Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Charlie provoca o terror: 'Vocês têm balas, e nós, champanhe'

por Maria Fernanda Guimarães
para Paulopes

Joann Sfar, cartunista do Charlie Hebdo, causou assombro quando comentou o refrão “#Pray for Paris” (Reze por Paris), que está bombando nas mídias sociais desde as notícias dos ataques devastadores da jihad na capital francesa, na sexta-feira, 13 de novembro.

Capa do jornal
contrasta o ódio
com culto à vida
"Amigos de todo o mundo, muito obrigado pelo #prayforparis, mas nós não precisamos de mais religião", disse Sfar, num cartoon (foto abaixo) "Nossa fé vai para a música! Beijos! Vida! Champagne e Alegria” #Parisisaboutlife (Paris é pela vida) — pregava a mensagem do cartunista.

Sfar — que é filho de pais judeus, mas não segue nenhuma religião — tem 44 anos.

A redação do Charlie Hebdo foi o ponto central do ataque islâmico em 7 janeiro de 2015, quando muçulmanos radicais revoltaram-se contra desenhos retratando Maomé. Reproduzir a imagem do profeta do Islão é ato condenado pela sharia, a lei islâmica. . O ataque terrorista ao Charlie Hebdo resultou na morte de doze pessoas e ferimentos graves em cinco.

Embora não haja uma sura (versículo) do Alcorão que condene explicitamente as imagens, o argumento sunita moderno para a proibição seria o fato de que que a representação pictórica dos profetas pode contribuir para diminuí-los, minando sua dignidade e integridade. 

Além disso, o que se teme mesmo é a imagem poder ser usada para transformar em piada qualquer personagem de religiões abraâmicas (incluindo Moisés ou Jesus). Exatamente o que faz o Charlie Hebdo ou qualquer outra publicação que realmente defenda a livre expressão.

Apesar de o Charlie Hebdo (justamente  hebdo, um semanário), não ter ido às bancas após o massacre da sexta-feira 13, o site especializado francês site GQMagazine adianta que a capa (ver acima) é uma provocação direta e desassombrada aos terroristas.

De acordo com o site, a capa de fundo vermelho-sangue mostra um homem, com o corpo perfurado de balas, segurando uma garrafa de champanhe numa das mãos e uma taça na outra. De cada furo de bala, ao invés de sangue sai champanhe. A chamada de capa é: Ils ont les armes. On les emmerde. On a le champagne. Numa tradução livre: “Eles têm as armas. Eles que se esmerdeiem. Temos o champanhe.”

'Nossa fé vai para alegria'
Com informações de Time, People e GQMagazine.





França vai expulsar religiosos radicais e fechar suas mesquitas

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...