Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Arcebispo defende permanência de ‘Deus’ em notas do real

Odilo Scherer
Dom Scherer diz que descrentes
não deveriam se importar  
Dom Odilo Scherer (foto), arcebispo metropolitano de São Paulo, criticou a ação que o MPF (Ministério Público Federal) enviou à Justiça Federal solicitando a determinação no sentido de que a expressão “Deus seja louvado” deixe de constar nas cédulas do real.

Em nota, Scherer disse: "Questiono por que se deveria tirar a referência a Deus nas notas de real. Qual seria o problema se as notas continuassem com essa alusão a Deus?"

Argumentou que, “para quem não crê em Deus, ter ou não ter essa referência não deveria fazer diferença. E, para quem crê em Deus, isso significa algo”.

O promotor Jefferson Aparecido Dias, autor da ação, defendeu a supressão da expressão porque o Estado brasileiro é laico e, por isso, não pode ter envolvimento com nenhuma religião, mesmo as cristãs, que são professadas pela maioria da população.

Scherer, em sua nota, não fez menção ao Estado laico, que está previsto na Constituição. Ele preferiu ressaltar que os que “creem em Deus também pagam impostos e são a maior parte da população brasileira".

No entendimento de Dias, a expressão “Deus seja louvado” nas cédulas é tão descabida como seriam “Deus não Existe”, 'Alá seja louvado', 'Buda seja louvado', 'Salve Oxossi', e 'Salve Lord Ganesha'.





Com informação das agências.

MPF pede à Justiça que mande tirar do real ‘Deus seja Louvado’
novembro de 2012

Religião no Estado laico

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...