Reality show Pesca Mortal mostra morte de capitão



Capitão foi fulminado por seu estilo de vida
Pela primeira vez, desde que esse tipo de programa foi criado, há dez anos, um reality show mostra a agonia e a morte de um de seus participantes. Os patrocinadores não têm do que se queixar: a audiência está bombando.

Quando, há cinco anos, o carismático capitão Phil Harris (foto acima) e sua tripulação (da qual fazem parte seus filhos Jack e Harris) começaram a gravar a perigosa pesca de caranguejos no Alasca, no Estreito de Bering, o Discovery Channel deu ao programa um nome que se tornou o seu epitáfio: “Pesca Mortal” (Deadliest Catch).

Harris morreu no dia 10 de fevereiro deste ano, e os episódios do derrame que o vitimou em janeiro e os de sua morte estão sendo levados ao ar nos Estados Unidos para cerca de quatro milhões de espectadores. No último episódio, os filhos vão jogar no mar as cinzas da cremação do corpo do pai. O programa passa em 150 países, incluindo o Brasil.

Na imprensa americana, tem havido crítica ao Discovery Channel por apresentar a morte como espetáculo e lucrar com isso. Clark Bunting, presidente da emissora, se defende com o argumento de que as gravações foram feitas a pedido de Harris.

Bunting disse que o capitão, ao adoecer, mandou que as câmeras continuassem ligadas porque “toda história precisa ter um começo, meio e fim”.

"O capitão Phil era um pai, um pescador e um amigo. E nós o celebraremos assim", disse Bunting.

Ao logo desses anos, o reality show apresentou, como em uma epopeia, a tripulação do Cornelia Marie sob o comando de Harris vencendo mares bravios na procura e pesca de preciosos caranguejos-reais, que pesam 4,5 kg em média e o quilo custa mais de US$ 8 (R$ 14).

Agora, o programa mostra o capitão fulminado pelo seu estilo de vida tão traiçoeiro quanto pode ser o mar. Harris exagerava na bebida, cigarro, comida, em tudo. As imagens mostram um homem gordo e por vezes cansado.

Como a morte do capitão, tudo que ele diz no programa obtém nova dimensão, como no episódio em que fala que aquela pesca seria inesquecível, porque "a vida é bela" e tem de ser vivida porque "amanhã pode ser muito tarde".

Pela programação nos Estados Unidos do Discovery Channel, no episódio do dia 6 de julho Harris recebe no hospital a visita dos filhos. No do dia 13, uma enfermeira pergunta a Phil: "Você me ouve? Qual é o seu nome? Você consegue sorrir para mim? Levanta as bochechas?". O capitão nada responde por tinha acabado de morrer. No mesmo episódio há o funeral ao som de jazz. No dia 27, o Cornelia Marie volta ao Alasca para que a tripulação lembre do saudoso capitão e dizer que ele viveu intensamente, etc.

Fim da temporada. No ano que vem, tem novos episódios, agora com os filhos de Harris no comando, porque o reality show não pode parar, ainda que uma de suas histórias chegue ao fim.

 Capitão Phil Harris



Com informações do NYT e do Discovery Channel.


<

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.