Julianne Moore se assume como ateia: 'Não existe um lá'



A atriz Julianne Moore (foto) reafirmou que é ateia. Contou recentemente que deixou de ter fé em Deus em 2009, com a morte de sua mãe. Ela compreendeu, naquela época, que os homens inventaram que há vida após a morte em uma tentativa desesperada de dar sentido a tudo.

Moore é uma atriz consagrada. Entre outros, participou dos filmes A Mão Que Balança o Berço (1992), O Fugitivo (1993), Parque dos Dinossauros: O Mundo Perdido (1997), Psicose (1998), Magnólia (1999), Ensaio Sobre a Cegueira (2008), Carrie: A Estranha (2013) e Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1 (2014). Ela já foi indicada quatro vezes ao Oscar.

Moore disse que
 quem constrói sua
 vida é ela própria
Em uma entrevista ao “Hollywood Repórter”, ela afirmou que, em sua carreira, teve um pouco de sorte, mas quem construiu sua vida foi ela própria.

A artista nasceu no dia 3 de dezembro de 1960 em Fayeteville, na Carolina do Norte, EUA. Foi registrada com o nome de Julie Anne Smith. Ela é casada com o diretor Bart Freundich e tem dois filhos. Na edição 87ª do Oscar, de 2015, ela ganhou o troféu como melhor atriz pelo seu papel no filme Still Alice.

Ao jornal de Hollywood, ela afirmou que não existe “um lá” [mundo sobrenatural].

O que existe são apenas narrativas, geralmente impostas por pessoas que fazem parte de uma estrutura de poder e de interesses, disse.

Afirmou que a ideia de que você é o centro de sua própria narrativa e que pode criar a sua própria vida é maravilhoso.

“Eu tenho muita sorte, mas sinto que criei completamente a minha vida.”

Em 2002, em uma entrevista, Moore já tinha sugerido que é ateia.

Com informação do Atheist Republic e outras fontes.



Humor de Porchat detona o dogmatismo de religiões cristãs