Pular para o conteúdo principal

Irmão do papa Bento 16: ‘Eu também bati nas crianças’


“[...] devo admitir que muitas vezes eu ficava depressivo e distribuía tapas [nos meninos do coro], mesmo sabendo que depois eu me sentiria com a consciência pesada por ter feito isso.” Essa afirmação foi feita pelo padre Georg Ratzinzer, 86, irmão mais velho do papa Bento 16, em entrevista ao jornal católico bávaro Passauer Neue Presse.

Ratzinzer foi por trinta anos o responsável pelo coral de meninos de um internato da diocese de Regensburg, na Alemanha.

O irmão do papa já tinha dito que não sabia que sacerdotes abusavam sexualmente dos meninos, o que soa estranho considerando o longo tempo em que esteve na direção do Coro dos Pardais do Duomo.


O que ele admitiu, na entrevista, foi que tinha conhecimento das surras que os meninos levavam do reitor do internato. “Ele dava bofetadas muito violentas e também fazia isso por motivos muito fúteis.”

Ratzinzer disse que nada pôde fazer para poupar as crianças da violência porque não tinha nenhuma influência na administração do internato.

Ou seja, tirou o corpo fora.

Ele revelou apenas a primeira letra do nome do reitor: M.

Sabine Leutheusser-Schnarrenberb, ministra da Justiça da Alemanha, acusou a Igreja Católica de levantar um muro de silêncio em relação às agressões e aos abusos sexuais cometidos pelos seus sacerdotes. O que, segundo ela, impediu a investigações de muitos casos cuja parte deles só agora veio à tona.

A declaração da ministra demonstra o quanto tem sido tenso o relacionamento da igreja com as autoridades da Alemanha, país de origem de Bento 16.

Violência em nome de Deus

Com informações do jornal La Repubblica e agências internacionais.



547 crianças de coro católico foram abusadas, diz relatório


Comentários

Anônimo disse…
Que vergonha em Sua Santidade? Um irmão que além de obrigar as pobres criancinhas a cantar de graça ainda baixava o cacête nelas (Nos dois sentidos, claro!!!)
Anônimo disse…
Anônimo, não confunda as coisas e nem o público que lê esse Blog: Sobre o irmão do Papa não recaem suspeitas e sequer há acusações acerca de abuso sexual. O abuso sexual cometido contra os integrantes do coro é de responsabilidade de outros dois religiosos, um deles, o diretor da escola!, que todos sabiam ser um grandissíssimo e desgraçado pederasta. O irmão do Papa dava bofetadas nos meninos, pois a forma de educar, na época (40 anos atrás)subentendia esse tipo de violência como sendo algo normal e corriqueiro. Como, nos dias atuais, isso é considerado apenas e tão somente violência pura, e tais agressões e humilhações não são mais socialmente toleradas, o irmão do Papa, aproveitandoa "onda", veia público se desculpar por seu comportamento deplorável.

O que não se pode aceitar é que o irmão do Papa nunca tenha ouvido falar do abuso sexual contra seus alunos, pois, como todos sabem em Regensburg, pelo menos o duretor da escola, repito, era um conhecido pederasta.

Sabe, é essa inaceitável cultura católica de fazer vista grossa, de tolerar, de se aproveitar das coisas de "exercício do perdão" como justificativa para trasnferir CRI-MI-NO-SOS para outras paróquias sem informar a polícia...

A sociedade alemã está fazendo muita pressão, a coisa está feia e isso é BOM para a Igreja! EXIGIMOS transparência! EXIGIMOS PADRES PEDÓFILOS na CADEIA, isso é caso de POLÍCIA! A socieade alemã está fazendo pressão sobre o Papa, para que todo criminoso sexual seja tratado como tal, que seja denunciado às autoridades "mundanas", BANIDO da Igreja, EXPULSO, EXCOMUNGADO!
Concí Sales disse…
Não acredito que trate-se apenas de VISTA GROSSA, a instituição romano-papista SEMPRE administrou orfanatos e internatos onde, USEIROS E VEZEIROS, proliferam pedófilos, uma minoria, o que é plausível, mas quanto a EFEBOFILIA e PEDERASTIA, são quase majoritárias. O confinamento de meninos e rapazes separados do sexo oposto e confiados a homens reprimidos da natural e livre sexualidade, só pode mesmo descambar na válvula de escape dessas relações homoeróticas.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios