Pular para o conteúdo principal

Pastor Caio Fábio é apontado como intermediário do Dossiê Cayman

por Roberta Paixão
para Veja

 Caio Fábio foi morar  na 
Flórida e emagreceu 25 quilos
Foi um ano de provação para o pastor Caio Fábio D'Araújo (foto), 44 anos. Em novembro passado, ele foi apontado como o intermediário de um conjunto de documentos que ficou conhecido como o "Dossiê Cayman" – um calhamaço que provaria a existência de contas e empresas secretas do presidente Fernando Henrique Cardoso e de outros tucanos num paraíso fiscal do Caribe, as Ilhas Cayman. A parte dos papéis que foi divulgada não deixou dúvida de que os documentos eram apócrifos, e Caio Fábio, associado ao calhamaço, caiu em desgraça. Teve a vida revirada pela Polícia Federal, entrou em depressão, emagreceu 25 de seus 119 quilos, perdeu amigos e dinheiro. Acumulou dívidas e está sendo processado por calúnia pelo Ministério da Justiça. Para completar o calvário, Caio Fábio teve um caso extraconjugal que lhe custou a suspensão da Igreja Presbiteriana. Casado há 23 anos com Alda, com quem tem quatro filhos, ele foi obrigado pela cúpula presbiteriana a abrir mão do sacerdócio e pediu o divórcio. Para escapar dos problemas no Brasil, foi morar na Flórida. Com menos dinheiro do que gostaria e sem projetos nos Estados Unidos, retornou agora ao Rio de Janeiro. Tentará refazer sua vida.

Justiça condena pastor por falsificar documentos para incriminar PSDB
29 de novembro de 2011

Pastor da Igreja Presbiteriana há 25 anos, Caio Fábio tombou na subida. A partir do início dos anos 90, ele passou a ser respeitado por autoridades, intelectuais e artistas. Uma constelação da qual faziam parte o teólogo Leonardo Boff, o governador Anthony Garotinho, o humorista Chico Anysio e o escritor Paulo Coelho. Seus trinta livros e 76 conferências publicados venderam 5 milhões de exemplares.

No início, ele doava 90% dos direitos autorais para sua organização não governamental, a Vinde, voltada para a assistência social. Há cinco anos, no entanto, passou a embolsar a totalidade do dinheiro. "Meus filhos estavam crescendo e tinham novas necessidades", justifica. Quando conquistou prestígio nacional, Caio Fábio também ganhou mais amigos e aval para tornar-se empresário de comunicação. Em 1994, abriu uma editora para imprimir seus livros e de outros autores e fundou a revista Vinde. Mais tarde, conseguiu uma concessão de canal a cabo. A TV Vinde entrou no ar em dezembro de 1996. Para viabilizá-la financeiramente, ele vendia comerciais e passava a sacolinha no meio empresarial e religioso.

A Fábrica da Esperança, projeto de assistência social implantado pelo pastor na favela carioca de Acari, chegou a atender nos seus bons tempos 15.000 adolescentes por mês – mais do que o dobro do número de hoje. Mas no seu caso a caridade virara pano de fundo para seu próprio benefício. Caio Fábio conseguia recursos para realizar qualquer projeto. Empresas do porte da Brahma e da Xerox contribuíam. Chegou a ter um patrimônio de 5 milhões de dólares. Com o Dossiê Cayman e sua imagem manchada, as parcerias e doações para a Fábrica da Esperança caíram à metade. Ainda assim, amealha cerca de 70.000 reais por mês. "Quero colocar a fábrica a todo o vapor de novo", diz o pastor.

No universo evangélico, Caio Fábio era uma espécie de contraponto progressista ao bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, com quem brigou. Fora dele, vivia na companhia de líderes políticos de esquerda. Desde Luis Inácio Lula da Silva, presidente de honra do PT, e Leonel Brizola, chefão do PDT, até o ex-governador Ciro Gomes. Foi para alguns desses políticos que o pastor contou sobre a existência do Dossiê Cayman. Quando a história começou a pipocar na imprensa, Caio Fábio foi acusado de ter pedido propina em troca do calhamaço. "Eu nunca vi o documento, só ouvi falar nele. Um irmão de fé fez o contato com um inglês e eu fui ao encontro dele em Miami. Chegando lá, o sujeito pediu 1,5 milhão de dólares e eu caí fora", relata. Caio Fábio nunca contou o nome do tal irmão de fé. Nem do inglês. Ele diz estar arrependido, mas suas justificativas não ajudam muito a montar o quebra-cabeça. "Eu achava que poderia começar uma carreira política dando o dossiê aos políticos", alega ele. "Depois, eles me ajudariam." Curiosamente, ofereceu os documentos à oposição e ao próprio governo.

Antes de desembarcar no Brasil, Caio Fábio vendeu a revista por 500.000 reais para um grupo evangélico de São Paulo e arrendou o canal de televisão. Com 3 milhões de reais em dívidas, a TV Vinde quase faliu. O pastor diz que se mantém com 12.000 reais que recebe por mês pelo arrendamento de suas empresas. Ele está morando com a namorada em um apart-hotel em Niterói, no Rio de Janeiro. Mas quer mudar-se para um apartamento de quatro quartos que um amigo lhe emprestou. Para a ex-mulher, comprou um apartamento menor. Dono de uma oratória envolvente, ele tem agora pela frente um desafio quase impossível de superar. As portas que antes se escancaravam à sua chegada agora estão cerradas. Até o próprio Caio Fábio acha que sua situação é difícil: "Eu pequei. Sou um anjo caído".

Religião na política.

Comentários

Anônimo disse…
nossa 17 de novembro de 1999 a mais de 20 anos
ASP SOUZA disse…
21 Anos depois, o cara assumiu seus erros, foi reerguido, e está a todo vapor anunciando o evangelha da graça.
Thiago Marinho disse…
Vivia com R$ 12 mil, valia hoje R$ 50.000.
Luiz disse…
Vinte a os depois eu leio isso e digo: existem.formas de falar verdades de forma tendenciosa. O artigo narra os fatos, mas percebe-se a intenção.
Wagner disse…
a verdade sai do poço sem indagar quem se encontra à borda!
Unknown disse…
verdadade!
Sandro disse…
Quem era a namorada na época? Cristina Cristiano?
Anônimo disse…
Pilantra...
HERTA SCARASCIA disse…
Quem somos nós para julgar e atirar pedras.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel