Hamburgo é a primeira cidade alemã a ter feriados islâmicos

Muçulmanos se
queixaram das
datas cristãs
Hamburgo passou a reconhecer algumas datas como feriados islâmicos, em uma iniciativa pioneira na Alemanha. A partir de 2015, trabalhadores e estudantes muçulmanos terão folga nos dias tido como sagrados pela comunidade islâmica da cidade.

Os muçulmanos estavam reivindicando a adoção desses feriados havia cinco anos com o argumento de que são obrigados a celebrar datas cristãs.

No acordo que fizeram com as autoridades, eles também conseguiram que as escolas públicas passem a dar aula sobre o islã.

As autoridades de Hamburgo esperam que essas medidas estimulem a integração da minoria religiosa na comunidade.

Dos 82 milhões de habitantes da Alemanha, 4 milhões são muçulmanos— metade deles tem cidadania alemã e a maioria se concentra em Hamburgo.

Daniel Abdin, do conselho de comunidades islâmicas de Hamburgo, disse ter a expectativa de que o mesmo ocorra em outras cidades. “Este acordo é um passo importante para o reconhecimento do Islã em nosso país [Alemanha].”

Com informação das agências.





Entidade francesa propõe opção de substituir três feriados cristãos
julho de 2012

Comentários

  1. E eu que ainda tinha algumas esperanças na Alemanha... =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se não há eliminação dos feriados cristãos, pelo menos some à isso os de outras religiões...

      Excluir
    2. Pois é!
      Enquanto alguns países caminham em direção à razão, outros caminham em direção à ignorância.
      Esses alemães...

      Excluir
    3. Retrocesso. Também tinha esperanças na Alemanha

      Excluir
    4. Na Alemanha, como é sabido de todos, há uma imigração muito forte principalmente de turcos. A maioria dos turcos é islâmica. Uma dos segredos da força da economia alemã está justamente na imigração de turcos e outros de religião islâmica. Em tempos de crise na Europa, cada vez mais eles vão afagar o povo de Allah. O maior shopping da Inglaterra e da Europa foi inaugurado recentemente porque o prefeito de Londres cedeu a caprichos dos árabes islâmicos. A GRANA, que possibilitou o investimento na construção do shopping britânico, era ISLÂMICA , não ateia ou cristã. Senão cedesse aos caprichos e exigências dos árabes( donos do dinheiro) o shopping iria para Paris. A Alemanha( laica )pode ser cristã e ter uma população de ateus enorme, mas não é tola, pois,assim como a Inglaterra, está de olho na grana dos povos de Allah!

      Excluir
    5. Na Alemanha, como é sabido de todos, eles engolem qualquer infiltração ideológica no estado em nome de interesses financeiros!

      Heil "quem trouxer prosperidade"! o/

      Excluir
    6. Infelizmente, sim, mas não só lá não. Os caras do petróleo( muçulmanos) e os judeus estão tomando conta dos Estados Unidos também. Abram o olho, pois, essa gente é perigosa. Tolerância? Eles são tolerantes? Tenta entra lá pra vê! Nem tudo é business, essa gente é um perigo. Essa turma é igual aos evangélicos daqui, o governo deu espaço agora eles estão querendo tomar o poder. Portanto, muito cuidado, nem tudo é dinheiro. Eu nunca gostei dessa invasão de turcos e árabes muçulmanos na França, Holanda, Bélgica, Itália e Alemanha. É um perigo. Enquanto isso, para minha surpresa, nos EUA o presidente Obama está cometendo o mesmo erro de abrigar essa gente só de olho nas eleições regularizando imigrantes islâmicos aos montes para agradar os poderosos dos Emirados Árabes( os donos do petróleo e do dinheiro ). Depois não reclamem. Essa gente é perigosa.

      Excluir
  2. Eles estão no direito deles, num estado laico e democrático só ha duas opções cabiveis: ou permitimos feriados religiosos para todas as religiões sem exceções, ou eliminamos todos eles para que não haja favorecimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sendo assim, já que escolheram a sacralização oficial dos dias do ano, então logo o país deverá ter mais feriados que dias úteis, não é? A não ser que o estado resolva favorecer apenas algumas religiões... será que não farão isso???

      Excluir
    2. É justamente isso o que estão fazendo. Favorecendo algumas religiões, notadamente as mais endinheiradas, claro.

      Excluir
    3. Triste ver um país tão promissor em relação aos direitos humanos, regredindo e mergulhando no lamaçal sectário obscurantista.

