Pular para o conteúdo principal

Cristãs brasileiras que moram no Egito temem adoção da lei islâmica

por Tariq Saleh para BBC Brasil

Rosemira Silva
A baiana Rosemira Silva disse que as
 mulheres estão ofendidas nas ruas
A vitória do líder islâmico Mohamed Mursi na eleição presidencial do Egito trouxe medos diferentes às brasileiras que vivem no país. Elas temem desde o aumento da violência nas ruas à implementação da sharia (lei islâmica) — que poderia trazer restrições às estrangeiras ocidentais.

Em um país extremamente polarizado, Mursi conquistou 51,7% dos votos no segundo turno da eleição, mas seu rival, o general reformado da Força Aérea Ahmed Shafiq, último primeiro-ministro no regime de Mubarak, ficou com 48,3%.

A carioca Susy Sobrinho, que é cristã, afirmou que durante a campanha eleitoral egípcia ouviu discursos de políticos seculares acusando a Irmandade Muçulmana de planejar a transformação do Egito em um Estado governado pela lei islâmica.

“As pessoas comentavam no Facebook e conhecidos egípcios também falavam sobre as restrições que o candidato Mursi poderia fazer (a seculares e mulheres)”, disse.

Mas Susy falou que, após refletir sobre Mursi como presidente, chegou à conclusão de que os militares usaram de sua influência para que o secularismo fosse preservado qualquer que fosse o candidato vitorioso. “Não tenho medo do Egito se transformar em Estado islâmico.”

“Vejo que há pessoas dentro da Irmandade com a verdadeira intenção de reconstruir o Egito. Para isso, eles sabem que é necessário manter investimentos de capital estrangeiro para geração de emprego e renda e fazer a indústria do turismo voltar a funcionar como antes, ou até melhor”, afirmou Susy.

Para convencer os eleitores de que era um candidato de todos, e não apenas da parcela islâmica conservadora, Mohamed Mursi adotou um discurso em favor da união nacional.

Mas os discursos moderados e de reconciliação não a deixaram a baiana Rosemira Silva (foto acima) menos ansiosa e preocupada com a insegurança e instabilidade no Egito.

“Eu sinto o povo mais agressivo e radical desde a revolução e a queda de Hosni Mubarak. As pessoas falam do temor de partidos extremistas dominarem a política”.

Ela afimou ter medo do aumento da violência no país devido ao clima político instável. “Nas ruas, mulheres vêm sendo agredidas verbalmente. Já tenho medo de sair de casa, uma amiga minha foi roubada em pleno dia na frente de casa. Tenho medo até de pegar um táxi sozinha.”

Rosemira, que é cristã e já esteve na Líbia com o namorado e teve que deixar o país às pressas por conta da guerra civil do ano passado, revelou que pretende deixar o Egito em breve. “Não sei o que pode acontecer no Egito daqui para a frente. O país ainda está em caos e poderá piorar”.

Josiane Marques
A carioca Josiane está preocupada
com a liberdade das mulheres
Para a carioca e também cristã Josiane Marques (foto ao lado), a situação no Egito está preocupante e um confronto entre Mursi e os militares parece ser “inevitável”.

 “Estou muito ansiosa e preocupada com a situação que nos encontramos atualmente, sem saber o que será do nosso futuro”, disse. Ela é casada com um egípcio e mora há oito anos no país.

“O que mais me preocupa aqui é como será a liberdade das mulheres, se haverá restrições. Não deixo de pensar se Mursi será presidente para todos ou apenas para um certo grupo”.

Já Susy acredita que, no final, tudo será resolvido de forma pacífica, já que o povo foi às ruas para derrubar um regime sem usar violência. Mesmo assim ela e o marido egípcio devem deixar o país em breve por acreditar que a crise demorará para passar.

“Não sairemos por medo de algum evento que possa gerar violência, mas porque o custo de vida no país está ficando mais alto para o nosso padrão. Não há muitas perspectivas por aqui no momento”.

Slogan do presidente eleito do Egito é 'Islã é a solução'.
junho de 2012

Religião na política.

Comentários

Anônimo disse…
"... uma amiga minha foi roubada em pleno dia na frente de casa".
Ela tem razão mesmo, no Brasil essas coisas não acontecem.
Valdo.
Will disse…
Paulo, mudando completamente de assunto, achei esse manifesto da Sociedade Brasileira de Genética bem legal:
http://www.sbg.org.br/ManisfestoCriacionismo.html
Anônimo disse…
Vem pro Brasil então...oras... Incrível como os árabes estão em decadência caindo no extremismo religioso.

Att.
Paulo Thiago
Wickedman disse…
Tô desconfiando que essa primavera árabe vai ser um tiro pela culatra.
Wickedman disse…
Já estava na hora.
Paulo Lopes disse…
Vou ler. Abs.
Lia de Souza disse…
Se elas quiserem saber o que as espera é só ver o caso de Timbuktu no Mali. Nada é tão ruim que não possa piorar...
Lucas disse…
Ai que gostoso ver cristaos se borrando de medo, sofrendo todo tipo de repressao e persseguiçao, bom pra que sintam na pele o que fazem com as minorias sexuais, etnicas e religiosas ... sintam um gostinho do seu prprio veneno!
Essas garotas deveriam retornar ao Brasil, esse nosso país civilizadíssimo com as mulheres, graças à moral e ética cristãs. Onde mulheres NÃO são ofendidas verbalmente por usarem roupas sensuais. Onde NINGUÉM fala que uma mulher que bebe ou usa uma saia mais curta "está pedindo para ser estuprada". Onde milhares de mulheres NÃO são mortas ou agredidas diariamente por seus companheiros, que NÃO as consideram como meras propriedades suas. Onde não existe NENHUMA sombra de misoginia e machismo, não senhor!

Sim, esse nosso belo país cristão, muito melhor e mais civilizado do que esses bárbaros e atrasados muçulmanos! Não é mesmo?
Anônimo disse…
Comentário lamentável esse do senhor José Guilherme. Não sabe usar de ironia e escreveu um texto simplesmente grotesco. Com certeza o Brasil não é o paraíso na Terra, mas tem um Estado de Direito, ainda que precário. A violência contra a mulher é muito grande por aqui, mas existem recursos contra ela: há Delegacias de defesa da mulher, ONGs, grupos feministas,legislação específica e a Constituição garante igualdade de direitos entre homens e mulheres. É claro que na vida prática a efetivação destes direitos é lenta e imperfeita. Mas nada que se compara aos países islâmicos, onde a mulher é cidadã de segunda classe,e agressões não são punidas devidamente pelo Estado, na maioria das vezes. Ninguém está com revólver obrigando mulheres a andar de minissaias ou roupas decotadas. O ser humano não é um escravo dos hormônios, que sai atacando por aí quando lhe dá na telha. Nenhuma mulher "pede para ser estuprada", isto é papo de machista ou fanático ressentido. Vai estudar um pouco ou procurar os blogs do Olavo de Carvalho e do Julio Severo para desabafar um pouco...
Quando o cara sabe que vai escrever asneira, sempre posta como "anônimo", é claro. Por que isso não me surpreende? Da próxima vez, coloco uma tag que até você vai entender.

