Pular para o conteúdo principal

Assembleia de Deus tem um partido com 22 deputados federais

Eles são de diferentes siglas partidárias e de 15 Estados, mas seguem um único comando, o da AD (Assembleia de Deus), que, assim, acaba operando informalmente como um partido político. Somam os total de 22 deputados federais, um terço da poderosa Frente Parlamentar Evangélica, a qual eles controlam. Seu presidente é o deputado João Campos, seguidor da  denominação.

O pastor Bezerra escolheu os
candidatos às eleições
A Igreja Universal do Reino de Deus tem um braço político, o PRB (Partido Republicano Brasileiro), cujos membros não precisam ser da igreja e nem seguir a sua orientação, exceto nas questões tidas como essenciais pela igreja.

Diferentemente, portanto, dos 22 deputados federais da AD, que, organicamente, atuam como fossem de uma agremiação político-religiosa, cuja presidência é exercida por José Wellington Bezerra (foto), o líder máximo da Convenção Geral das Assembleias de Deus.

Foi Bezerra que escolheu os 30 candidatos para concorrer nas eleições de 2010.  Os 22 eleitos representam 73% desse total – um resultado de causar inveja ao PT, um partido que, embora tenha os eleitores mais bem articulados, elegeu apenas 26,3% dos seus 334 candidatos a deputado federal.

Os deputados da Assembleia de Deus se reúnem às terças-feiras para definir a pauta da semana de acordo com a orientação da igreja.  Ronaldo Fonseca (PR-DF), o braço direito de Bezerra no grupo, disse que os partidos já sabem que eles seguem, em primeiro lugar, a AD, principalmente em questões de moralidade.

Essa independência em relação aos partidos, segundo Fonseca, foi fundamental para derrubar a decisão do governo de distribuir o chamado kit gay a escolas públicas. “[A presidente] Dilma não nos peitou”, disse

“Os partidos sabem que não têm como segurar esses deputados”, disse Everaldo Pereira, presidente do PSC, partido da base de apoio do governo. “Falou em aborto, descriminalização da maconha ou casamento gay, os evangélicos votam contra.”

O grupo da AD e, por extensão, a Frente Parlamentar Evangélica, se empenham no momento em aprovar um plebiscito para questionar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que legalizou a união estável de casais do mesmo sexo. Estão confiantes por causa da pesquisa do Ibope indicando que 55% dos brasileiros não apoiam  esse tipo de união.

Trata-se de um grupo de grande influência porque a Assembleia de Deus tem mais de 22 milhões de fiéis -- todos potenciais eleitores dos candidatos da denominação. Bem mais do que os 1,4 milhão afiliados ao PT.

Com informação do Valor Econômico.

abril de 2011

Comentários

Anônimo disse…
Essa gente faz o que pelo país?
Acho vergonhoso um país que se diz laico ter bancada evangélica no Congresso. Esses religiosos parecem baratas, quando não são pisadas, infectam todo o lugar, e quando vai perceber, já tá cheio deles. Eles vão lá apenas para favorecer o pessoal da fé deles, querem criar uma espécie de teocracia e implantar no país, são uma verdadeira ameaça a democracia. Religião não pode ser misturada com política, sempre dá merda quando misturam as coisas.

Precisamos de mais ateus/agnósticos no Congresso. Pelo menos eles são mais imparciais que esses religiosos fundamentalistas.
Angelo Italo disse…
O crescimento do protagonismo da bancada religiosa é fruto da frouxidão programática dos dois partidos que disputam o poder no Brasil.

Uma democracia sem uma sociedade civil atuante e partidos políticos fortes que dialoguem com suas bases (que hoje sequer existem ou estão debilitadas), protegeriam melhor a constituições e os valores que setores atrasados da sociedade ignoram.

Um sistema político que privilegia a defesa de interesses privados e não a construção do bem comum não é de causar espanto a formação de grupos irracionais e rudimentares como a bancada ruralista e a evangélica que são sintomas do nosso atraso político.

O problema não é existirem deputados evangélicos, mas é a desordem política do jogo do toma lá dá cá que faz esses grupos, mesmo sendo minoria no congresso, defender com eficácia sua pauta conservadora e incompatível com o estado de direito laico.
Anônimo disse…
Muitos adjetivos pejorativos, muito passional, revoltado até com o fato destes deputados serem evangélicos e eleitos por evangélicos, e especificamente da AD. Certamente eles foram eleitos com votos que não foram seus nem meu. E o que você tem a ver diretamente com isso? O país é livre. A maioria dos políticos ainda é católica, sempre foi e o Estado sempre foi composto por pessoas católicas, que nem bancada precisavam fazer. Ninguém nunca se incomodou. Não digo que nenhum deles evangélico, assembleiano, católico ou não seja corrupto ou não, porque para isso eu precisaria te provads concretas, como manda a Constituição Federal.
Se a bancada é evangélica ou não, o que importa são so valores, leis e projetos que eles defendem. Eu quando fui evangélico fui vítima de muito preconceito e sabe quando tive voz em algum lugar? Nunca. Até na universidade apenas pelo fato de me assumir como evangélico alguns se afastavam, outros diziam que eu fazia tudo quanto não presta sem nem conhecer minha vida, etc. Não importa a denominação, importa o que cada um tem no coração. Quanto ao kit gay, sou contra sua distribuição do modo que foi feito, sem nenhum tipo de consulta pública junto à população, porque possuem vídeos que assisti com vários gays eles foram quase unânimes em afirmar que os vídeos promovidos no "kit" provocariam ou aumentariam a curiosidade das crianças sobre a prática homossexual e é forçoso, muito forçoso reconhecer neles uma arma eficaz contra a homofobia.
Muitos dos que falam dos evangélicos não conhecem os evangélicos, e se conhecerem a partir deste blog e de boa parte deste tipo de "mídia religioso-sensacionalista" só vai aumentar o preconceito, a desinformação e a cultura do ódio.
Minha opinião é que o que tiver de ser será, e os crentes, apenas os que sabem que são salvos em Jesus Cristo (não os de show, amostrações, cultura do enriquecimento, cultura de bençãos e milagres, etc.) deveriam lutar pela sua salvação e pela tranformação saudável da sociedade, e não votar em um candidato apenas porque ele é da mesma denominação ou pretensamente evangélico.
Seria bom um homem de bem, reconhecidamente de valor, que não se vende nem baixa sua cabeça para grupos e interesses mesquinhos. Existe esse?
Democracia é isso mesmo. As pessoas se amontoam em grupos e escolhem o que sabem ou acreditam ser melhor para eles e para a sociedade. Isto não se dá exclusivamente em termos denominacionais.
Angelo Italo disse…
Uma correção: o kit gay não era destinado à crianças, mas para adolescentes do ensino médio. Não existiu uma conspiração gay para doutrinar crianças indefesas e inocentes, pois questões que dizem respeito à sexualidade fazem parte da demanda que os adolescentes levam para a escola.

E tampouco foi uma questão que surgiu do nada, desde o PCN sobre Orientação Sexual de 1996 e o programa "Educação para a diversidade" lançado em 2006 a questão já faz parte das políticas oficiais e gozam de relativo reconhecimento que garante a liberdade dos professores tratarem do tema em sala de aula com segurança jurídica. (digo isso porque sou professor)

A polêmica do kit gay foi um típico caso de espetaculização e simulação de demonstração de força. Numericamente a bancada evangélica é fraca, e sua única "qualidade' é ser oportunista no jogo de vender apoio em momentos de instabilidade política.

Hoje, a questão religiosa é usada como instrumento do jogo baixo de candidatos desesperados na busca de apoio político.

