Pesquisas questionam a suposta generosidade cristã dos brasileiros


Se a generosidade é um dos atributos dos cristãos, por que os brasileiros não se destacam nesse quesito? Duas recentes pesquisas levam essa questão à reflexão.

Pesquisa da americana Pew Research Center confirmou ser o Brasil o segundo maior país cristão do mundo, com 90% de sua população.

Outra pesquisa, feita pela britânica CAF (Charities Aid Fondation), colocou os brasileiros em 85º lugar em um ranking de generosidade. O índice de generosidade dos brasileiros em 2011 foi de 29%, contra os 30% de 2010, na 76ª posição. Houve, portanto, uma queda de nove posições.

Do total de entrevistados, 48% afirmaram que ajudaram um estranho, 26% informaram ter doado dinheiro a instituições de caridade e 14% disseram que participaram de um trabalho voluntário.

Em termos de generosidade, o Brasil está no mesmo nível da África do Sul, Bangladesh, Camarões, Itália, Mali, Marrocos, Moçambique e República Democrática do Congo.

Os norte-americanos são o povo mais generoso do mundo e também o mais cristão, com mais de 90% do total das pessoas. Nesse caso, vale, portanto, a tese de que a cristandade e a generosidade andam juntas.

Mas uma pesquisa feita no Reino Unido entre abril de 2010 a março de 2011 mostrou que cristãos não são mais desprendidos em relação aos não crentes, pelo menos quanto aos trabalhos voluntários. Do total de pessoas consultadas, 56% das sem religião participaram como voluntárias ao menos uma vez em atividades sociais – percentual apenas um pouco abaixo do apurado entre os cristãos (58%).

No caso dos brasileiros, talvez a pesquisa de generosidade da CAF deva ser colocada em dúvida porque somos tidos como um povo naturalmente solidário, independentemente das religiões, se isso não for mais um mito.

Quanto aos cristãos mais devotos, talvez a sua generosidade esteja beneficiando não quem precisa de ajuda, mas pastores cada vez mais milionários.




Nível de generosidade dos brasileiros está em 85º lugar


Comentários

Avelino Bego disse…
É que aqui, a pessoa se declara cristã e acha que já automaticamente boa...
juliano disse…
na minha casa teve uns pedreiros que fizeram umas reformas e eles são cristãos
os caras só ficavam chamando uns aos outros de irmãos
o irmão a massa ta pronta?, o irmão o reboque ficou bom? , o irmão não é assim, o irmão faz isso e aquilo !!
eu sendo ATEU, fui legal e generoso com esses caras, eu oferecia refrigerante, café, bolachas pq eu ficava com dó dos caras trabalhando nesse serviço ruim, e inclusive eu dei um video cassete que estava parado aqui sem uso para um desses "irmãos"
resultado: justo o cara que eu dei o video cassete abandonou o serviço pela metade e foi embora junto com mais um pegar outro serviço $$
por isso religião não define bondade,generosidade, gratidão e etc de ninguém
Icepowerlander disse…
Conheço mais descrentes generosos do que crentes!
Anônimo disse…
Acredito que pelo fato de no Brasil prevalecer o sincretismo religioso, já que cultos religiosos que envolvem rituais primitivos e até violentos são, infelizmente, muito populares. O cristianismo aqui não é praticado com o mesmo rigor de outras sociedades, que, a despeito da secularização, ainda são constituídas por segmentos muito vinculados à tradição religiosa cristã.
Fabiano Pereira disse…
Ah sim, Anônimo. A culpa é do sincretismo religioso, não do cristianismo. A culpa nunca é dos cristãos. Que hipocrisia.
Luan Cunha disse…
A verdade é que os crentes, muitas vezes, fazem caridade para "comprar" seu lugarzinho no céu ou para receber alguma recompensa do "papai do céu", como prosperidade, e não porque é o certo a se fazer.

Ou seja, faz isso por puro "interesse divino" ou para simplesmente se aparecer, para outros crentes e para o deus deles. É como se falassem: "Ei, deus; olha eu aqui, estou dando R$1000 para os orfãos!".

Deve ser por isso que muitos gostam de espalhar aos quatro ventos ou contar para os amiginhos das rodas de fofoca nas reuniões o quanto doaram para instituição X, o quanto ajudaram a pessoa Y e por aí vai.

Ateus fazem boas ações porque simplesmente é o certo a se fazer ou porque isso faz bem para eles e para a pessoa que eles ajudaram. E eles fazem isso sem pedir nada em troca, nem mesmo "prêmios celestiais". E ficam na deles!

Pra mim, esse é o melhor exemplo de altruísmo, apesar de alguns acharem isso irracional ou "egoísmo internalizado", é pela empatia que sentimos pelas pessoas que se fortalece uma sociedade.

Somos animais que vivem em sociedade, nada mais natural nós ajudarmos uns aos outros, porque isso nos fortalece, como pessoas e como um todo. Tudo isso é puro senso de comunidade e sobrevivência mútua.
Foussie disse…
A generosidade do brasileiro é mito acalentado por uma ideia de que todo religioso é bom.
Izaque Bastos disse…
é claro que religiao nao define carater de ninguem tem muito pilantra religioso, assim como existe muito picareta ateu, conheço varios, existem pessoas religiosas que fazem o bem e nao apregoa aos 4 ventos, minha mae mesmop é uma, ja acolheu ate mendigo em casa,tira da boca pra ajudar os necessitados.é isso que Jesus ensina, é isso que incomoda os ateus? os ensinamentos de Jesus?
Jesus disse, se o teu inimigo tem alguma coisa contra vc, va ate ele e peça perdao e depois vem e deixa sua oferta no altar.
é claro que 90% dos cristaos nao cumprem esse mandamento, mas existe pessoas que sim, o que adianta dar ajuda, odiando seu semelhante?
se formos pontuar os erros da pessoas, quem é certo na terra?
nós cristaos erramos, mas procuramos concertar nosso erro, isso se chama humildade, que a implicancia dos ateus, chama de hipocrisia, Nietsche morreu louco, mesmo tendo estudado teologia, resolveu odiar e atacar o cristianismo com todas as suas forças, de que adiantou?
Anônimo disse…
Alguém já viu alguém colocar cedulas por baixo da porta de alguém para ajudá-lo, pra que ninguém veja? E por que judiam tanto de animais em vez de ajudá-los? Simples: porque animais são indefesos, sem leis que os protejam, e ajudá-los não dá IBOP e não leva ninguém para o céu.
Anônimo disse…
Religião não define caráter. Conheço espíritas, católicos e evangélicos, muçulmanos e budistas que são honestos e generosos, outros que não são.
Acredito que o brasileiro seja um povo altruísta e generoso, mas há muitos fatores aqui que deveria ser levados em consideração. E um deles é a corrupção, que há muito tempo já estendeu às ONGs e instituições. As pessoas estão perdendo a confiança em instituições, devido ao grande aumento da corrupção. Sem a certeza de que o dinheiro será utilizado corretamente as pessoas deixam de doar.
Quanto a religião, eu não vejo a menor diferença entre ateus e teístas (religiosos ou não). Há aqueles que ajudam por altruísmo e aqueles que procuram de forma adquirir estatus.

Valdo.
Anônimo disse…
Isso não é bem verdade.
Tem muitas pessoas que ajudam animais sim.
Inclusive, o princípio do vegetarianismo (entre veganos, budistas, taoístas e praticantes do Tao) é a compaixão pelos animais.
Além da questão da qi (ka).

Valdo