Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Só o Islã faz pessoa comum virar maníaco religioso, afirma Harris

O Islã é a única religião cujos princípios fundamentais têm o poder de transformar uma pessoa comum em perigoso maníaco religioso. A afirmação é do neurocientista e militante ateu Sam Harris (foto).

O americano não aceita o argumento de que o Islã é uma religião de paz e que os casos de extremismo são exceções.

'Desejo de vingança
dos jihadistas
 é religioso'
Para ele, as doutrinas do Islã são a origem “de toda a violência, intolerância e atraso do mundo muçulmano”.

“O tratamento desumano às mulheres, a hostilidade à liberdade de expressão e o derramamento diário entre sunitas e xiitas não têm nada a ver com a política externa dos Estados Unidos ou com a criação do Estado de Israel.”

Esse tipo de argumentação que tenta atrelar a violência islâmica à história do intervencionismo ocidental é usado por apologistas religiosos e esquerdistas retrógados, afirmou Harris em recente entrevista.

Ele disse que o desejo de vingança disseminado pela ideologia jihadista é mais religioso do que qualquer outra coisa.

“Pode-se fazer uma lista de crimes e erros dos Estados Unidos, mas ainda assim isso será insuficiente para explicar a existência do Estado Islâmico.”

Harris reconhece que o Ocidente, dado sua riqueza, tem ajudado pouco os países pobres, entre os quais os muçulmanos.

“Mas isso não significa que o Ocidente seja responsável pelo culto mundial à morte do jihadismo.”

Afirmou que países da América do Sul têm queixas legítimas contra os Estados Unidos, mas nem por isso a região é produtora de homens-bomba.

“Estamos diante de pessoas [muçulmanas] em vários países que desprezam os nossos valores, como liberdade de expressão, sociedades abertas, igualdade de gênero e racionalidade científica. Tudo da nossa civilização que tem de ser preservado”, disse.

Ele citou o exemplo estudantes e profissionais (engenheiros e médicos) de países desenvolvidos, como a Grã-Bretanha, que têm engrossado as fileiras do Estado Islâmico.

“Isso não tem nada a ver com a política do Ocidente, o capitalismo global e os privilégios dos brancos.”

Harris afirmou que quem tenta explicar a revolta de muçulmanos com a “construção” do Oriente Médio moderno de acordo com os interesses ocidentais se esquece de que antes já existiam na região “a loucura religiosa islâmica e a do tribalismo”.

O neurocientista concordou que, de fato, a história do colonialismo não é bonita, mas não existem homens cristãos-bomba.

“Onde estão os cristãos paquistaneses, iraquianos, sírios, e egípcios e palestinos que explodem a si mesmos e multidões de não combatentes?”

“Eu suponho que até possa existir algum homem-bomba cristão, mas a oferta de muçulmanos para tal propósito é aparentemente inesgotável.”

Harris argumentou que esses cristãos vivem em países de cultura islâmica, falam o mesmo idioma e sofrem as mesmas privações materiais, mas não saem por aí matando.

“Eles [esses cristãos] não só sofreram o mesmo legado do colonialismo como foram expulsos de seus países e muitas vezes foram mortos pelos seus vizinhos muçulmanos e até agora não organizaram um culto de morte.”

Ele disse que se opressão bastasse para justificar atentados contra a vida dos outros, existiria há décadas entres os tibetanos terrorismo suicida contra os chineses.

“Em vez disso, os tibetanos praticam a autoimolação, por razões compreensíveis dentro do contexto de suas crenças religiosas.”

“Se o comportamento de homens-bomba muçulmanos diz alguma coisa é a de que certas pessoas realmente acreditam no martírio. Quero deixar claro que não estou dizendo que todos os muçulmanos são jihadistas, mas todos os jihadistas são muçulmanos.”

Harris disse que o mundo tem um “terrível problema” considerando que apenas um por cento dos muçulmanos possa ser jihadista em potencial.

Neste caso, “estaremos lidando com 16 milhões de aspirantes a mártires”.

“Mentir para nós mesmo sobre a natureza desse problema não me parece ser a melhor estratégia.”





Sam Harris é o ateu mais temido por religiosos dos EUA, diz site

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...