Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

terça-feira, 5 de abril de 2016

Parece que ateus querem jogar crentes na fogueira, diz bispo

O bispo diocesano Pedro Carlos Cipollini (foto), de Santo André (SP), referindo-se aos ateus militantes, como Richard Dawkins, e à Inquisição, perguntou: “Será que agora serão os crentes que irão para as fogueiras acesas por cientistas e ateus?”

Cipollini sugere que
ateus querem promover
 uma Inquisição
Preocupado, Cipollini disse que os ataques desses ateus mudaram de alvo, da religião para a existência de Deus, que, para eles, é “uma ilusão maléfica para o ser humano”.

Concluiu que esses descrentes já acenderam “a fogueira das vaidades, com discursos prepotentes sobre a fé”.

Curiosamente, o próprio Cipollini pode ser acusado de ter discurso prepotente, porque ele acha que, a rigor, não existem pessoas ateias, mas apenas descrentes “em relação a certas imagens de Deus”.

O que ocorre, segundo ele, é que as pessoas, quando se defrontam com o sentimento de finitude, tomam o caminho do desespero, que levou Nietzsche à loucura, ou o da santidade, como Gandhi.

Não se sabe a quem o bispo se refere quando fala sobre aqueles que se miram no exemplo de Gandhi, o qual, sim, agia como se fosse um santo se oferecendo ao martírio.

Quanto a Nietzsche, ateus certamente acham honrosa a comparação feita com ele.

O filósofo alemão não achava ter uma vida vazia, como o bispo acredita que tenha sido, porque escreveu uma obra monumental, alimentando a expectativa de obter reconhecimento no futuro, o que acabou ocorrendo.

Nietzsche, aliás, não ficou demente por não ter Deus no coração, mas por algo prosaico, ao menos na época dele. A sífilis.

Com informação de artigo do bispo Cipollini publicado no Diário do Grande ABC.







Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...