um jogo da Seleção pra ver o que é sofrer, moleque!Sai da rua!"

    Torço pra perderem.Sempre.

    ResponderExcluir
  5. ao contrário do nivel de ensino superior, que é comum em equipes de futebol no exterior, os nossos mal têm o ensino médio e ainda abominam a aquisiçao de cultura.

    ResponderExcluir
  6. Dez anos sem ganhar a copa e dez anos com ele acompanhando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk, talvez ele seja o problema

      Excluir
  7. mais uma vez ,o mi mi mi mi cristão ...

    ResponderExcluir
  8. Perdeu a viagem gratuita para ver os jogos em troca de nada. Por isso ta chorando..

    ResponderExcluir
  9. Lugar de pastor é na igreja com seus deuses imaginarios!

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Não vejo qual é o motivo do choro desse pastor. Ele não é contratado da seleção brasileira. Por outro lado, se ele quiser ir para Londres para acompanhar a seleção ele poderá fazê-lo com qualquer um; às suas próprias expensas, é claro.

    Minha crítica não é contra o apoio espiritual que esse pastor pode oferecer. Minha crítica é a respeito das vantagens financeiras que esse pastor pode alcançar usando desse apoio. Viajar de graça, hospedar-se em Hóteis de graça, ter acesso aos jogadores de graça, comer de graça são algumas das vantagens das quais eu estou falando.

    Para se poder viajar com a seleção, hospedar-se no mesmo hotel que ela, frequentar os mesmos restaurantes que ela, ter acesso aos bastidadores é necessário ser da comissão técnica da seleção brasileira. E esse pastor não faz parte dela.

    ResponderExcluir
  12. É crentalhada.

    A casa de vocês está caindo.

    Att.,

    Espancador de Pastores

    ResponderExcluir
  13. "além do apoio espiritual, dava sustentação psicológica aos jogadores. Mas quem deve dar esse tipo de apoio é psicólogo, e não pastor."

    Ótima colocação! Se todos pensassem assim, seria muito mais fácil trabalhar nesta área.

    ResponderExcluir
  14. Vagabundo chorando por perder a moleza nem deveria ser notícia.

    ResponderExcluir
  15. Já temos a desculpa perfeita quando perdermos a medalha em Londres: não tivemos o apoio de Deus! Hahahaha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem outra: O possível "pé-frio" da presidente Dilma segundo falou o cético Paulo Lopes.

      Excluir
  16. Gatinho, o pastor!! Eu pegava!! Rs!

    ResponderExcluir
  17. Eu quero saber de onde esse jornalista tirou a ideia de que "religião não tem nada a ver com a Seleção Brasileira". Ora, muita coisa que não tem nada a ver com futebol é permitida em um ambiente de competição, como ouvir música, fazer pagode e distrair-se nas concentrações.

    ResponderExcluir
  18. Eu tenho quase certeza que se fosse um padre, um líder espírita, um Pai de Orixás,... que estivesse dando conselhos para os atletas da Seleção Brasileira, esse picareta da fé estaria esbravejando que o Estado é laico e o esporte assim como o Estado não deve misturar com religião.

    Mas como foi ele que entrou nessa,...

    Outra coisa: Quem deu permissão para esse senhor "pregar" para os jogadores?

    Os jogadores que não são cristãos eram obrigados a participarem das "pregações" também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! O Estado só é Laico quando convém!

      Excluir
  19. Paciência pastor. Paciência.

    Se nenhum jogador está te chamando, pra quê ficar se queixando? Vai procurar outra freguesia, ora!

    ResponderExcluir
  20. Eu pergunto: Qual é a utilidade desse pastor frequentando concentrações? Já deveria ter se tocado que isso , além de um desrespeito aos jogadores de outras fés e aos que não possuem fé nenhuma, constitui UM ABUSO E UMA INUTILIDADE QUE PARA NADA SERVE. Se algum jogador requisitar poder-se-ia possibilitar um encontro particular, mas FORA DA CONCENTRAÇÃO. Já era chegada a hora de acabar com essas palhaçadas.

    ResponderExcluir
  21. Se ele fisgar um daqueles milionarios tera uma bela renda atraves do dizimo.
    Sua luta é por essa grana. Se fosse pelas supostas almas iria para a caatinga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tuuuuuudo Warner! Assino embaixo...

      Pensador livre.

      Excluir
  22. Esse cara podia ganhar a vida sendo duble do Dexter... Putz; o cara é igualzinho...

    ResponderExcluir
  23. Prefere as regalias do que pregar a palavra de G-zuis para o povo?De bobo esse pastor não tem nada kkk

    ResponderExcluir
  24. Futebol e cristianismo: únicas coisas que fazem o povão se reunir para debater. Triste...

    ResponderExcluir
  25. O galão ficou louco: perdeu mordomias várias. Triste cena que o futebol brasileiro chegou: o pastor querendo e conseguindo mandar mais que um dirigente de futebol.

    ResponderExcluir
  26. Pega o dinheiro do dízimo e vai..

    ResponderExcluir
  27. Viva a liberdade, viva a verdade, uma não anda sem a outra.
    Todos perceberam, o que esse canalha quer é o dizimo .....
    Adoro meus colegas participantes deste blog.

    ResponderExcluir
  28. Pede para esta vagabundo ir trabalhar,e fazer realmente de algo útil para esta nossa sociedade.
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  29. religiõe$ e futebol são CANCROS do nosso pais, assim como televisão.........................

    ResponderExcluir
  30. CATOLICO COM ORGULHO17 de agosto de 2012 20:00

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário