Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

quinta-feira, 11 de junho de 2015

'Luz divina' que fez Paulo virar cristão era meteoro, diz estudo

O que Paulo viu
 foi a explosão
de um meteoro
Há mais de 2.000 anos, em uma estrada na Síria a caminho de Damasco, Saulo viu uma luz que ele julgou divina que o deixou cego por algum tempo. Após o brilho mais intenso da luz, de acordo com o relato do romano, Jesus, das alturas, o questionou: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (Atos 9:4).

E Saulo se “entregou a Jesus”, como se diz hoje dia, tornando-se o apóstolo Paulo — o mais eficiente pregador do cristianismo. Sem ele, a nova crença, uma entre tantas outras, seria apenas uma seita de curta duração.

Na explicação do astrônomo William Hartmann, fundador do Instituto de Ciência Planetária de Tucson, Arizona (EUA), o que provavelmente Paulo viu não foi uma luz divina, mas um meteoro que explodiu a poucos metros da superfície da Terra, dando origem a um clarão.

Em estudo que publicou na revista Meteoritics & Planetary Science, Hartmann argumentou que a bola de fogo vista no dia 15 de fevereiro em 2013 caindo sobre Chelyabinsk, na Rússia, foi semelhante à “luz divina” que ofuscou o romano (ver vídeo abaixo).

A Academia de Ciência da Rússia informou que o meteoro de 10 toneladas entrou na atmosfera a 54.000 km por hora, explodindo entre 30 a 50 k do solo. O brilho da explosão foi registrado por várias câmeras. Várias pessoas ficaram feridas, mas não houve nenhuma vítima fatal.

Hartmann, com base em três relatos em Atos, estimou que a “luz divina” observada por Paulo caiu em 35 D.C.

O que está em Atos — argumentou o astrônomo — pode ser entendido com a descrição da sequência da queda e explosão de um meteoro.

Na história recente, a queda de outros meteoros serve para dar uma ideia do que Paulo deve ter presenciado.

No dia 30 de junho de 1908, em Tunguska, também na Rússia, já tinha ocorrido uma explosão de um meteoro com testemunhas oculares, havendo como consequência abalos sísmicos e a inclinação para o chão de milhares de árvores, como se tivessem sido "deixadas" por uma força.

Do ponto de vista científico, a vantagem do meteoro de 2013, em relação ao de 1908, é que ele foi mais bem documentado, com filmagens a partir de diferentes pontos e com mais testemunhas.

A pessoa que estava em Chelyabinsk, na rua, poderá dizer que viu no céu uma luz mais brilhante que o sol que parecia resplandecer em torno dela. Pois foi mais ou menos assim que Paulo relatou a sua experiência.

O romano disse que, após um brilho mais intenso, ele e seus companheiros foram jogados no chão.

Na explicação de Hartmann, Paulo e seus amigos provavelmente foram derrubados por uma onda de choque causada pela explosão do meteoro.

Onda de choque que, no caso de Tunguska, colocou árvores “deitadas” no chão.

Em Chelyabinsk, a onda derrubou dezenas de pessoas e danificou o vidro de milhares de janelas.

Não há registro de moradores de Chelyabinsk ou de Tunguska que tenham ouvido a voz de Jesus após a explosão, diferentemente, portanto, do que teria ocorrido com Paulo.

Uma possível explicação é que, entre os russos daquelas localidades, não havia nenhum anticristão obcecado, como Paulo, cujo fanatismo sofreu uma inversão de polaridade por causa do impacto psicológico da luz intensa.

A Bíblia diz que Paulo só recuperou sua visão dias depois, quando escamas caíram de seus olhos.

Para Hartmann, Paulo estava provavelmente com photokeratitis, que é uma cegueira temporária causada por uma intensa radiação ultravioleta.

“É basicamente uma pouco de queimadura na córnea”, disse. “Uma vez que começa a cicatrizar, ela solta escamas.”

Assim, de acordo com Hartmann, o episódio da cegueira relatado pela Bíblia pode ser entendido de forma literal.

O astrônomo argumentou que, como naquela época não se sabia da existência dos raios ultravioletas e, portanto, de suas consequências no organismo humano, não houve uma associação causa-efeito em relação à descamação nas córneas de Paulo.

Hartmann disse que objetivo do seu estudo não é desacreditar o cristianismo, mas buscar a verdade com o uso do método científico.

Afirmou que, se uma religião se tornou grande por causa de um mal-entendido, de uma explosão de um meteoro que foi tomada como uma luz divina, isso tem de ser pesquisado e divulgado.

Explosão de meteoro em 2013 em





Ciência vai ganhar da religião, afirma Stephen Hawking

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...