Religião separa até pessoas com afinidades entre si, diz cineasta



O cineasta Matthew Chapman (foto abaixo), disse que a religião mais separa do que une, o que ocorre até mesmo entre pessoas que têm entre si muitas coisas em comum, como judeus e árabes. “Eles comem a mesma comida, vivem na mesma terra, dividem em grande parte os mesmos mares, são mães e pais, têm filhos, e a única coisa a dividi-los é a religião e, em decorrência dela, a disputa por um território”.

Chapman é um britânico radicado há 20 anos nos Estados Unidos. Dirigiu cinco filmes. O mais recente deles, “A Tentação”, que acaba de ser lançado no Brasil, é um thriller filosófico que conta a história de um embate entre um ateu e um cristão fundamentalista.

 Matthew Chapman
Chapman é tataraneto
de Charles Darwin
Casado com a atriz brasileira Denise Dumont, Chapman aparece com frequência ao Rio de Janeiro, onde tem uma casa. Ele afirmou que a tentativa da Rosinha Matheus, quando foi governadora, de implantar o ensino do criacionismo nas escolas públicas serve de um aviso aos brasileiros para que estejam atentos de modo a impedir o avanço do fanatismo religioso no país.

Chapman é tataraneto de Charles Darwin (1809-1882), biólogo que formulou a teoria da evolução.

Ele falou que, no seu tempo de colégio, não se interessa muito pelo seu descendente ilustre porque na Europa a teoria da evolução é aceita praticamente por todos, algo normal.

O cineasta contou que teve de falar de Darwin quando se mudou para os Estados Unidos, onde há “pessoas dizendo ter a Terra 10 mil anos de idade, que Deus criou Adão e Eva e os animais e que houve uma arca de Noé”. “Isso é inacreditável num país sofisticado.”

Chapman disse que dedica parte do seu tempo ao estudo das crenças religiosas e à divulgação da ciência.

No momento, o seu empenho é para que Barack Obama introduza assuntos sobre ciência em seu discurso da campanha de reeleição.



Com informação do G1.

Cineasta faz advertência sobre fanatismo evangélico no Brasil