Justiça manda amputar menina; mãe queria cura pela reza

da BBC Brasil

A Justiça de Israel ordenou um hospital a levar adiante a amputação da mão de uma menina de 13 anos contra a vontade da mãe, depois que os médicos afirmaram que sem a intervenção cirúrgica ela morreria.

A menina, cuja identidade não foi revelada, sofre de um tumor maligno e violento e, segundo os médicos, teria uma morte dolorosa se sua mão não fosse amputada.

No entanto, a mãe da paciente, que é religiosa, vetou a operação afirmando que "prefere rezar e jejuar" para curar a filha.

O ministério do Bem Estar Social e o hospital Ichilov, em Tel Aviv, se dirigiram a um tribunal especial que trata de assuntos familiares solicitando que a corte ordenasse a operação, para salvar a vida da criança.

Segundo o juiz Yehoram Shaked, "está claro que não há e não pode haver outra solução exceto aceitar o pedido e que a Corte deve dar prioridade à vida, mesmo se para isso a menina tenha que sacrificar a mão".

De acordo com o hospital, o tumor, nos ossos da mão, pode provocar o surgimento de metástases no pulmão e as chances de a paciente morrer "são de 100%".

Os médicos explicaram o prognóstico tanto para a mãe como para a paciente e, segundo o relatório apresentado à Corte, a mãe afirmou que "é melhor que ela morra" porém a menina disse que entende "que não há alternativa" exceto a amputação.

Em sua decisão o juiz afirmou que a mãe continua rejeitando a operação e "acreditando na ajuda de Deus". Ele disse que a menina, apesar de jovem, entende que "é preciso preferir a vida à morte".

Esta não é a primeira vez que questões religiosas interferem em decisões médicas em Israel.

A autoridade máxima da pasta da Saúde no governo, o vice-ministro da Saúde Yacov Leizman, do partido ultra-ortodoxo Yahadut Hatorah (Judaísmo da Torah), vem, desde o início de sua gestão, há dois anos, gerando duras criticas de profissionais na área da medicina, pois frequentemente tenta impor princípios da religião em decisões ligadas ao tratamento de pacientes.

Um dos casos ocorreu em 2009, quando o vice-ministro foi pessoalmente ao hospital Shneider da cidade de Petach Tikva, ao leste de Tel Aviv, e tentou interferir no tratamento de uma bebê que sofreu morte cerebral.

Leizman entrou no hospital e ameaçou os médicos de punição caso não dessem tratamento integral à criança, apesar de a lei em Israel estabelecer o tratamento parcial em casos de morte cerebral.

Segundo a crença ortodoxa de Leizman, a morte de uma pessoa só é reconhecida quando o coração para de bater. Ele chegou a ameaçar o hospital de que seria boicotado pela comunidade ultra-ortodoxa se não cumprisse suas ordens.

Na ocasião, a Federação dos Médicos de Israel publicou um manifesto protestando contra a atitude do vice-ministro.

Apesar de ser titular da pasta, Leizman se chama de "vice-ministro" por questões religiosas.

O Yahadut Hatorah não nomeia ministros mas só vice-ministros, pois tem uma visão ambivalente sobre a própria existência do Estado de Israel.

Comentários

Anônimo disse…
Ja esta mais que comprovado que rezar nao promove curas de doencas, ferimentos, molestias, tumores, etc.

Um medico faz muito mais que milhares de maos unidas para orar.

E depois vem os crentes dizerem, em suas desculpas esfarrapadas, que o "medico" é um instrumento de tal deus. Bobagem, dupla bobagem. É desculpa esfarrapada para tentar justificar o estrondoso fracasso das oracoes.
AlyneS2 disse…
Pelo menos a garota entendeu a situação. Ao contrário da mãe que preferia cegamente se entregar a Deus ( ou seja a própria sorte ). Espero que essa garota consiga viver assim, uma mão fará muita falta. Ainda mais se fosse comigo, já que eu adoro desenhar ( meu sonho é ser desenhista). Espero que a garota continue compreensiva e que não tenha sua mente sugada pela religião de sua mãe. ^^
Lari disse…
Uma mãe que prefere que a filha morra se não for "salva" por seu deus. Que coisa horrível.
Caruê disse…
Ainda existem médicos sensatos em Israel, fico feliz que a moça seja sensata, e vá viver. Uma ´´mãe`` que não respeita a decisão da filha numa questão de vida ou morte deveria perder a guarda. Se esta senhora se recusa-se o próprio tratamento por razões idiotas seria o direito dela morrer assim, mas ela não tem o direito de privar sua filha do direito a vida.
Anônimo disse…
Isso remete as Testemunhas de Jeová, que preferem ver o familiar morrer a receber transfusão de sangue.
Pura ignorância, puro fanatismo cego.
Ainda existem médicos sensatos em Israel,