O complicado da relação entre política e fé hoje é que se utiliza da fé para manipular pessoas, e o principal instrumento para tal é a valorização da ignorância e propagação do medo. É possível uma fé esclarecida, no auge da teologia da libertação existiu isso no Brasil, mas o contexto hoje é outro.
Anônimo disse…
Qual moral tem uma bancada de deputados que vive esperando o momento de ¨negociar¨seu apoio ou ao governo ou à oposição?De tão débil precisa ¨vender¨votos para quem estiver no poder para subsistir!Lamento pelo povo pobre e simples e iludido que elege esses parasitas!!!
Caruê disse…
Não tenho nada contra Cristãos e evangélicos governarem. Minhas criticas são:
1- As Igrejas não podem ser usadas como ferramentas para agarrar votos seja de católicos ou evangélicos.
2- Um partido deve representar toda a sociedade se um partido se diz católico não terá nenhum compromisso com os que não são católicos e isso exclui ou coage as minorias.
3- Toda e qualquer decisão do legislativo executivo ou judiciário deve ser fundamentada em valores universais e não restritos a uma fé especifica.
Anônimo disse…
Concordo com o anônimo das 18,22.
Anônimo disse…
Só uma dúvida:

O Brasil sendo um país laico (pelo menos teoricamente), é constitucional ou inconstitucional criar algum partido que tenha alguma orientação religiosa (como é o caso do PSC)?
Anônimo disse…
O anônimo das 18:22 é um ridículo falacioso. Alguém entenderia se eu dissesse que os da 18:22 e 22:21 é "samefag"?
Anônimo disse…
Crentes são uma praga nao se esqueçam....

Pra provar o que eu digo ?

a palavra MUÇULMANO significa ´´crente´´

e vcs sabem o que se passa na cabecinha de um crente né ? e de um muçulmano tbm...
É fato que o movimento evangélico tem um projeto de poder, com participação cada vez maior na política do país. E que estão dispostos a tudo para tornar o pais numa "teocracia". Até negociar asquerosamente com o governo suas posições éticas em troca de benefícios.

Como o caso do ex-ministro Antônio Palocci (Casa Civil) acusado de aumentar seu patrimônio e enriquecer ilegalmente às custas de seu cargo no governo e de receber o dinheiro de uma empresa que doou para a campanha de Dilma. Onde a bancada evangélica, em troca do veto ao kit anti-homofobia, blindou o ex-ministro das acusações que vinha recebendo. As lideranças da bancada religiosa ameaçaram investigar o ex-ministro se o kit anti-homofobia fosse aprovado.

Não há interesse no combate à corrupção ou o bem do país. Só importam os interesses obscuros das lideranças dessas igrejas.
Anônimo disse…
Marcos Vinicius Mesquita,seu comentário retrata perfeitamente a realidade do pensamento dessa tal bancada evangélica e seus interesses escusos.
Anônimo disse…
Não vale apena comprar aqueles que se vendem.(François Andrieux).
Anônimo disse…
Por que esses parlamentares assembleistas não exigem CPI para investigar as irregularidades no Ministério dos Transportes?
Anônimo disse…
Caruê vc falou tudo, só porque os crentes que eram um povinho de nada estão no poder,agora ficam ai falando q o estado é laico e etc.

se é laico ,então porque antes não era? a igreja católica ,a globo e etc só sugaram e agora é laico...

o governo é para todos.
Fernando disse…
Após alguns meses participando desse blog, findo essa minha participação, porque sei o que os ateus pensam e resolvo deixa-los. Eis os pensamentos dos ateus: “QUANDO ME TORNEI CONVENCIDO DE QUE O UNIVERSO É NATURAL, DE QUE TODOS OS DEUSES E FANTASMAS ERAM MITOS, ENTRARAM NA MINHA MENTE, NA MINHA ALMA, EM CADA GOTA DO MEU SANGUE, O SENSO, O SENTIMENTO E A ALEGRIA DA LIBERDADE. OS MUROS DA PRISÃO RACHARAM E CAÍRAM. AS MASMORRAS FORAM INVADIDAS PELA LUZ, E TODAS AS TRAVAS, AS ALGEMAS, AS BARREIRAS, VIRARAM PÓ. EU NÃO ERA MAIS UM SERVO, UM SERVENTE OU UM ESCRAVO. NÃO HAVIA MAIS PARA MIM NENHUM MESTRE EM TODO ESTE GIGANTESCO MUNDO – NEM MESMO NO ESPAÇO INFINITO. EU ESTAVA LIVRE. LIVRE PARA PENSAR, PARA EXPRESSAR MEUS PENSAMENTOS. LIVRE PARA VIVER MEU PRÓPRIO IDEAL. LIVRE PARA VIVER PARA MIM E PARA AQUELES QUE AMO. LIVRE PARA REJEITAR TODA E QUALQUER CRENÇA CRUEL E IGNORANTE. LIVRE PARA REJEITAR TODOS OS “LIVROS SAGRADOS” QUE SELVAGENS IGNORANTES PRODUZIRAM E TODAS AS BÁRBARAS LENDAS DO PASSADO. LIVRE DE PAPAS E PADRES. LIVRE DE TODOS OS “CHAMADOS” E “EXCLUÍDOS”. LIVRE DE ERROS SANTIFICADOS E DAS MENTIRAS SANTAS. LIVRE DO MEDO DO SOFRIMENTO ETERNO. LIVRE DOS MONSTROS ALADOS DA NOITE. LIVRE DE DIABOS, FANTASMAS E DEUSES. PELA PRIMEIRA VEZ EU ERA LIVRE. NÃO HAVIAM LUGARES PROIBIDOS EM QUALQUER RECANTO DA MENTE. NÃO HAVIA AR OU ESPAÇO EM QUE A IMAGINAÇÃO NÃO PUDESSE ATINGIR COM SUAS ASAS COLORIDAS. NENHUMA ALGEMA ME PRENDENDO. NENHUM CHICOTE NAS MINHAS COSTAS. NENHUM FOGO NA MINHA CARNE. NENHUM MESTRE ME ENCARANDO NEM ME AMEAÇANDO. NADA MAIS DE SEGUIR OS PASSOS DOS OUTROS. NENHUMA NECESSIDADE DE ME CURVAR, AJOELHAR OU RASTEJAR, OU EXPRESSAR PALAVRAS MENTIROSAS. EU ESTAVA LIVRE. COLOQUEI-ME DE PÉ, E, ALEGRE E SEM MEDO, ENCAREI O MUNDO

ROBERT GREEN INGERSOLL (1833 - 1899)
PROCURADOR, ADVOGADO E ORADOR POLÍTICO NORTE-AMERICANO......................................."Porém agora diz o SENHOR: Longe de mim tal coisa, porque aos que me honram honrarei, porém os que me desprezam serão desprezados. 1 Samuel 2:30". Paulo Roberto Lopes. Obrigado!
advogado disse…
Só fico imaginando o que JESUS CRISTO acha de tudo isso, vez que Ele nunca quiz o poder, a fama, o dinheiro, seu próprio querer.....Se Ele tivesse pensado somente em sí, por certo não teria morrido numa covarde cruz, para redimir gente como esses deputados, que agoram vivem exatamente o que não pregam e o pior ignoram o calvário quando pensam somente em seus escusos interesses pessoais. Lamentável.
Anônimo disse…
É um voto absurdamente fiél.Se mandarem votar em um poste,eles votam!
Anônimo disse…
Pois é todo mundo com medinho esses bandos de ateusinhos de meis tigela ficam logo assustado quando veem noticias como essa, como na sua cabeça não há espaço para raciocinio, o que fazem somente criticam e xingam, também não é de se esperar outra coisa desses ´´coisas``. Religiosos fanaticos sem Deus e com deus. Entendam como quiser ateus.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel