Deputado da Iurd tenta obter mais uma isenção de imposto

deputado Carlos Gomes
Gomes pede isenção da
água, luz, gás e telefone
O deputado estadual Carlos Gomes (foto), da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, apresentou projeto de lei que, se aprovado, isentará as igrejas do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) da conta de água, luz, gás e telefone.

Gomes é pastor da Igreja Universal do Reino de Deus. Ele está em seu segundo mandato e é filiado ao PRB, que é o braço político da igreja do bispo Edir Macedo.  

O ICMS é um imposto estadual e suas alíquotas variam de um Estado para outro.

Em todo o país, a igreja estão isentas do recolhimento do IR (Imposto de Renda) sobre valor obtido com doações em dinheiro ou com bens, como veículos, imóveis e joias. Trata-se de um imposto federal.

Em alguns Estados, as igrejas também não pagam impostos como o IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) e na maioria das cidades elas estão livres do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano).

No dia 21, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Assembleia do Rio Grande do Sul se manifestou  favorável ao projeto de lei 45/2011 que isenta os templos do ICMS. O parecer foi assinado pelo deputado Marlon Santos (PDT).

Agora, a aprovação do projeto depende da apreciação do plenário da Assembleia, em votação ainda não prevista. Gomes defende a isenção do imposto com o argumento de que ela está prevista na Constituição estadual e na federal.

O Rio Grande do Sul cobra em média 25% de ICMS nas contas de luz e de água. Se obtiverem a isenção, as igrejas deixarão de desembolsar, portanto, um quarto do valor. Ou seja, uma conta de R$ 1.000 cairá para R$ 750.

Seis Estados isentam os consumidores de baixa renda do ICMS de energia elétrica – o limite é até 100 megawatts por hora. O Rio Grande do Sul não concede esse benefício.





Com informação da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, entre outras fontes.

fevereiro de 2011

agosto de 2009

Comentários

Anônimo disse…
Enfim,este conseguiu unir o útil ao agradável:é político e pastor...
HUMOR: http://www.blogdocaipira.com/2011/05/as-religioes-pelo-mundo/
Anônimo disse…
Tinha é que pagar mais impostos que o normal!
Anônimo disse…
Essas igrejas(empresas-igrejas ou igrejas-empresas) são verdadeiros elefantes brancos que arrecadam assombrosas fortunas titânicas e estão sob essa imoral isenção fiscal enquanto o povo paga uma carga de tributos altíssima considerada uma das maiores do mundo!!
Anônimo disse…
Como esse cara é eleito pelos evangélicos, é capaz de querer aprovar até projeto de lei que criminalize desconfiar da honestidade e da fé do Edir Morcego, do Silas Malafado, do Apóstolo e da Bispa da "Enriquecer em Cristo".
Cristão disse…
Que bom se as Igrejas pagassem impostos( sem hipocrisia louvaria a Deus). Mas que bom também se estes impostos retornassem para o povo em forma de benefícios. Principalmente para idosos e crianças. ( louvaria à Deus duas vezes)
Daniel Martins disse…
"Templo é dinheiro"
Anônimo disse…
Bom,dessa fez concordo com o Cristão.Até que custou uma opinião sensata.Mas duvido que o lobby religioso permita que isso ocorra.
AlyneS2 disse…
kkkkkkk,
Nha, adorei o ditado do Daniel-san^^
Anônimo disse…
Fernando????
Anônimo disse…
É muita cara de pau desses vermes da IURD vir ao público pedir mais isenções perante seus crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha (creio que seja armada)! É muita veiaquice!
Anônimo disse…
Quem fim deu isso? Esse safado conseguiu mais essa mamata para a igreja ou alguma mente esclarecida ventou essa sem vergonhice?

Ruggero
Warner disse…
É preciso separar Igreja da Politica. Urgente.