Meu caro, esse argumento "vestida assim, ela pediu para ser estuprada" é uma CONSTANTE por aqui, inclusive entre pessoas de nível superior. Cansei de escutar coisas parecidas aqui no trabalho. É grotesco? Vergonhoso? Sim, com certeza. Grotesco e vergonhoso como nos países muçulmanos. Temos um dos maiores índices do mundo de violência contra a mulher, e a coisa só não piora por conta do resquício de estado laico que ainda temos por aqui. O cristianismo não fica nada a dever em machismo e misoginia ao islamismo, ao contrário do que sua santa alienação imagina. E se vc acha que apenas o texto constitucional muda essa triste realidade, explica muito bem porque as coisas estão como estão.
Anônimo disse…
fala pra mim qual o nome da vítima e onde e em que lugar do país um ateu ou um gay foi agredido por alguém da igreja, aqui do brasil ? diz pra mim , nunca vi um bando de maluco que vive fazendo vídeo no youtube e dizendo que estão sendo perseguidos por cristãos . larga de falacia rapaz. esses gays que são agredidos nas ruas eles são vítimas de pessoas que tem raiva de gays e eles são a maioria Skinreads vc já viu um Skinreads dentro da igreja . é toda dia tem ateu morrendo e apanhando por pessoas das igrejas né . o que eu to vendo é um monte de ateu babaca fazendo vídeos e incentivando a violencia por causa de religião e isso é fato . basta as pessoas entrar na internet e vai ver o bando de idiotas que fazem vídeo xingando e zombando de cristão .ta mais facil ser os ateus que estão perseguindo os gays aqui do brasil .
Anônimo disse…
o engraçado é que os ateus dizem que o mundo seria melhor sem a religião , só a alguns dias eu fui entender porque ! eles vivem dizendo e elogiando a dinamarca , suécia , e outros países . engraçado os mesmos países que vcs ateus admiram são os mesmo que legaliza o camarada a transar com animais ( bestialismo ) ou zoofilia , sabam disso? sabia que as pessoas tanto homens como mulheres tem uma procura muito grande por animais para serem penetrados e o pior , eles gostam dos cachorros grandes como dinamarquês , pastor alemão , dogue alemão . e isso estar tudo legalizado é normal nesses países de ateus e de primeiro que já se livraram da religião que é considerada como estupida .agora fico imaginando quem é estupido se é o religioso que é taxado como doido por ter fé ou uns caras que preferem ser encarcado por animais e principalmente cachorros enormes , queria saber o que tem na mente ou dentro do celebro de um ateu muitisisisisismo inteligente em afirmar que o mundo seria melhor só de ateus . ata a dinamarca é quase 100% ateu então não venham me dizer que tem religioso queimando a rosca com animais , são todos ateus .e isso é o que vcs chamam de sinal de inteligencia. se o mundo fosse só de ateus em 50 anos o mundo acabaria isso é fato..
Anônimo disse…
Como é bom perseguir os outros não ´evangélicos? Vocês vao sentir na pela toda persiguição que vocês fazem no Brasil. A Irmandade Mulçulmana não brinca em serviço. Vão espussar todos os cristãos do oriente para nos matar aqui no Ocidente com sua religiao tambem tirana
Anônimo disse…
Não vi evidências que comprovem que haverá mesmo uma perseguição sistemática contra cristãos no Egito. Isso é bla bla bla. Por que os cristãos gostam tanto de evocar esse argumento da perseguição religiosa, gostam de se fazer de vítimas.
O Egito não é problema nosso, vivemos no Brasil e aqui os perseguidores são os cristãos, em especial os evangélicos com sua visão de mundo tacanha e estereotipada.


Valdo.
Anônimo disse…
Os cristãos ( pelo menos os que comentam aqui no blog ) deveriam ser perseguidos por professores de português, eita povinho analfa!
Anônimo disse…
Lindas mulheres. :)
Anônimo disse…
Kkkkk pois é, isso lá acontece muito raramente, aqui a cada segundo !
Anônimo disse…
Boa rapa !!!
Anônimo disse…
Falou tudo ! Por aqui são os próprios cristãos que matam os cristãos mesmo...
Anônimo disse…
Me da' um aperto no coracao ver essa que foi a primeira grande civilizacao humana terminar assim, naufragando nesse esgoto religioso.

Parece com aquelas historias de ficcao cientifica de segunda classe, mas e' tristemente real.

Tenho amigos egipcios (ateus) que logicamente fugiram de la', e me solidarizo com eles.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao