Há uma reincidência a cada quatro tentativas de suicídio

Suicídio, de Manet
Na segunda-feira, 2 de agosto, a adolescente Bia, após uma briga com seu irmão mais novo, se enforcou com um lençol, dependurando-se em uma janela de sua casa. Ela já tinha tentado se matar.

Em seu Orkut ela tinha escrito algo que os psiquiatras interpretam com CCS (Cognições e Comportamentos relacionados ao Suicídio): “Você pode não entender porque às vezes fico pelos cantos, um tanto quieta, recolhida, mergulhada no meu pranto. É que ele me liberta na hora, no momento em que voto pra fora o que já não me serve e assim fico leve.”

O núcleo de epidemiologia psiquiátrica da USP entrevistou 1.464 pessoas em domicílios da cidade de São Paulo para detectar indícios de CCS e constatou que 9% delas já pensaram em se matar e 3% já tinham tentado o suicídio.

Bruno Mendonça Coêlho, um dos responsáveis pelo estudo, disse que nem sempre é fácil identificar comportamentos suicidas e, por isso, os entrevistadores tiveram de ser bem treinados.

Os casos mais fáceis – por serem óbvios – de identificação de CCS é uma pessoa que já tentou se matar. “Um de cada quatro casos tenta de novo no ano seguinte”, disse Coêlho. “E um de cada dez acaba conseguindo." A Bia entraria nessa parte da pesquisa.

A pesquisa confirmou que o suicido é a consequência muitas vezes de transtornos depressivos associados ao consumo de drogas, inclusive as lícitas, como o álcool.

A taxa de suicídio no Brasil – 4,9 pessoas a cada 100 mil – é pequena em comparação com as ocorrências mundiais, que oscilam de 10 a 30 por cem mil habitantes. Na Rússia, a campeã, passa dos 40.

Ainda assim a questão no Brasil preocupa e merece mais atenção das autoridades porque por aqui, sem se saber exatamente o motivo, a taxa vem tendo um rápido crescimento: em 1987, era de 3,44 por 100 mil habitantes, o que significa que de lá para cá houve aumento de 42%.

Com informação do Orkut, OMS e Folha de S.Paulo.


O CVV É UM SERVIÇO DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.

Comentários

  1. O fato de o índice de suicídio no Brasil ser pequeno em relação a outros países não justifica o descaso com o qual as autoridades tratam o problema.

    ResponderExcluir
  2. No Brasil ocorre coisa parecida, principalmente em relação ao picareta Valdemiro Santigo, a Igreja Mundial. E o Ministério Público não faz nada.

    ResponderExcluir
  3. Sabe, olhando esse blog vi a parte do suicidio e tive que vim ler,

    Tem dores e dores, umas mais fortes, outras mais fracas...

    Algumas podem ser superadas eu sei que podem, outras já nem tanto, coragem é tudo que eles tiveram, mas foram inconsequentes, quando alguem se mata, ela morre mas tbm "matam" os seus conhecidos e familiares, ninguem é tão rejeitado a ponto de não ter alguem que vá sentir sua falta, esse é o meu motivo para nao ter feito isso ainda.

    Não posso negar, ou mentir, dizer que nunca tentei, dizer qque nunca tomei a minha decisão, porque isso seria mentira, tentei me matar aos poucos, tentei me matar de vez, tentei morrer de varias formas, mas isso além de me machucar, machucava minha mãe, meu pai e minha irmã já que eles convivem comigo todo o tempo...

    é cruel isso, não só comigo...

    tenho meus motivos, mas sei que tem gente bem pior que eu, tem gente querendo viver, e eu aqui querendo morrer, uma ironia um tanto cruel.

    As pessoas se julgam, mas principalmente julgam, porque não sentem 1/3 daquilo que os suicidas ou depressivos sentem...

    Fico pensando se vou ser assim pra sempre, eu não quero isso pra mim, eu preciso de ajuda, eu tenho ajuda, mas não é exatamente isso que eu quero, é algo mais complicado, é mais profundo, é mais pessoal...

    Fico confusa, nesse exato momento a minha vontade é ir no meu quarto e me enforcar, sem despedidas, sem arrependimento... Mas não posso, não posso estragar a vida dos outros, por puro esgoismo...


    Eu espero mudar, por isso tô aki desabafando, porq não tenho uma amiga ou amigo pra poder falar isso, me desculpa Paulo por usar esse espaço pra isso...

    Mas eu quero e vou mudar... [ Happy mode ON ]

    Eu tenho que viver pra poder ver os outros posts do blog hehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado. Trabalhou no jornal centenário abolicionista Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da Editora Abril e em outras publicações. WhatsApp de contato.