Pular para o conteúdo principal

Padre de Roma é condenado a 15 anos de prisão sob a acusação de pedofilia

A Justiça de Roma, Itália, condenou hoje o padre Ruggero Ciotti, 57, a 15 anos e quatro meses de prisão por abusar de sete crianças de 1998 a 2008. 

Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, afirmou que a paróquia de Selva Candida, à qual Ciotti pertence, não está ligada diretamente ao papa.

Os advogados das vítimas tinham pedido uma condenação de 18 anos sob a acusação de violência sexual e incentivo à prostituição, além do crime de pedofilia. A defesa apresentada pelos advogados do padre foi de que “as provas não são conclusivas”.

O padre foi preso preventivamente em junho de 2008. Ciotti se aproveitava das crianças principalmente durante os acampamentos organizados pela paróquia para os filhos dos fiéis. Ele atraia as crianças com presentes e se oferecia para cuidar delas nas férias de verão dos pais.

> Com informação das agências.

Arcebispo da Holanda se recusou a punir sacerdote pedófilo.


Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa