Pular para o conteúdo principal

Hospital abre ambulatório para tratar de viciados em internet

Doença é tida como grave.
Viciados em internet são
comparados aos alcoólatras 
Há indicativos de que tem aumentado no Brasil os viciados em internet, tanto que a Santa Casa de Misericórdia do Rio vai abrir em março um ambulatório só para tratar os jovens que passam a maior parte do tempo conectados, na maioria dos casos em sites de jogos e de redes sociais.

Cerca de cem pessoas já se inscreveram para receber o tratamento.

Trata-se do segundo ambulatório do país a se dedicar exclusivamente a esse tipo de dependência.

O primeiro surgiu em 2006 por iniciativa do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Aberto inicialmente para oferecer psicoterapia a adultos, os responsáveis tiveram de estender o atendimento aos adolescentes a pedido dos pais.

Os jovens dependentes de internet correspondem aos adultos viciados em jogo ou em álcool, disse ao Estado de S.Paulo Fábio Barbirato, 40, chefe do setor de psiquiatria da Santa Casa do Rio.

“Há casos de jovens que chegam a roubar dinheiro para ir à lan house”, disse.

Países como Estados Unidos, China e Coreia do Sul já proporcionam tratamento aos viciados de internet.

Na Coreia do Sul, de acordo com dados de 2006, 210 mil pessoas entre 6 e 19 anos eram dependentes de internet.

Lá, até aquele ano, pelos menos sete jovens morreram em lan houses em decorrência da fatiga causada por jogos on-line.

Em 2008, Jerald Block, psiquiatra da Universidade de Ciência e Saúde Oregon, em Portland, criou a palavra “heroinware” (heroína + software) para  expressar a gravidade da nova dependência.

No American Journal of Psychiatry, ele escreveu que o uso excessivo de internet pode ser, em muitos casos, mais que um vício, mas sintoma de distúrbio mental

10% dos internautas são viciados em internet
março de 2008

Comentários

Paulo Lopes disse…
Você é viciado em internet? Então conte o seu caso.
Ari disse…
Eu estou mais ou menos como aquele cara da foto. Comprei um netbook para acessar a internet da cama quando acordar durante à noite. Por aí dá para imaginar o meu caso.
Lalah Cris disse…
Eu sou muuuito viciada, mas só não vou para um médico pq eu amo de verdade, não é só vício, vou fazer faculdade algo com informática, só não sei qual área :D

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m