Não é que "ainda" existem. A maioria (ampla maioria, quase totalidade) deles o é.
Cristão disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristão disse…
Deus não faz aquilo que os homens podem fazer. Deus só interfere quando não há mais solução para a medicina e a pessoa põe nele a sua fé como último recurso. Que isto fique claro principalmente entre os cristãos........................................................................................................................................................................................ "E foi com ele, e seguia-o uma grande multidão, que o apertava.
E certa mulher que, havia doze anos, tinha um fluxo de sangue,
E que havia padecido muito com muitos médicos, e despendido tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo a pior;
Ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou na sua veste.
Porque dizia: Se tão-somente tocar nas suas vestes, sararei.
E logo se lhe secou a fonte do seu sangue; e sentiu no seu corpo estar já curada daquele mal.
E logo Jesus, conhecendo que a virtude de si mesmo saíra, voltou-se para a multidão, e disse: Quem tocou nas minhas vestes?
E disseram-lhe os seus discípulos: Vês que a multidão te aperta, e dizes: Quem me tocou?
E ele olhava em redor, para ver a que isto fizera.
Então a mulher, que sabia o que lhe tinha acontecido, temendo e tremendo, aproximou-se, e prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade.
E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai em paz, e sê curada deste teu mal."
Caruê disse…
Essa fábula não conhecia, cristão.
Gouvêa, confesso que exagerei.
Abbadon disse…
Deus não faz aquilo que os homens podem fazer.

---> Desculpa esfarrapada, pois só mostra que esse deus nao existe.

Deus só interfere quando não há mais solução para a medicina e a pessoa põe nele a sua fé como último recurso.

---> Todos os dias as pessoas continuam morrendo das mais diversas causas, e ate hoje nao se descobriu nenhum imortal entre nos. A realidade mostra que esse deus nao existe e nao há magicas.

Que isto fique claro principalmente entre os cristãos

---> Sim, esta claro que eles vivem de desculpas esfarrapadas.
Cristão disse…
Me apoio na Bíblia e voce?
Lari disse…
Ele se apóia na realidade, não na Gibíblia - um conto fantasioso feito e alterado ao longo de séculos.
Caruê disse…
Me apoio no bom senso, na lógica e na ciência. Os ditos tratamentos espirituais usados isoladamente em paralelo ou quando a ciência não possui respostas, não funciona orar para alguém não cura câncer um simples estudo Estatístico pode comprovar isso. Qual é a melhor escolha confiar em um tratamento já confirmado pelo trabalho de médicos e cientistas ou acreditar em relatos de baixa credibilidade seja do primo do fulano ou do mesmo livro que relata cobras falando.
Abbadon disse…
Eu me apoio em:

Realidade
Vida real
Fatos
Moralidade
Etica
Bom Senso
Racionalidade
Razao
Conhecimento
Humanidade
Compaixao
Opiniao propria
Discernimento
Pensar por mim mesmo
Evidencias
Provas

Nao preciso de uma Biblia, que nao prova nada por si mesma, e ainda por cima, de duvidosa credibilidade e moralmente falha.
Anônimo disse…
Cristão: "Me apoio na Bíblia e voce?"

Eu me apoio no Livro de Receitas de Dona Benta..:-) Livro por livro, é maior, mais interessante, faz mais sentido, e tem ótimas receitas..:-)

Se apoiar na gibiblia, para uma discussão ou debate racional, é como usar armadura de jornal e armas de brinquedo, para ir a uma guerra de verdade. Ridículo, e totalmente ineficaz.

Fala sério..:-)
Anônimo disse…
Lari bonitinha e ordinaria.
Cristão disse…
No caso de uma doença que a medicina te desengane.(o que não é raro) quero ver todo esse "apoio" que vocês mencionaram valer alguma coisa.... "Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do SENHOR nosso Deus. Salmos 20:7".
Ateuzinho disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Rezar, melhor maneira de não fazer nada e dizer que está ajudando
Anônimo disse…
A justiça tomou o lugar certo.

Mas e as verdades? o respeito é a melhor forma de preservar a verdade individual.

Pode alguem te fazer acreditar hoje, que 2+2 são 5?
da mesma forma, não se pode retirar a verdade cultural de quem ja aprendeu o caminho da religião e o segue.

Da mesma forma em que não se pode através de intimidações converter á força quem não acredita.

é uma questão de raciocionio crítico, e bom senso.

Sou judeu e acredito sim, q foi feita a coisa certa na amputação. Mas respeito os Cristãos mais fervorosos por não entenderem isso.
dedessj disse…
se rezar fosse solução não teriamos criado medicos e nem hospitais!
se rezar fosse solução o mundo só teria uma religião e não umas 5.000 porai baseadas em porra nenhuma!
Anônimo disse…
Meus pêsames. Leia ela direito antes de se jogar de cara no que ela prega.
Avelino Bego disse…
O "Deus do impossível" me parece ter dificuldades em agir sozinho. E depende do avanço da medicina.
_Deus age na vida daqueles que confiam nEle; quem não confia..., paciência!
DonJuanDH disse…
..... mais vítimas sendo feitas pelas religiões.... o placar está complicado.....
J disse…
Simples... se ela tem tanta fé assim, é só deixar amputar a mão da menina e depois orar e jejuar para que creça outra mão.... Basta Deus querer...