Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

sábado, 12 de janeiro de 2013

Igreja alemã recua em acordo para apurar casos de pedofilia

por Frédéric Lemaître para Le Monde

Diocese que foi de Ratzinger não
aceitou independência de instituto


Será que um dia saberemos a verdade sobre os atos de pedofilia cometidos durante décadas por representantes da Igreja católica alemã? Desde quarta-feira (9) uma grande dúvida se instalou. A Igreja anunciou ter rompido o contrato que a associava a uma equipe de pesquisadores encarregados de investigar o assunto.

O escândalo veio à tona em janeiro de 2010, quando a direção do prestigioso colégio jesuíta Casinius de Berlim revelou que nos anos 1970-1980 mais de uma centena de jovens haviam sido abusados por dois professores. Desde então, rompeu-se o silêncio e a Igreja católica alemã passou a enfrentar sua pior crise moral desde 1945. Mais de 180 mil fiéis a deixaram, somente no ano de 2010.

Para tentar esclarecer a situação, a Igreja havia decidido no verão de 2010 abrir seus arquivos para uma equipe de investigadores do Instituto de Criminologia da Baixa-Saxônia. Segundo o contrato de pesquisa, ela deveria abrir os arquivos de suas 27 dioceses. Todos os documentos desde 2000 deveriam permanecer acessíveis em 18 dioceses e até mesmo desde 1945 em outras nove. Para garantir o anonimato, somente ex-magistrados aposentados tinham acesso aos arquivos.

Eles tinham por missão torná-los anônimos antes de confiá-los aos pesquisadores. Quanto à restituição dos resultados, foi combinado que a Igreja teria o direito de torná-los públicos e interpretá-los antes que, oito meses mais tarde, os investigadores pudessem por sua vez publicá-los e comentá-los.

Na quarta-feira, a Conferência Episcopal avaliou que "a relação de confiança entre o diretor do Instituto e os bispos alemães havia sido rompida" e que ela estava procurando outra instituição.

O diretor em questão, o professor Christian Pfeiffer, tem outra versão: os bispos, influenciados pela diocese de Munique e de Freising, lhe pediram para submeter suas pesquisas "para aprovação" antes de publicá-las. Essa diocese é conhecida por ter acolhido um padre pedófilo nos anos 1980 que ali perpetrou seus crimes.



Nessa época, o arcebispo era o cardeal Josef Ratzinger, que se tornou Bento 16. O vigário-geral da diocese, no entanto, afirmou que o futuro papa não sabia nada sobre esse caso.

"Quando ouvi rumores a respeito da destruição de certos documentos nas dioceses, escrevi a eles perguntando se era verdade, mas não recebi nenhuma resposta", diz Pfeiffer, "a não ser que o simples fato de eu levantar a questão destruía a confiança necessária".

De 2010 até agora, 25 mil fiéis deixaram a diocese de Ratzinger
junho de 2011

Padres pedófilos

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...