Hierarquia da Igreja Católica abriga uma máfia da pedofilia


de uma leitora a propósito de:

> Monge sugere rigor policial contra cardeais protetores de pedófilos

Igreja belga treme diante de documentos sobre pedofilia

Eu não duvido, pois em meu país de origem, de onde viemos eu e meu esposo, há também muitos casos semelhantes, pelo menos, desde que viemos nós outros de lá, ainda na década de 80, por causa de perseguição política.

Já havia esses rumores, e trata-se de um país vizinho, colonizado por espanhóis e cuja religião é a mesma. Apenas supunha que fosse um fenômeno latino, devido à familiaridade excessiva e intimidade calorosa que as pessoas se permitem, notadamente crianças desavisadas pelos pais, com estranhos, ainda que membros da instituição em questão.

Pelo visto ocorre também entre os germânicos ou saxões. Então é um fenômeno nitidamente católico, e como o próprio significado da palavra, universal.

Há uma cidade brasileira em que se escutam por vezes rumores de que esses estranhos casos fossem acobertados pelo chefe eclesial local, uma eminência, como se diz, ou príncipe dessa instituição.

O mais delicado e constrangedor eram indícios de que pessoas de sua intimidade também estivessem envolvidos, o que por modo obliquo e implícito deixasse suspeitar que havia razões pessoais dele para tal acobertamento e tácito apoio. Muito lamentável, inclusive por alguns professores da referida instituição, dentre eles, alguns padres casados, de vida moral integra e conduta ilibada.

O mesmo não se podia dizer de dezenas de outros colegas seus celibatários, pois pipocavam histórias de transferências, devido aos suspeitos motivos, o que era corriqueiro e banal.

Lembro de um filme onde passou-se certo episódio envolvendo um decano do direito canônico local, que foi transferido, porque envolvera-se com filho de um potentado regional... O mesmo hoje ocupa alto posto na hierarquia, amigo de chefes executivos e desembargadores.

Nada que deixe de levar a pensar se não há realmente uma máfia, e extraeclesial. Mas não lembro os nomes dos atores, nem dos figurantes. Mas quem conhece a história sabe do que se trata.

Soni tutti mafiosi.

> Bispo sabia do vídeo de sexo, mas não afastou monsenhor de Arapiraca.
abril de 2010

> Karol Wojtyla sempre soube da devassidão do padre Marcial Maciel.
janeiro de 2010

> Casos de padre pedófilo.

Comentários

Anônimo disse…
Se a ICAR é a unica religião digamos ´´autorizada ´´ por Deus na terra , [ conceito propagado a séculos ] e que Deus tem ação sobre o nosso mundo como exemplo :
. abriu o mar morto
. criou o mundo em 6 dias
. mandou a baleia [peixe grande] engolir JONAS
. Escreveu em tabuas pra Moises etc etc

Por que ainda ele permite que SACERDOTES CATÓLICOS criminosos e pedófilos abusem sexualmente dos fieis indefesos.........???

pratica enraizada a MILENIOS na ICAR

somos programados biologicamente pra acreditar em algo sobrenatural , desde que o homem começou a desenvolver o cerebro e pensamento a cerca de 50 mil anos atras....
Anônimo disse…
Eu proponho uma hipótese interpretativa para isso. Durante a evolução, o pensamento primitivo era mágico, uma contínua descoberta dos fenômenos luminosos, cromáticos, sonoros, tácteis; enfim, toda uma maravilha cinestésica incompreendida e diante da qual o homem, ainda um ser incipiente, se admirava e entusiasmava, tomando tais manifestações sensoriais e psíquicas como miraculosas, fantásticas. E de fato são, só não mais assim as consideramos, porque já nos acostumamos com elas. Entre os primeiros taumaturgos, encontramos os pajés, os xamãs, os feiticeiros, artistas, pintores, músicos, etc. Também farmacêuticos naturais e potencialmente envenenadores, dotados da experiência dos observadores e portanto detentores do primevo poder do conhecimento. Isolados da comunidade e sem mulher e filhos, talvez desenvolvessem predileções sexuais, por aqueles que lhes eram oferecidos como escravos domésticos, serviçais ou até discípulos. Sabemos mediante testemunhos das civilizações antigas, que o estupro ou sodomia nos tempos primordiais , constituíam-se em humilhações impostas pelo mais forte ao mais fraco; daí passando, na evolução social, para um ato violento, perpetrado do mais rico ao mais pobre, do opressor ao oprimido; portanto, se for permitida uma analogia, porque não supor, do mais astuto ao mais ingênuo, do mais velho ao mais moço, do mais "sábio", ao discípulo. Mas como não sou antropólogo, nem historiador, deixo a "pista" pra quem quiser pesquisar.
Anônimo disse…
Toda a máfia omite uma dupla e diabólica verdade: as vítimas são em geral, POBRES. Como sempre, a pobreza leva a pior. Imagino que não deixe de haver pessoas inescrupulosas, que semelhante aos cortesãos dos reis europeus, quando a sodomia era nomeada "vício francês", também "vício eclesiástico" e "vício italiano, até exponham seus filhos à essa forma de prostituição que não deixa de ser também econômica...Mas a maioria dos seres humanos ainda tem algum senso de proteção aos inocentes, e isso é atávico, se não o tivéramos, teríamos sido todos violados na infância, o que sabemos não é usual nem natural, antes o contrário. Reprovamos veementemente, porque somos beneficiários do interdito, se deixarmos de o fazer, nem seremos mais humanos...Crianças pobres, adolescentes pobres, como vemos no Brasil casos até de jogadores de futebol famosos, são iniciados sexualmente com pederastas, travestis, inculcando-se-lhes neles depois a recorrente preferência e com sazonal reincidência. A pobreza gera todo tipo de promiscuidade que se imaginar, pessoas ajuntadas, amontoadas, expostas e sujeitas facilmente a serem violentadas, SOBRETUDO, PELA INOCÊNCIA, pela INCAPACIDADE DE DEFENDEREM-SE, AS CRIANÇAS. Sei de um caso de um adolescente, que violou o vizinho, um garoto, em poucos instantes que a mãe descuidou-se. O adolescente era, por sua vez, amante público e notório de um velho homossexual inescrupuloso quanto à privacidade, e que era - trágica e infeliz coincidência -, tio do menor violentado, um menino de 5 anos. A mãe só descobriu porque o menino chorou muito com dor na região violada. Feito o exame legal, o adolescente foi preso e transferido para local determinado pela Justiça, e em lá chegando, teve imediato óbito, pela revolta que o fato provocou. O que prova que a pedofilia é crime que não podemos esquecer, sequer perdoar.