sábado, 13 de junho de 2015

Deputados manipularam painel de fotos da acusação aos gays

Montagem mostra
imagens que não são
da Parada Gay
Os deputados federais de militância cristã que fizeram na quarta-feira (10) um protesto no plenário contra a 19ª Parada Gay de São Paulo, realizada no dia 7 deste mês, manipularam um painel de oito fotos de modo a ressaltar a suposta indecência do evento dos homossexuais e do movimento “Marcha das Vadias”

O painel tem o título “Parada Gay – Marcha das Vadias – Marcha da Maconha patrocinados (sic) com dinheiro público”.
Abaixo das fotos, há uma indagação: “Você é a favor disso?”.

Pelo menos três fotos não têm nada a ver com os eventos contra os quais os deputados estavam protestando.

Uma delas, a do “Jesus gay” beijando outro homem, foi publicada em 2014 pelo site americano Now The End Begins para ilustrar texto sobre a polêmica peça “Corpus Christi”, de Terrence McNally.

A foto atribuída à Marcha das Vadias, que mostra duas mulheres crucificadas se beijando diante de uma igreja, é na verdade de uma manifestação a favor do voto laico realizada em outubro de 2014 defronte à Igreja da Candelária, no Rio.

As ativistas Sara Winter e Bia Spring organizaram esse protesto na época das eleições porque ficaram indignadas com o discurso de ódio na TV aos homossexuais do candidato a presidente Levy Fidelix (PRTB).

A terceira foto — de um homem enfiando um suposto crucifixo no ânus de outro — não pode ser da 19ª Parada Gay paulista porque ela se encontra disponível na internet desde 2013, pelo menos, conforme apurou este site.

Emilio Sant’Annade, da Folha de S.Paulo, questionou o deputado Paulo Freire (PR-SP), presidente da Frente Parlamentar Evangélica, sobre a credibilidade das fotos do painel.

O parlamentar respondeu que ia conversar com seus colegas evangélicos e católicos para que eles dessem uma satisfação ao público, caso necessário.

Para o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), “é irrelevante” o fato de o beijo do “Jesus gay” não ter ocorrido na Parada Gay, porque, segundo ele, o que marcou mesmo o evento foi o transexual que simulou ser o Jesus crucificado. “Poderiam ser 150 mil imagens, um trilhão, mas a imagem símbolo para mim é a da crucificação."

Fernando Quaresma, presidente da associação que organiza a Parada Gay, informou que vai recorrer ao Ministério Público contra os deputados evangélicos e católicos pelo "jogo sujo" de terem manipulado as imagens com o propósito de levar a população e patrocinadores a um “erro de interpretação”.
Painel foi "jogo sujo", diz
organizador do Parada
Com informações deste site, Folha de S.Paulo, G1 e outras fontes e reprodução de imagens.




Avanço evangélico é tragédia anunciada, afirma Sottomaior


Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...