domingo, 26 de abril de 2015

Papa disse que não julga gay, mas recusa francês como embaixador

Papa tem feito papel de
bonzinho porque diz
uma coisa e faz outra
Em julho de 2013, no começo de seu pontificado, em um avião durante uma viagem em que retornava do Brasil, o papa Francisco (foto), ao responder se havia no Vaticano um “lobby gay”, ele assim respondeu: "Se uma pessoa é gay e busque a Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgar?"

A afirmação teve ampla divulgação porque seria a confirmação de que a Igreja Católica passou a ter, afinal, um papa menos conservador do que Bento 16 em relação aos homossexuais.

Mas agora o que se verifica é que talvez a maior diferença entre Bento 16 e Francisco é que este é um bom marqueteiro, está construindo a imagem de bonzinho, de tolerante, mas na essência é tão conservador quanto o seu antecessor, pelo menos em relação aos homossexuais.

O papa que há dois anos humildemente deixou entendido que não faria julgamento de uma pessoa gay está agora recusou Laurent Stefanini (na foto abaixo), 55, como embaixador da França no Vaticano por ser gay.

Francisco está fazendo o mesmo que Bento 16, que em 2008 teria recusado um homossexual (que adotou o sobrenome do companheiro) para a embaixada da França no Vaticano.

Na época, Bento 16 teria reprovado uma segunda indicação francesa por se tratar de um homem divorciado que tinha se casado de novo.

Em favor da honestidade intelectual de Bento 16, pode-se dizer que ele nunca sugeriu que não julgaria uma pessoa por ser gay.

O papa alemão nunca foi tão popular como é hoje Francisco, mas sempre se sabia que estava falando. Bento 16 não fazia marketing, não posava de bonzinho.

Stefanini tem qualificação 
para cargo, mas é gay
O presidente François Holland está disposto a manter a indicação de Stefanini, reafirmando a laicidade do regime democrático francês.

O ministério das Relações Exteriores afirmou que não se manifesta sobre a vida particular de seus funcionários.

Católico fervoroso, Stefanini tem experiência para ser o embaixador da França no Vaticano. Ele trabalhou na embaixada francesa da Santa Fé entre 2001 e 2005. Depois, foi conselheiro para assuntos religiosos do Ministério das Relações Exteriores.

Ele tem experiência de sobra para ocupar o cargo de embaixador no Vaticano. Mas, ao que parece, para o papa marqueteiro Stefanini não é homem o suficiente, como se na hierarquia da própria Igreja Católica não existissem homossexuais.

Com informações das agências.





Vaticano afasta padre acusado de participar de orgias gays

Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...