Pular para o conteúdo principal

Garoto que avisou PM sobre atirador voltará à escola contra sua vontade

Roger, 15, foi um dos dois meninos que avisaram o PM Márcio Alves que havia um maluco matando seus colegas na Escola Municipal Tasso de Oliveira.

Ele tem um irmão, que também estuda na escola. Os dois estão muitos abalados, e, conforme disse Renato Cunha, o  pai, “não querem nem passar pelas ruas perto [da escola]”.

Mesmo assim vão ter de voltar à Tasso de Oliveira.  “Faço questão que eles estudem aqui”, disse o pai. O recomeço das aulas está marcado para o dia 18.

Cunha está apostando na conversa que os garotos terão com psicólogos. “Tenho certeza de que, com a ajuda dos profissionais, vamos superar o problema”, disse.

O pai esteve hoje na escola para pegar o material que Roger deixou na sala de aula quando dali saiu em fuga desesperada para não ser atingido pelo atirador Wellington Menezes de Oliveira.

A mochila de Roger está manchada de sangue. Cunha disse que vai substituí-la para que o filho não se lembre da tragédia, como se essa matança pudesse ser apagada da memória.

Com informação da Folha.

Júlia faltou à escola no dia que teve 8 colegas mortos por atirador.
abril de 2011

Comentários

  1. Sem dúvidas vão precisar de apoio psicológico.

    ResponderExcluir
  2. eles vão precisar de maior apoio possivel
    essas crianças,sem duvidas são guerra, mais deus esta do lado deles eles vão se recupera logo logo eu tenho certesa.

    ResponderExcluir
  3. Deviam fechar essa escola e redistribuir os funcionarios e alunos, como você vai conseguir estudar onde pessoas morreram?

    Ou pior onde seus colegas de classe foram mortos?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

No governo Biden, fundamentalismo cristão tende a retornar a sua insignificância

Empresário bolsonarista Luciano Hang, sua mulher e mãe estão internados com Covid-19

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo