Vaticano nega informações à ONU sobre padres pedófilos

A Santa Sé respondeu que só dá explicação a
países quando há 'procedimento específico'
O Vaticano se negou a dar explicações à ONU sobre o que tem sido feito com os padres que violentam sexualmente crianças, o castigo aplicado, e que quais foram as medidas tomadas para combater esse tipo de crime.

Em janeiro, a conduta do Vaticano em relação à pedofilia de sacerdotes será avalizada em uma reunião em Genebra.

O Vaticano respondeu a um questionário preparatório desse encontro, mas ignorou as indagações sobre pedofilia por entender que esse assunto da Igreja Católica não é de interesse público.

“Não é a prática da Santa Sé revelar informações sobre medidas de disciplina religiosa contra seus membros do clero ou religiosos, de acordo com as lei canônicas”, afirmou o informe do Vaticano entregue à ONU.

A Santa Sé acrescentou que a punição a seus sacerdotes pedófilos só é revelada quando se trata de um caso que envolva processo judicial. Mesmo assim a informação só é revelada quando houver solicitação de um governo do país onde houve a violência. E a solicitação tem de ser feita “pelos procedimentos específicos [Justiça]”.

A recusa do Vaticano em atender à ONU teve forte repercussão na Europa, principalmente porque Francisco, o novo papa, tem afirmado que a sua igreja é mais do povo do que dos cardeais e que a pedofilia será tratada com tolerância zero.

Keith Porteous Wood, da Sociedade Secular Nacional do Reino Unido, afirmou que a atitude da Santa Sé é “uma vergonha por estar minando os esforços da ONU”.

Ele disse que, sob o comando direito de Francisco, a Igreja mantém sob controle as informações sobre a violência sexual praticada pelos sacerdotes.

Afirmou que Roma exige que as dioceses de todo o mundo lhe enviem informes sobre esse tipo de violência, e ali eles ficam trancados em algum armário.

Com informações das agências.





Igreja da Austrália admite que padres abusaram de 600 crianças
setembro de 2012

Padres pedófilos