Pular para o conteúdo principal

Rede JB de tv é o novo veículo do Tanure


Arrendada por cinco anos pela CBM (Companhia Brasileira de Multimídia), de Nelson Tanure (foto), a rede paranaense CNT em março vai mudar de nome para Rede JB, numa referência ao Jornal do Brasil, também do grupo do empresário. A informação é do Portal Imprensa.

Até setembro de 2006, a CNT era controlada por Flávio Martinez, um político que foi próximo a Fernando Collor, na época em que este era presidente do Brasil. A rede tem emissoras e retransmissoras em 17 capitais e atingem cerca de 20 milhões de domicílios, mas a sua audiência é ínfima.

A CNT obtém faturamento anual de cerca de R$ 50 milhões, principalmente com a venda de horários a igrejas como a Renascer e Universal e os chamados infomerciais (anúncios de até meia hora cada). Um dos poucos programas produzidos pela própria emissora é o Jornal CNT.

Essa programação vai começar a mudar em março. A Rede JB vai apresentar jornalismo, entretenimento e serviços, nessa ordem de importância. A sede da empresa será no Rio de Janeiro, não mais em Curitiba. O arrendamento poderá ser estendido por mais cinco anos, mas não se sabe o valor do negócio e nem quanto Tanure planeja investir no saneamento da rede.

Com a Rede JB, o empresário baiano avança em seu objetivo de montar um conglomerado de mídia, apesar das incertezas que rondam os veículos de comunicação por causa dos impactos das novas tecnologias. Além do Jornal do Brasil e do JB Online, a CBM controla a Gazeta Mercantil, revista Forbes Brasil e Investnews e estaria negociando a compra da Editora Três, que edita a Istoé, por R$ 25 milhões.

O relacionamento de Tanure com os jornalistas tem sido marcado por atritos, principalmente por causa das demissões ocorridas no Jornal do Brasil. O empresário é acusado de desrespeitar os direitos trabalhistas. Ele nega.

No ano passado, o JB passou por uma mudança gráfica e editorial. Houve até uma redução no seu tamanho, que é uma tendência verificada em países da Europa. Mas o JB, um jornal centenário em decadência, em nada recuperou de sua antiga credibilidade. E a Gazeta Mercantil, que por muito tempo foi o único jornal de circulação nacional especializado em economia do país, enfrenta hoje uma competente concorrência d’O Valor, que pertence a uma associação entre a Folha e o Globo

Tanure é considerado um empresário frio e implacável. Ele mesmo admite que quando entra numa briga é para valer. “Às vezes, a minha reação é desmesurada”, admitiu no começo do ano passado à Istoé Dinheiro.

Uma página do JB Online sobre os 110 anos do jornal, comemorados em 9 de abril de 2001, informa que ele é católico praticante. Mas é também leitor de Nietzsche (costuma citá-lo), um filósofo alemão que foi um ferrenho crítico às religiões e principalmente à Igreja Católica.

Caçula e um comerciante libanês que teve seis filhos, diz a referida página, ele “saiu de Salvador em 1977 aos 25 anos, para tentar a sorte no Rio”. E que “vinte e quatro anos depois, o empresário não mudou em alguns aspectos: continua introspectivo, tímido e apegado à família”.

Pessoalmente, Tanure pode ser tímido, mas não nos negócios. Há quem diga que ele esteja dando passos mais longos do que as suas pernas. Mas isso só se saberá se algum dia Tanure levar um tombo. Ele acha que, na elite empresarial, há muita gente torcendo para que isso ocorra, principalmente do setor de comunicação.
xxxx

Comentários

  1. Todos os jornalistas e a maioria dos funcionários da cnt de Curitiba foram demitidos pelo empresário Nelson Tanure, que arrendou a rede. Isso é justo??????????

