Pular para o conteúdo principal

Padres pedófilos hoje parecem um batalhão internacional

por Maureen Dowd (foto), do New York Times

Maureen Dowd
Não parece correto que a Igreja Católica passe a Semana Santa praticando a nada santa arte da manipulação da informação.

A igreja iniciou uma blitz de relações públicas defendendo um papa que foi conivente com a cultura perversa de proteger abusadores e a reputação da igreja em vez de proteger crianças abusadas.

A Quinta-Feira Santa e a Sexta-Feira da Paixão viraram a quinta-feira do encobrimento e a sexta-feira de colocar a culpa nos outros.

Essa semana especial de confissões e penitências se desdobrou enquanto o papa resistia à pressão para que ele próprio se confessasse e se penitenciasse pela avalanche de casos de abuso sexual de menores que foram ignorados.

O Vaticano parece surpreso de se deparar com esse tipo de problema, mas seus funcionários poderiam facilmente saber o que acontecia. Cínico, o Vaticano simplesmente não quis lidar com a questão.

E agora a igreja continua a se esconder atrás de sua mística. Deixando o catecismo de lado, ela adotou o livro de bolso de Washington para reagir a pecados políticos.

Primeira regra: declare qualquer nova revelação velha e desimportante. Na missa do Domingo de Ramos, o arcebispo de Nova York, Timothy Dolan, reclamou que "o recente tsunami de manchetes sobre o abuso de menores por alguns poucos padres na Irlanda e na Alemanha, além de uma velha história de Wisconsin desencavada, nos colocou de joelhos outra vez".

Alguns padres? Hoje parece um batalhão internacional.

Uma velha história desencavada? Um único padre, Lawrence Murphy, que não mostrou nenhum remorso e não sofreu nenhuma punição do cardeal Ratzinger, abusou de 200 crianças surdas em Wisconsin.

O arcebispo Dolan comparou o papa a Jesus, dizendo que ele está "sofrendo as mesmas acusações injustas, gritos da multidão e cuspes na cruz".

Segunda regra: culpe outra pessoa -mesmo se for o popular antecessor do atual papa.

O cardeal de Viena, Christoph Schoenborn, defendeu o papa Bento 16 dizendo que a tentativa do então cardeal Ratzinger de investigar um ex-arcebispo de Viena por supostamente molestar jovens num monastério foi barrada por assessores do papa João Paulo 2º.

Terceira regra: diga uma coisa e faça outra. O arcebispo Dolan atacou os críticos da igreja, mas disse: "A igreja precisa de críticas, nós as queremos, elas são bem-vindas. Nós mesmos fazemos uma boa dose de críticas. Não esperamos nenhum tratamento especial". Certo...

Quarta regra: demonize os gays. Num anúncio no "New York Times", Bill Donohue, presidente da Liga Católica, ofereceu essa iluminação: "O "Times" continua a editorializar a "crise de pedofilia" quando ela não passa de uma crise de homossexualismo. Oitenta por cento das vítimas de abusos de padres são homens e a maioria passou da puberdade. Embora o homossexualismo não cause um comportamento predatório, e a maioria dos padres gays não sejam abusadores, a maioria dos abusadores é gay".

Donohue ainda fala sobre o problema como uma indiscrição, em vez de um crime. Se ele envolve majoritariamente homens e meninos, isso acontece em parte porque os padres por muito anos tiveram acesso irrestrito a esses meninos.

Quinta regra: ponha a culpa nas vítimas. "O padre Lawrence Murphy aparentemente começou seu comportamento predatório nos anos 50, mas as famílias das vítimas não avisaram a polícia até meados da década de 70", disse Donohue.

E finalmente, a sexta regra: use a defesa da onipotência de Cheney, notoriamente empregada no caso da revelação de que Valerie Plame era uma agente da CIA. O então vice-presidente Dick Cheney disse que seu alto cargo significava que o simples fato de que ele desfizesse um segredo, mesmo com intenções malignas, desclassificava esse segredo.

Os advogados do Vaticano argumentarão nos processos de negligência impetrados por vítimas de abuso que o papa, por ser chefe de Estado, tem imunidade, e que os bispos que permitiram que se criasse uma cultura de abusos não eram funcionários do Vaticano.

Talvez eles trabalhassem para a Enron.

> Casos de padres pedófilos.

Comentários

Concí Sales disse…
Sabemos da FORMAÇÃO ímpar que recebem os servidores da instituição vaticana. São três anos de filosofia e quatro de teologia, mais alguns chamados de propedêuticos, onde línguas clássicas, literatura e música aculturam o funcionário papista na historiografia e ética da civilização. São adestrados na LÓGICA, manipuladores da DIALÉTICA. Sem contar com as teorias da psicologia e psicanálise, ANTROPOLOGIA, sociologia, direito, etc. Essa "boa-gente" é preparada para lidar com a FORMAÇÃO de CASAIS, CRIANÇAS E JOVENS, sabem como ninguém os segredos da sexualidade, da homossexualidade, das diferenças e nuances de todas as tendências, mesmo as transitórias, como as dos ADOLESCENTES. Supor que tais escândalos sejam consequência de que tais indivíduos versados no humanismo clássico e na disciplina, devam seus desatinos ao fato de serem HOMOSSEXUAIS, é golpe de mestre da politicalha, mas é pura má-fé. Não vemos homossexuais sem batina praticarem com tanta largueza e facilidade essas seduções, aliciamentos e corrupções de menores; os poucos que o fazem sofrem a vindita dos abusados ou as penas da Lei POR QUE OS PADRES NÃO?
Anônimo disse…
Como ja relatei em outro topico...

