Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Estudante ateu perdeu emprego e namorada por ter queimado Bíblia

Roberto Oliveira disse que
 cometeu um erro, não no
conteúdo, mas na forma
Roberto Oliveira da Silva (foto), 29, ex- seminarista e estudante de filosofia na Ufac (Universidade Federal do Acre), escreveu ter perdido o emprego e namorada e estar sendo perseguido por pessoas que se dizem cristãs por ele ter queimado um exemplar da Bíblia.

Em resposta a uma carta aberta do padre Massimo Lombardi, reitor da catedral Nossa Senhora de Nazaré, de Rio Branco, Oliveira afirmou que há “pessoas que tiram fotos com suas Bíblias com tom ameaçador e me as enviam por redes sociais com ofensas, ou que proferem palavras de ódio contra a mim”.

Na noite de 30 de abril, durante um sarau promovido por ateus no campus da Ufac, em Rio Branco, o estudante queimou a Bíblia como performance da banda Violação Anal, da qual é vocalista, em protesto aos males causados pelo cristianismo ao longo da história. Alguém gravou um vídeo e o postou no Youtube (ver abaixo).

Na carta aberta, o padre escreveu que respeita os ateus porque são “garimpeiros da verdade, caçadores de autenticidade e defensores da tolerância”, mas mesmo assim Oliveira, por ser um universitário, cometeu um "ato imperdoável".

Na resposta ao padre Lombardi, o estudante admitiu ter cometido um equívoco porque a imprensa sensacionalista do Acre “configurou” seu ato como desrespeito para com os cristãos.

“Compreendo que errei. Não no conteúdo de minha crítica, mas na forma”, disse. “Neste ponto, concordo plenamente com o senhor [padre], precisamos buscar outros meios de combate ao fundamentalismo, com diálogo e o respeito mútuo”.

Oliveira disse estar preparado para arcar com as consequências por ter ferido o princípio constitucional de liberdade de crença. Ele estava se referindo ao inquérito que o Ministério Público do Estado do Acre instaurou para apurar se a performance foi uma ofensa aos cristãos.
.
Mas ainda assim o estudante não esperava que, “em pleno século 21”, pudesse ser alvo de uma inquisição. “[Isso] me deixa assustado e me faz pensar que meu ato não foi vazio de razão.”

No Facebook, ele já tinha se defendido da ofensa de um cristão: “Queimei um pedaço de papel, não queimei a sua religião, não matei seu Deus. Não apaguei a sua fé. Um 'ato simbólico' foi transmutado em condenação... Não fui eu que veiculei minha imagem na mídia. Não fiz isso frente às câmeras...”

'É a Bíblia do jovem que estava
 tentando me evangelizar'


Com informação da íntegra de carta de Roberto Oliveira e outras fontes e foto de arquivo pessoal.





Queima de Bíblia por estudante é ato ‘imperdoável’, afirma padre

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...