      Excluir
  3. Queria saber o que os cristãos acham disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então seria uma boa instituir o feriado do aniversário de uma cidade em outra??? (Tipo, aniversário de SP na BA?). Pq foi assim q entendi a matéria (colocando feriados religiosos num país q não o segue)...

      No meu ver, poderia ou extinguir ou, sendo mais calmo, deixar todos os feriados como facultativos (mas quem QUISER trabalhar no feriado, ganha uma remuneração extra).

      Excluir
    2. Seria uma forma boa e inteligente de promover SP na BA e atrair investimentos paulistas para o estado baiano. Porque a rigor a questão( intenção ) é essa.

      Excluir
    3. A intenção do governo pode ser financeira, mas a intenção dos religiosos é IDEOLÓGICA!

      Um feriado é um poderosíssimo símbolo da ideologia religiosa, e só os mais incautos acreditam que "não há nada demais" na implantação coletiva de um símbolo ideológico (ainda mais ideologia religiosa, que é extremamente sectarista).

      Excluir
  4. E os cruzados se reviram na sepultura... reconquistadores choram no inferno... camões clama por pena e papel.

    ResponderExcluir
  5. Eu dei minha opinião sobre isso aqui,
    http://ddimensoes.blogspot.com/2012/08/hamburgo-no-caminho-certo.html

    ResponderExcluir
  6. Vai bombar isto dai!

    ResponderExcluir
  7. No Brasil não faria muita diferença. Brasileiro gosta mesmo de feriado pra tirar folga. Às vezes nem sabe que feriado é!

    ResponderExcluir
  8. É cristãos lá pelo lado deles não tem a mesma sorte.

    ResponderExcluir
  9. Isso é fruto de imigração. Invasão islâmica. Sinal amarelo para a Alemanha. Fechas as fronteiras enquanto é tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em vez da Alemanha optar pela laicidade e estancar as participações religiosas nos assuntos estatais, eles resolveram seguir pelo caminho das fusões entre religião e estado...

      Eu não imaginava que a Alemanha cometeria um retrocesso desse, rumo à Idade das Trevas!

      Excluir
    2. Se a Alemanha "topa tudo por dinheiro", então podemos considerar até mesmo a possibilidade de retorno do Nazismo, com o surgimento de um novo Hitler e tudo mais. Pensei que eles tinham aprendido a lição, mas estão demostrando claramente que não aprenderam e que estariam dispostos a fazer tudo novamente se "necessário" for!

      Na Alemanha, os fins justificam os meios!

      Excluir
    3. Neste caso, não se iluda, os motivos são econômicos. Pense: Europa em crise de um lado, e investimentos árabes islâmicos tentadores do outro.Vamos ceder às pressões para afagar-lhes o ego.Este é o pensamento da cidade de Hamburgo e por extensão dos alemães de todo país. Entra muito dinheiro de muçulmanos lá, e agora com a crise eles querem que entre muito mais. Não tem outro jeito a não ser sacrificando a laicidade do Estado para ser atraente aos olhos islâmicos. Não é só a Alemanha que está nessa, mas toda a Europa.

      Excluir
    4. Estão trilhando novamente o caminho Nazista, onde por interesses econômicos e paixão religiosa foram aceitando os dogmas e a ideologia daquele partido! Melhor o resto do mundo ficar de olhos bem abertos!

      Excluir
  10. Manda essa gente embora... Com a taxa de desemprego ocorrido devido a crise.. Tem mais e que mandar embora esses imigrantes dai....cede nao... Eles saem da miseria do pais deles para imigrar em outros paises desenvolvidos .. Mais levam consigo a miseria da cultura deles... podre por sinal..

    ResponderExcluir
  11. Mas a solução não seria adotar apenas feriados laicos? Se formos atender todas as denominações, ninguém trabalha mais! Enquanto para os muçulmanos e judeus o porco é um animal impuro, para os hinduístas e jainistas é um animal sagrado. As crenças são mutualmente antagônicas - se formos atender somente os crentes que mostrarem os dentes mais afiados, estaremos estimulando a violência como forma de se impor o credo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente.
      Muito bom o seu comentário!
      O povo alemão está caindo na mesma cilada do passado. Escolheram o caminho errado, de novo...

      Excluir
    2. Eu também acho, mas, infelizmente, nesse mundo capitalista o dinheiro fala mais alto!

      Excluir
  12. Isso ainda vai der merda.

    ResponderExcluir
  13. Sou brasileiro, ateu, descendente de alemão, moro na Alemanha há alguns anos e tenho muitos/ótimos amigos muçulmanos.

    Primeiro que é ridículo falarem de um novo nazismo, típico comentário de quem não conhece a realidade atual da Alemanha e fica se apegando a fatos do passado, clichês e aulinha de história da época da escola.

    Como ditos por muitos, o motivo é financeiro. Existem muitos muçulmanos pobres na Alemanha, mas por outro lado existem os extremamente ricos que querem vir para cá e investir aqui. Com isso o governo alemão usa a velha desculpa de que a Alemanha deve ao mundo, que tem que ser um país extremamente tolerante justamente devido ao seu passado negro e com isso compromete a cultura e identidade (entre outras coisas) do país. Mas isso é apenas uma desculpa que o governo dá implicitamente ao povo alemão e que serve de fachada pros verdadeiros motivos financeiros e interesses pessoais dos políticos. Então parem de falar de novo nazismo, a Alemanha é um outro país, é uma outra época, outra geração e como eu disse, o nazismo é justamente usado (e reusado) pra justificar algumas cagadas do governo atual.


    Sou contra os feriados muçulmanos por 2 motivos básicos:

    1) Não faz parte das raízes, passado e cultura do país.

    2) De acordo com os dados da reportagem, os 2 milhões de muçulmanos com passaporte alemão representam apenas 2.5% da população, isto é, apenas uma minoria.

    Não sou contra os feriados religiosos já existentes, pois eles sim fazem parte da cultura e passado do país, independente de serem religiosos ou não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falácia de patriotinha revoltado!

      Primeiro tentou desqualificar as críticas a quem está vendo a possibilidade de um novo Nazismo despontar no horizonte, porém, não usou nenhum fundamento lógico pra tentar essa desqualificação, além de um discurso raso de que "a Alemanha é um outro país, em outra época e outra geração", mas... E DAÍ??? Os mesmos erros podem se repetir e os INDÍCIOS são super evidentes! Só não vê quem quer se fazer de cego por puro puxa-saquismo patriotário!

      Segundo, apontou que é contra os feriados da religião muçulmana tão somente por que isso "não faz parte das raízes, passado e cultura do país", ora, que belíssimo argumento, não? Logo, o Nazismo FAZ PARTE das raízes, passado e cultura do país, portanto, imagino que você deva ser a favor de seu retorno, o que explica a sua tentativa de tentar afastar as preocupações daqueles que não desejam isso! Aliás, seu segundo motivo para ser contra (por que são "apenas uma minoria") demonstra bem a sua linha ideológica bem ao estilo de "democracia é a ditadura da maioria".

      Provavelmente sustenta essas falácias direitosas para "não ser muito mal visto" pelos conservadores alemães, já que para eles não passas de um reles imigrante tupiniquim...

      Excluir
    2. O cara justifica que minorias não devem ter vez na sociedade simplesmente por serem minorias. Cheirinho de Hitler no ar!

      Excluir
    3. Essa história de preservar "raízes e cultura do país" e também desprezar minorias é discurso nazista!

      Excluir
    4. Eu sou o Anônimo 1 que começou o tópico.

      Anônimo 2, primeiramente... muito infeliz a forma deprevativa que você usou a palavra "tupiniquim". Se você conhecesse a história desse povo, se tivesse visitado a aldeia deles como eu, se soubesse o que aconteceu/acontece com eles, sem dúvida você NUNCA mais usaria essa expressão! Fica a dica pra excluí-la de seu léxico. E foi até um tanto quanto irônico você querer me criticar sobre esse assunto quando ao mesmo tempo tratou (mesmo sem querer) um povo de uma história, raízes e cultura linda como os Tupiniquins como algo tão baixo e sem valor.

      Desqualifiquei as críticas porque ninguém deu um motivo sequer pra elas terem cabimento no momento atual da Alemanha e do mundo em geral. Não é só porque alguém faz uma crítica, que ela deve ser válida pelo simples fato de ser uma crítica. Você por exemplo: Quantos alemães você conhece? Quantos debates sobre o assunto você já acompanhou? Com quantas pessoas você já debateu sobre isso? Você acompanha regularmente o que acontece na Alemanha pra poder afirmar algo sobre esse país? Você sequer fala alemão pra tentar entender o que se passa na cabeça dos alemães ou pra ao menos ler algo dito pelas pessoas/mídias daqui? Arrisco dizer que esta foi a primeira vez que você leu algo do assunto e que este foi o seu primeiro comentário.

      O que eu vejo aqui é o típico preconceito sem nexo de brasileiros com outros brasileiros que vivem fora do país. E que adoram soltar frases de efeito e dar opiniões e criticar sem saber nada do assunto. Se saio do país, sou criticado por não merecer ser brasileiro/nacionalista... se defendo algum país, sou criticado por ser patriota/nacionalista! Falei por querer em cima que sou descendente de alemão e vim morar aqui, pois eu tinha certeza que eu já seria julgado ali na primeira frase independente do que eu escrevesse abaixo. Depois disso apenas pinçaram palavras no meio do meu comentário, distorceram e ignoraram todo o sentido real dele (contra o governo alemão que só está visando o lado financeiro e cagando para a cultura do país).

      Eu apenas defendi que a cultura de um povo deve ser preservada, independente de qual seja. Por acaso foi sobre o povo alemão, da Alemanha, que é um país, do qual sou descendente, e vim morar nesse país... ah, então isso é ser patriota? Ou ser nacionalista da forma negativa que foi expressa aqui por vocês? Claro que não! Toda cultura do mundo deve ser preservada, senão em poucas décadas o mundo vai ser um lugar homogêneo, sem graça, sem valor real e o pior, totalmente controlado por motivos financeiros. É exatamente isso que acontece atualmente através da música, moda, filmes, alimentação, etc. Sabia que no mundo existem atualmente em torno de 6000 línguas/dialetos e em menos de 100 anos vão haver apenas 3000? Isso é só um pequeno exemplo de como as culturas desaparecem tão facilmente, principalmente nos últimos séculos. Se um povo imigra e depois de décadas (normalmente séculos!) a cultura deles seja integrada/absorvida nessa nova região, sem dúvida ela passa a fazer parte da história desse (novo) povo. E não sendo empurrada guela abaixo pelos capitalistas (os que estão cagando pra cultura), então eu vou ser sempre contra! Infelizmente o que geralmente aconteceu no mundo foi isso, um povo sendo pressionado a aceitar uma cultura, pelos mais diversos motivos e interesses. E é exatamente isso que é esse feriado muçulmano em Hamburgo. Criado apenas por motivos financeiros e sem fundamento. Aliás, a maioria dos meus amigos muçulmanos que conversei sobre isso são totalmente contra esse feriado.

      Excluir
    5. Vou inverter a situação só pra você poder enxergar melhor: com o crescimento do Brasil, está aumentando o número de estrangeiros ai... portugueses, chineses, angolanos, nigerianos, bolívianos, etc. Então só por isso em algumas décadas já devem ser criados feriados chineses no Brasil? Principalmente por causa dos acordos finaceiros entre Brasil-China?! Não tem nada a ver! Compreendeu agora?

      E você nem sabe qual a minha posição, o que eu faço da vida, o que faço aqui na Alemanha e o quão integrado na sociedade estou ou não. Só pra te dar uma vaga ideia de algumas atividades que faço de forma voluntária, sou membro de um grupo de integração de estrangeiros e sou diretor de um outro grupo também de estrangeiros para divulgação da cultura.

      E só pra te corrigir, o nazismo NAO faz parte das raízes e tão pouco da cultura da Alemanha! Foi um período curto e sombrio no passado do país. Tenha mais cuidado antes de escrever algo assim, pois quem lê, pensa que você vê alguma cultura naquele lixo. Só porque defendi que a cultura (obviamente a cultura positiva, a verdadeira cultura, no mais profundo e bonito significado da palavra) de um país deve ser preservada e que, por acaso, esse país seja a Alemanha e que eu seja descendente alemão, vocês tentaram desesperadamente me crucificar.



      Anônimo 3, em nenhum momento eu disse que as minorias não devem ter vez na sociedade! Você distorceu completamente o meu comentário, que foi feito específicamente para o tema de ser criado um feriado totalmente sem cabimento em país para um pequeno grupo de pessoas que chegaram há poucas décadas e ainda não exerceram uma influência significativa no novo país que vivem.



      Anônimo 4, vai ouvir música pop americana e comer no Mc Donald. E não desprezei minorias, lê o que escrevi pro seu amigo Anônimo 3.



      Anônimos anti-muçulmanos em geral,
      quanta ignorância! Criticam os muçulmanos e a religão deles sem nem saber realmente algo sobre ela e sem provavelmente conhecer um muçulmano sequer! Realmente não enxergam o quão absurdo é agir assim?! Rasgam comentários agressivos sem nem saber nada. Podem ser preconceituosos à vontade, não posso fazer nada contra isso, mas por favor não propaguem isso através de comentários assim... guarde-os apenas para vocês.



      Anônimos que fizeram comentários contra o governo alemão que só pensa no lado financeiro, PARABÉNS! Vocês sim são pessoas bem informadas e sabem do que estão falando.

      Excluir
  14. Morro de medo dessa religião.

    ResponderExcluir

Postar um comentário