No meu estado, certa vez, um padre foi denunciado por abuso e 'etc.', como punição, o arcebispo o transferiu para o interior onde não era conhecido; já imaginaram? um safado transferido para o interior no meio de gente simples e que não conhecia seu caráter...
E a própria igreja que 'julga' seus criminosos e, com condescendência.

Wander

Wander
Pangéia disse…
Só sei de uma coisa: Pedofilia é crime e pode e deve levar à cadeia qualquer pedófilo, seja ele homem ou mulher, negro ou branco, padre ou não.

CHEGA DE ACOBERTAMENTO!!!
endim mawess disse…
já que você é um jornalista imparcial publique casos de pastores evangelicos pedofilos para que seus leitores não pensem que isso é um mal catolico.
Paulo Lopes disse…
Endim: os casos de pastores pedófilos estão neste link: http://e-paulopes.blogspot.com/2009/06/casos-de-pastores-evangelicos-pedofilos.html

Desse menu, o post mais lido é "Condenado o pastor que estuprou garota em nome de Jesus", de novembro de 2008.
Anônimo disse…
Só sei que está se fechando o cerco contra esses lobos em pele de ovelhas... Chegou a hora de cabar com esse absolutismo da Igreja. Penso que é preciso agir com rigor contra estes irresponsáveis que deturpam o nome da Igreja. é preciso dar um basta a tudo isso, seja qual for a causa, mas as crianças não podem sofrer mais com esses abusos que os martiriza e deixa uma imensa ferida na alma.
realmente, é triste o quadro, nao sabia que tinha chegado a esse ponto. só uma revolução na mente da humanidade, pra acabar com esse tipo de coisa. está mais do que claro que é um reflexo da ignorancia e da inconsciencia religiosas...fanatismo, atraso, que mais poderemos nomear!
Anônimo disse…
Por que razão é que proibem os padres de se casarem? Proibi-los de se casarem é como proibir alguém de urinar ou comer. A relação sexual é uma necessidade biológica como outra qualquer. Façam como diz o Islão: permitam que se casem para que possam satisfazer suas necessidades sexuais com sua(s) esposa(s) e não andem molestando crianças. Se assim fizerem, poderão servir melhor a Deus.
Anônimo disse…
Eh, tem que casar.O casamento é o remédio da castidade. Solução pra tudo que é problema. Tah sozinho, solitário, viciado numa pornografia, pedofilia? Casa. Quem casa quer casa. Tem que casar. O casamento é uma instituição divina. A Igreja também, neh? Por isso nenhuma dessas duas drogas prestam.
Anônimo disse…
Manipulação dos intolerantes e irresponsáveis:
http://www.acidigital.com/noticia.php?id=18882
Anônimo disse…
Ironicamente, a Igreja é chamada de a "A Noiva de Cristo"

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Marceneiro exigia obediência bíblica de filhas para estuprá-las

Moças afirmam que o pai usava a Bíblia para persuadi-las Duas jovens — uma de 16 anos e outra de 18 — de Cariacica (ES) acusam o seu pai, um marceneiro, de abusar sexualmente delas com o argumento de que a Bíblia exige dos filhos obediência aos pais, que é uma lei de Deus. Vários trechos bíblicos se referem a essa obediência, como em Colossenses 3:20: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor". Cariacica tem mais de 340 mil habitantes e fica a 15 km de Vitória. A mulher do marceneiro o denunciou à polícia, e ele negou a violência. Mas as jovens relataram em detalhes os abusos que vinham ocorrendo havia seis meses. Inicialmente, uma não sabia que a outra era vítima de igual violência. Os relatos das jovens são parecidos entre si. O estupro se dava na casa deles, no segundo andar, geralmente após o marceneiro lembrar que a Bíblia diz que os filhos têm de fazer tudo que os pais mandam. A mãe ficou sabendo da violência no sábado, dia 1

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Nobel da Academia Pontifícia diz a bispos que a evolução é fato

por Telmo Pievani , do Corriere della Sera Arber acredita que fé e ciência são compatíveis O presidente da Academia Pontifícia das Ciências, Werner Arber  (foto), biólogo prêmio Nobel de Medicina em 1978, proferiu, no dia 12 de outubro passado, uma conferência sobre as relações entre ciência e fé, apresentada ao pontífice e aos membros do Sínodo dos Bispos, na qual ilustrou com clareza as bases da explicação evolucionista contemporânea. O texto na íntegra está disponível no site da Academia . No contexto de uma reflexão "sobre as mútuas relações e compatibilidades entre o conhecimento científico e os conteúdos fundamentais da fé", Arber escolheu como exemplo de aquisições científicas essenciais a evolução do universo e a evolução da vida sobre a Terra, como "fatos científicos estavelmente verificados". O microbiologista da Universidade de Basel, que sucedeu a Nicola Cabibbo no fim de 2010, explicou ainda que as variações genéticas espontâneas e a seleção