    ResponderExcluir
  2. DEMISSÕES EM MASSA NA CNT...TODOS MANDADOS EMBORA....FUNCIONÁRIOS COM ATÉ 20 ANOS DE CASA...TODOS OS JORNALISTAS...........QUEREM ACABAR COM A EMISSORA DOS MARTINES

    ResponderExcluir
  3. O QUE VAI FICAR NA CNT??????? CADÊ O PROFISSIONALISMO???? SACANAGEM TOTAL COM TODOS OS FUNCIONÁRIOS DA REDE...

    ResponderExcluir
  4. MAIS UMA VEZ O EMPRESÁRIO NELSON TANURE CHUTA A BUNDA DE FUNCIONÁRIOS....O NEGÓCIO DELE É DEMITIR TODOS..ESSE CARA É MUITO LEGAL

    ResponderExcluir
  5. A FAMÍLIA MARTINES VAI DEIXAR O NELSON TANURE ACABAR COM TUDO E DEMITIR TODOS??

    ResponderExcluir
  6. Nao entendo por que se referem a Nelson Tanure como um empresario bahiano. Como a propria materia diz, ele saiu da Bahia para tentar a sorte no Rio de Janeiro, ou seja, nao tinha um tostao la. Tudo o que conseguiu foi conquistado no Rio de Janeiro, de onde comanda todo o Grupo JB. Logo... e um empresario do Rio de Janeiro. Apenas nasceu na Bahia.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo, você tem razão. A rigor, não há necessidade de citar a origem baiana do Tanure. Mas todos citam: no Google, Tanure aparece como “empresário baiano” em mais de cem páginas, inclusive em matérias do Observatório da Imprensa. Mas no JB Online, uma das empresas sob o controle do Tanure, ele é designado simplesmente como “empresário”. Não sei se podemos chamá-lo de empresário do Rio, considerando que tem negócios em diversos Estados –em São Paulo, por enquanto, tem o controle da Gazeta Mercantil. Observo que Duda e Nizan também são chamados de “publicitários baianos”, embora ganhem (muito) dinheiro no eixo São Paulo-Rio-Brasília. É possível que, no caso do Tanure, a declinação da origem tenha uma conotação pejorativa disseminada por concorrentes do sul. O próprio Tanure reclama com freqüência que não é bem aceito pela elite empresarial (leia-se empresários paulistas). Mas estou apenas conjecturando. Não disponho de fatos. Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Espero que a tradição do grande JB seja restaurada no que tange ao jornal propriamente dito, como também agora na TV. Não conheço o proprietário, mas espero que tenha competência empresarial, sempre com justiça social e trabalhista, elevando o Rio de Janeiro no cenário jornalístico nacional.

    ResponderExcluir
  9. Todos desejamos que o JB volte a ser o que era, mas há quem acredite que se trata de uma missão impossível. Vamos aguardar.

    ResponderExcluir
  10. O Jornal do Brasil e um dos melhores jornais para se ler on line. Tudo funciona. Quanto a cobertura, sinceramente, nao vejo grandes diferencas dos demais ( Globo, Folha e etc e tal. No fundo e tudo a mesma coisa). Logo... nao vejo nao vejo nada que o desqualifique, diminua ou desabone perante os demais.
    Quanto a nova Rede JB de Televisao, acredito que a decisao de transferir a sede da CNT para o Rio de janeiro foi logica e acertada. A Cidade do Rio de janeiro concentra 70% de toda a producao audiovisual do pais: Cinema, TV, Videos, musica e etc e tal). Isto mostra o "savoir faire" que existe por la, no setor audiovisual. Logo, nao ha melhor lugar, no pais, para se comecar um Rede de TV que pretende estar entre as melhores

    ResponderExcluir
  11. O anônimo aí de cima certamente é um jovem que não pegou a fase áurea do JB. Se assim não fosse, ele admitiria que o JB já foi bem melhor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Bolsonarista se recusa a tomar vacina e morre de reinfecção de Covid-19

Crise da Universal em Angola chega à África do Sul com acusações de exploração e abortos forçados

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade