Vicente e Soraya falam do peso que é ter o nome Abdelmassih

por Cristiane Segatto
para Época

Filhos adotivos, Vicente e Soraya
  afirmam que eram tratados por 
Abdelmassih como funcionários
Onde está Roger Abdelmassih? O Brasil inteiro gostaria de saber. Condenado a 278 anos de prisão por crimes sexuais contra 39 pacientes, o ex-médico está foragido desde janeiro de 2011. Gostaria de saber onde ele anda, mas minha curiosidade sempre foi além. Desde que Roger desapareceu, me perguntava como estaria vivendo a família. O que o escândalo teria provocado na vida dos filhos e dos netos? O que significa carregar o sobrenome Abdelmassih? Como é viver diante de um constante julgamento social por descender de um foragido da Justiça?

Nas últimas semanas, pude ver essas perguntas respondidas. Numa longa entrevista, a bióloga Soraya e o médico Vicente, filhos de Roger que trabalhavam com ele na clínica, declararam muito mais do que esperava ouvir.

Soraya, 44 anos, e Vicente, 43 anos, são filhos da segunda mulher de Roger. Foram criados por ele e adotados quando já eram adultos. Trabalharam para o pai (“éramos tratados como funcionários”, diz Soraya) desde o tempo em que Roger tinha uma clínica modesta, apenas para tratar infertilidade masculina, na Avenida Brigadeiro Luís Antônio.

A filha era secretária. Só mais tarde estudaria biologia e se tornaria uma peça central no laboratório da clínica de reprodução humana.Vicente foi o responsável por várias inovações adotadas por Roger. Eles dizem que nunca receberam o devido reconhecimento do pai.

Depois do escândalo, tentam reconstruir a carreira na clínica Embryo Fetus, do especialista em medicina fetal Sang Cha. Trabalham na Avenida Brasil, a poucos metros do casarão imponente que foi palco de um dos mais sórdidos episódios da história da medicina brasileira.

Eles dizem que metade das clientes veio da antiga clínica porque confiam neles, mas o movimento caiu expressivamente. Na clínica de Roger, faziam 100 ciclos de fertilização por mês. Agora, fazem 15. Recomeçar não está sendo fácil.

O escândalo

Soraya: O que aconteceu foi uma decepção muito grande. Pessoalmente, familiarmente, profissionalmente. Cada vez que sai uma notícia, parece que estão nos esfaqueando. Os netos o idolatravam e, de repente, viram isso tudo. Eu e meus colegas nunca vimos nada que sugerisse abuso ou estupro. Às vezes eram dez pessoas trabalhando na sala onde ficava a paciente. Mas se tanta gente o acusa de tanta coisa, não posso acreditar que nada aconteceu. Minha decepção é pensar que ele fez tudo aquilo no lugar onde eu e meu irmão dávamos nosso sangue.

Soraya: Quando uma bomba é publicada fico chateada. A cada notícia, exibem todo o histórico dele: estuprador, ex-médico. A gente encontra forças e vai levando. Nossa preocupação maior é com os filhos.

Vicente: Se meu pai fez aquilo tudo, tem que pagar. Vai ficar foragido até quando? Falei com ele a última vez no Natal de 2010. Disse pra ele não fazer nenhuma loucura. Não concordo com a fuga. Ele deveria se entregar e seguir o caminho dos recursos. Fazer o que a lei manda.

O pai

Soraya: Nunca pude bater nas costas dele e dizer: “E aí, pai? Tudo bem?”. Havia sempre um obstáculo. Era sempre tenso. Meu relacionamento com ele nunca foi de filha e pai. Sempre foi de funcionária e patrão. De certa forma, tudo que aconteceu foi uma libertação para mim. Se o escândalo não tivesse me deixado numa situação financeira tão difícil...

Soraya: Depois que tudo aconteceu, ele disse que já havia feito muito por nós. Disse que tinha pago escola, nos dado educação. Como se isso não fosse obrigação de qualquer pai... Como mãe, faço tudo pelos meus filhos.

Vicente: A lei da vida é esta: o homem casa com a mulher, tem os filhos e trabalha para educá-los. Mas meu pai achava que fez algo demais. É inacreditável.

Soraya: Meu pai tratava mal todos os filhos. Inclusive minhas irmãs, que são filhas biológicas dele (Juliana, Mirela e Karime são filhas de Roger com a mãe de Soraya e Vicente, Sonia Abdelmassih). A minha situação era mais complicada porque fui cobaia. Era a primeira. Quando minha mãe se casou com ele eu já tinha 10 anos. Tinha que ver meu pai biológico sem que o Roger soubesse. Se soubesse, ficava bravo. Era um martírio. Minha mãe ficava sob fogo cruzado. Minha vida era um inferno por causa da possessão, da rigidez dele.

Soraya: Quando meu pai ligava para saber da gente, o Roger fazia cara feia. Começava uma briga no jantar. Roger era um homem que, de repente, tinha uma filha de 10 anos nas mãos e nunca soube ser pai.

Soraya: Minha mãe ficava desesperada. Queria que o casamento desse certo. Amava o Roger. No almoço e no jantar, sempre tinha alguém ouvindo sermão. Mesmo depois de casada. Saíamos para jantar, e ele pegava no meu pé ou no do Vicente ou no dos meus ex-maridos. Sempre tinha um climão.

A mãe

Soraya: Minha mãe morreu em agosto de 2008, depois de sete anos de luta contra um câncer de mama. Foi um sofrimento muito grande. A metástase surgiu em 2005. Atingiu fígado, osso, pulmão. No final, o corpo inteiro. A primeira denúncia contra meu pai apareceu no jornal em janeiro de 2009. Em agosto, ele foi preso.

Vicente: Graças a Deus, minha mãe não viu nada disso. Ela sofreu por outras coisas, mas não por isso.

Soraya: Minha mãe era uma mulher fenomenal. Uma mulher simples, de coração bom. Sempre batalhou. Era uma leoa para os filhos. Em casa, sempre havia um climão. Meu pai brigava com os filhos por qualquer coisa. Ela ficava no meio, tentando nos proteger. Ela sabia que eu trabalhava com ele, tomava bronca o dia inteiro, e depois ainda tinha que sentar com ele no almoço de domingo.

O comportamento

Soraya: Eu e meu pai vivíamos tendo atrito no trabalho. Ele não falava palavrão. Era mais pesado que isso. Fazia caretas, mordia os lábios quando estava com raiva. Isso me arrebentava. Tinha mania de aparecer. Adorava isso. Eu e o Vicente não precisamos disso. Aqui na nova clínica o que interessa é a paciente ficar satisfeita e contar para as outras. O que vale é o boca a boca, o resultado da paciente. O Vicente é o oposto de meu pai. Odeia aparecer.

Soraya: Do mesmo jeito que muita gente se pergunta “como é que pode?”, a gente também se pergunta. Quando minha mãe faleceu, aí mudou tudo. Tinha acabado de morrer a mulher que era o vínculo de tudo. Nós e os netos tivemos que aceitar a nova mulher dele (Roger tem um casal de gêmeos de um ano com a procuradora Larissa Sacco) dentro da casa da minha mãe. Pouquíssimo tempo depois da morte dela.

Deve ser amor mesmo porque dinheiro agora ele não tem.

A ostentação

Soraya: O que mais o prejudicou foi a arrogância. As pacientes o descreviam como um cara arrogante. Ele era assim. Brigava com todo mundo, ostentava. Hoje não frequento mais os restaurantes que costumávamos frequentar, mas já vi maitres e garçons falando dele e chorando. Dava muitas gorjetas. Não sei por que fazia isso. Acho que pensava que assim seria bem tratado nos lugares.

Soraya: Para algumas pacientes, ele fazia alguns ciclos de inseminação de graça. O Roger ajudou um cadeirante que pedia dinheiro perto da clínica a comprar uma casa. Deve ter dado uns R$ 10 mil para o rapaz terminar de construir ou pagar uma casinha. Para ele, é Deus no céu e o Roger na Terra. É estranho, mas muita gente acha que ele foi um homem bom.

A clínica

Soraya: Meu pai sempre nos tratou como funcionários. Exigia muito. Cobrava mais da gente que dos outros empregados. Nunca tivemos regalia alguma. Ele nunca pensou na clínica como uma empresa familiar. Nunca pensou em fazer sucessores. Isso o matava.

Vicente: Comecei a fazer a transferência de embrião guiada por ultrasson. O Roger não fazia assim. Hoje todo mundo faz. Os meus resultados eram melhores. Isso depois de quatro anos que estava trabalhando. Antes ele não me deixava fazer nada. Eu só podia fazer ultrassom nas pacientes. Os médicos da área acham que o Roger não queria que ninguém crescesse.

Soraya: O Roger não queria que ninguém brilhasse mais que ele. Esse era o medo.

Vicente: Tive minha própria clínica durante um tempo. Queria sair da barra da saia dele. Resolvi montar uma clínica com a mesma capacidade técnica, mas com preços mais baixos, para outro público. O Roger dizia para eu ficar na clínica dele até o meio-dia e depois ir para a minha. Concordei, mas nunca conseguia sair nessa hora. Chegava na minha clínica às 18 horas. Ele me chamava para a clínica dele quando eu estava na minha.

Vicente: O Roger poderia ter parado de trabalhar cinco anos antes. Tinha outros médicos lá capazes de tocar o negócio. Mas não. Era centralizador. Não deixava ninguém crescer.

O dinheiro

Soraya: Nunca soubemos nada sobre o dinheiro dele. Ele não contava nada para os filhos. Tinha aquele “x” no final do mês que era o nosso salário. Ganhávamos um pouco mais que os salários do mercado. Faz tempo que não falamos com os advogados do meu pai. Não sei quem está pagando. Nós não somos.

Soraya: É tão estranho um filho não saber nada sobre a vida do pai, sobre os bens que ele têm. Não sabemos. Nunca nos deixou participar de nada. Ele escondia e se protegia inclusive da gente. Sei que a fazenda ele perdeu. O imóvel da clínica era alugado. Sobrou só a casa, única coisa que minha mãe deixou para os cinco filhos.

Vicente: A intimidade entre pai e filhos faltou. Muita gente acha que ele deve ter muito dinheiro no Exterior. Nunca fiquei sabendo de nada.

Soraya: Tinha um barco e perdeu. O que ele tinha ele perdeu.

Vicente: Nem o barco era dele. Ele pagava por mês. Só a partir de 2005 teve uma casa própria. Antes sempre foi alugada. Quando eu dizia que queria comprar um apartamento, ele respondeu que eu estava maluco. Sempre achou mais vantajoso alugar as coisas. Comprei um apartamento de 100 metros quadrados na Vila Olímpia. Iam começar a construir e ia pagar em 30 meses. Dei a notícia num jantar. Ele achou um absurdo. Depois disso, minha mãe o forçou a dar entrada num apartamento para cada filha e assumir as prestações do meu.

O caos financeiro

Vicente: Quando as denúncias começaram, ele começou a ficar cheio de dívidas. Todas as dívidas pequenas somadas, sem a receita da clínica, ficaram volumosas e ele começou a pedir os apartamentos das filhas para pagá-las. Todos os apartamentos foram consumidos pelas dívidas, menos o meu. Paguei um tempo e vendi o imóvel antes delas.

Soraya: Tudo foi muito custoso na nossa vida. Com a separação da minha mãe do primeiro marido (o ator Marco Ghilardi, pai de Soraya e Vicente, morreu de infarto aos 43 anos), às vezes faltava até o que comer em casa. Eu e o Vi batalhamos muito e, por isso, somos muito unidos.

Soraya: Sou separada. Tive dois casamentos. Meus ex-maridos são ótimos pais. Eles ajudam, pagam escola, são boas pessoas. Moro num apartamento de 200 metros no Real Parque com os quatro filhos. Estou pagando financiamento de 30 anos com grande dificuldade. Estar recomeçando aqui na clínica do Dr. Sang, sem pressão, é muito bom.

Soraya: Quem acha que pode cobrar dívidas da gente pode fazer o que quiser. Pode procurar em banco, em qualquer coisa que eu tenha. Não tem uma madrugada que não acordo pensando como vou fazer para pagar minhas contas no dia seguinte.

Soraya: Além de trabalhar aqui, eu, minha cunhada e minha filha mais velha montamos uma confecção. Vendemos camiseta, homewear. É só no boca a boca, sem loja. A gente deixa uma mala com as roupas e depois pega.

Íntegra da entrevista com Vicente e Roger

Roger Abdelmassih está foragido há um ano e sete meses. Nunca mais tiveram contato com ele?

Soraya – Nunca. Nem queremos.

Vicente – Falei com ele por telefone pela última vez no Natal de 2010. Ele disse que sumiria se tivesse de voltar para a cadeia (Roger ficou preso durante quatro meses). Não concordo. Deveria se entregar, seguir o caminho de recursos. Seguir o que a lei manda. Avisei que, se fugisse, eu não queria ter mais nenhum contato. Para mim, acabou.

Soraya – Ele não podia ter nos deixado como deixou. O Vicente tinha 1% da clínica. Meu pai o colocou como sócio para constituir outro tipo de empresa e pagar menos taxas. Fez questão de colocar uma cláusula que determinava que o Vicente não teria nenhum poder de administração. Sempre fomos tratados como funcionários. Ele deixou dívidas e processos trabalhistas, e a Justiça vem atrás de nós.

Onde ele pode estar?

Soraya – Ouvi dizer que estava num resort no Recife. E também que estaria no Líbano, comprando numa loja de grife. É bem típico dele. Acho difícil. Todo mundo sabe, e a polícia não sabe? Se ele se entregasse, aliviaria alguns dos meus sentimentos. Queria que ele cumprisse com a responsabilidade. Que desse a cara a bater como nós estamos. Nós e nossos filhos estamos cumprindo a pena no lugar dele. Somos insultados e nossas contas bancárias são bloqueadas. Não perdoo o que ele fez com a família.

É difícil acreditar que Abdelmassih nunca mais tenha procurado os filhos...

Soraya – As pessoas precisam entender que essa coisa de preocupação, de presença, de paternal nunca existiu. Não posso dizer que senti um alívio com a ausência dele, porque o escândalo me causou muitos problemas. Mas me sinto livre da pressão e da convivência difícil.

Vicente, o senhor tem um filho de 12 anos chamado Roger Abdelmassih Neto. Ele sofre agressões?

Vicente – Foi um pedido da minha mãe. Tenho mais esse problema para administrar.

Soraya – Quando o garoto nasceu, meu pai disse para minha cunhada: “Esse menino está carregando meu nome. Olha a responsabilidade que ele vai ter, hein?”.

Vicente – Um dia meu filho estava jogando futebol e disseram para ele ir procurar o vovô estuprador. Não quer falar sobre isso. É como se ele se ausentasse. Pensei em mudar o nome. Acrescentar o Ghilardi, sobrenome do meu pai biológico. Meu filho não quis. No Facebook, insultaram minha filha. Numa aula de atualidades, uma colega fez questão de levar o jornal com as notícias sobre meu pai.

Vocês sabiam do que acontecia na clínica?

Soraya – Nunca vi nada que sugerisse abuso ou estupro. Não tenho condições de julgar. Se tanta gente o acusa de tanta coisa, não posso acreditar que nada aconteceu. No centro cirúrgico, sempre havia vários profissionais com a paciente.


Mas ele tinha a chance de ficar sozinho com a paciente...

Soraya – Sim. Poderia entrar no quarto e ficar sozinho com ela, mas essa não era a rotina. Às vezes eu via uma paciente que chegava mais arrumada, de vestidinho decotado. Achava estranho, mas nunca vi nada além disso.

Como era o Roger pai?

Soraya – Rígido. Podava, ameaçava. Quando era criança, ele brigava comigo e depois dizia que ia falar para minhas irmãs não conversarem mais comigo (Juliana, Mirela e Karime são filhas de Roger com a mãe de Soraya e Vicente). Era o mesmo comportamento com todos os filhos. Não batia, fazia jogo psicológico. Uma vez me proibiu de sair do quarto durante um mês porque fiquei de recuperação na escola.

Vicente – Ele não sabia ser pai. Talvez agora esteja passando por um curso intensivo se estiver vivendo num lugar pequeno com gêmeos de 1 ano (em 2011, Roger teve um casal de gêmeos com a procuradora Larissa Sacco).

Vocês acham que ele tem alguma doença psiquiátrica?

Vicente – Não sei.

Soraya – Essa pergunta é difícil. Não sei. Na época do escândalo, li o livro Mentes perigosas, da psiquiatra Ana Beatriz Barbosa. Não que eu o esteja chamando de psicopata, mas comecei a entender o comportamento dele. Muitas coisas encaixavam. Se tivesse lido esse livro aos 13 anos, talvez tivesse compreendido muitas coisas.

O que encaixava?

Soraya – A falta de remorso. Aquele jeito de ele fazer as coisas e depois achar que não fez nada. Não tinha remorso algum. Foram várias condutas inadequadas com os filhos e com a mulher. Ao final da vida de minha mãe (Sonia Abdelmassih morreu de câncer em 2008, antes do escândalo), ele poderia ter estado mais presente. Só pensava em trabalho. Saí de casa aos 16 anos e fui morar com meu pai biológico (o ator Marco Ghilardi morreu poucos meses depois, de infarto, aos 43 anos). Minha vida com o Roger era um inferno por causa da possessão, da rigidez dele.

Alguma vez ele abusou sexualmente de você?

Não. Deus me livre.

Vocês estão passando por dificuldades financeiras?

Soraya – Estou com tudo bloqueado. Antes do escândalo, meu pai pediu para ser avalista de um empréstimo e assinei. Ele não está pagando. Há duas semanas, bloquearam R$ 2 mil que eu tinha na conta. Não posso dar cheque. Meu nome está no Serasa. Meu condomínio está atrasado.

Onde está o dinheiro do seu pai?

Soraya – Nunca usufruímos o dinheiro e ele não nos contava nada. O casarão da clínica era alugado. A fazenda ele perdeu. Quando bloqueiam nossos bens, não temos nada dele para indicar para a Justiça. Sobrou a casa, única coisa que minha mãe deixou para os cinco filhos.

Vicente – Quando estava preso, ele me pediu R$ 400 mil. Acho que era para pagar advogados. Respondi que não podia dar. Só tenho meu apartamento. Ele ficou bravo.

O casal de gêmeos que ele teve no ano passado foi gerado naturalmente?

Não sei. Nós não fizemos.

A mãe das crianças se envolveu com ele depois do escândalo?

Não sabemos quando foi o primeiro envolvimento, mas ela apareceu mais fixamente com ele em janeiro de 2009, logo depois da bomba. Nem Freud explica.

Vicente – Nesse caso, o amor não é apenas cego. É cego, surdo e mudo.





Médico acusado de estupros é condenado a 278 anos de prisão
novembro de 2010

Caso Roger Abdelmassih.


Comentários

  1. Acho tão engraçado estes 2 , a vida inteira tiveram um vidão , eles eram uns nada ate serem adotados por ele . Tiveram tudo que queriam , desde oportunidade de estudos a bons trabalhos ( proporcionado por ele ) tiveram carros caros , viagens , aptos e tudo mais que eles quiseram . Agora que o dinheiro faltou , metem o pau . Sao uns ingratos . Alias , os 5 irmãos .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ingratos? Descobrem que tem um pai canalha e estuprador que os deixou endividados e eles que são os errados? Vai ver , vc é o próprio Roger!

      Excluir
    2. Concordo com sua postagem e percepção, fala de pai foragido!

      Excluir
  2. Parabéns pela coragem!!! Há pesos que só percebemos depois que deles nos livramos. Só quem viveu dia a dia sabe como ele tratava a família e os funcionários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. são iguais ao padrasto, vi isso de perto

      Excluir
    2. Vc não sabe o que fala... eles são muito diferentes, também vi de perto.

      Excluir
    3. Iguais, safados como ele

      Excluir
  3. Parabens Roger e familia. Acho que todos entenderam que ele foi um otimo pai e que nao adianta pedir a indenizacao desta familia.

    ResponderExcluir
  4. nem todos...nos vitimas não entendemos como ele esta solto!quanto aos filhos ...não seis se sabiam..mas a soraya sabia muita coisa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como Papai Noel existe e deu para ele um habeas corpus na véspera do Natal (um foge canalha!). É evidente que a família não sabia de nada, hahahahahahahaha! Papai Noel encarcera ele! Vou colocar meu sapatinho na janela, aliás, um para cada médico e biomédicos responsáveis pela tragédia que aconteceu com meu filho!!!

      Excluir
  5. soraya...vc deu até o telefone da minha casa para sua mãe .Ela me ligou pois tinha ciumes do seu pai...eu estava na clinica me tratando ,e seu pai abusou de mim.Nunca entendi porque sua mãe me ligou xingando...nunca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente ela sabia muito bem com quem dividia a cama!

      Excluir
  6. Acredito que sua familia sabia quem era o ex médico foragido, quem esteve lá em tratamento viu o clima de terror , de algo sério e errado que acontecia ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o ser aí de baixo diz que trabalhou na clínica, só se for em outra

      Excluir
  7. Não teve o clima de terror, ou algo serio e errado que acontecia... trabalhei na clinica por 2 anos, nunca gostei do Roger que era muito rígido e exigente demais com os funcionários...isso sim crio um clima do estresse....
    Os médicos eram sérios, boas e também muito mal tratados pelo Roger... Creio que família sabia sobre abusos do Roger.. foi estilo dele.. nos, funcionários, sofremos dos abusos morais... agora trabalho na outra clinica um pouco melhor, mas o dono é o dono...

    ResponderExcluir
  8. Os filhos não podem ser responsabilizados pelos erros dos pais! Além do que, o Dr. Vicente sempre me pareceu um profissional ético, competente, seguro e esclarecedor. Fico feliz por ele estar trilhando o seu recomeço profissional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também concordo!! Um ótimo profissional. Não tem culpa pelo erro pai.

      Excluir
    2. nao se pode esconder que foram muitos erros na clínica, não foram poucos e eles sao culpados

      Excluir
  9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  10. Independente das pendências judiciais referentes a outra clínica (que devem ser julgadas tb pelas instâncias superiores), é inegavel q as fivetes com maior complexidade buscavam seus serviços (eram os melhores!). Penso que existem várias clínicas e muitos médicos com pouca experiência ou apenas uma estrutura duvidosa ou muito marketing. Também ouvi falar da competência desses dois. Se uma fivete realmente precisar, vai no mínimo, conferir a nova clínica e conhecer in loco os profissionais. Como diz o ditado popular "quem foi rei, não perde a majestade!", no caso seria um desperdício de competência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não sei que competência.

      Excluir
  11. Competência em manipular óvulos e espermatozóides, em fazer filhos não biológicos dos clientes, em enganar seus clientes. Isso não passa de repportagem paga para aliviar pro lado dos safados que trabalhavam no laboratório. Infelizmente o MP não está interessado nesse assunto, acham que "já fizeram seu trabalho". Mas será?? São muitos crimes graves, eles tem o direito de investigar apenas o que escolhem? isso está correto no trabalho de um servidor público??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostaria de notícias do Ministério Público sobre o caso Roger, família e co-responsáveis técnicos da clínica.

      Excluir
  12. Vc ventila informações gravosas, inclusive, relacionadas ao Órgão Ministerial. E afirma, que também "enganavam seus clientes"... Seus questionamentos são indagações de alta ordem. Respeito a sua dor.

    Todavia, acho bem improvável que os cônjuges (ou, ao menos, um deles) não tivessem conhecimento do q vc assevera. Qdo há necessidade de utilização de "material genético de outrem", os médicos sempre esclarecem e informam o casal dessa possibilidade.

    Não obstante, qdo se materializa natural resistência ou "negativa psicológica"(no sentido de não enfrentamento da questão) por parte dos pacientes - em especial, daquele (ou a) afetado (a) pela infertilidade (doença) deve ser muito complicado mesmo. Deve ser mto difícil um profissional conduzir essa situação. Tb deve ser difícil p o casal administrar essa delicada e complexa questão.

    Fico tentanto imaginar uma situação extrema e limite...

    Por uma ilação, se pelo desgaste emocional acentuado e progressivo em q se encontre, em especial, a parte afetada por determinada doença (por já ter se submetido a inúmeros protocolos de FIV's e sem êxito por anos e anos), talvez, só o outro cônjuge consiga ainda decidir; na tentativa de preservar a "integridade psicológica ou sanidade mental" da outra parte amada - já extremamente fragilizada e não mais responsiva (sem capacidade de reação). Não sei se seria esse o caso em tela. Ao menos, restaria configurada uma situação limite!
    Por conseguinte, nessa seara de dúvidas e indagações, apenas sei que só terá a real percepção dessa delicada temática àqueles q vivenciam um longo e árduo caminhar na infertilidade... Um caminhar, por vezes, permeado por muita dor e reiteradas perdas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu filho, certamente você nunca colocou os pés naquela clínica, presenciei TUDO exatamente como relatado acima, Lamentável sua postura tão equivocada!!

      Essa reportagem é um absurdo! Ninguém ali era inocente, nem a família remendada, nem os médicos e funcionários, enquanto eram beneficiados era a glória! Agora se passam de santinhos, sofredores, só faltaram nos pedir dinheiro, hahahaahahaha!

      Excluir
    2. O senhor respeita minha dor e aprecio isso, mas infelizmente não acredito nas suas condolências. Os senhores tinham ou tem gravações que mostram corrupção e má conduta dentro da clínica...por favor, sem tecnicidades jurídicas, nós cidadãos não queremos o judiciário, queremos justiça.

      Se não fosse o Barbosa abrindo mão das “tecnicidades jurídicas puras” todos sairiam inocentados do Mensalão.

      Aqui ao que parece uma vez condenado o Dirceu libera-se o resto...mas o que se esperar de um judiciário que não aceitou o vídeo com a deputada pegando propina??

      Abraços.

      Excluir
  13. Um bom feriado Santo a todos!O clima esquentou por aqui!!
    Uns acreditam na sua inocência, outros guardam muito rancor, mágoa e ressentimento.
    Cada um saberá dimensionar a sua dor, né!!
    Que esse "Dia das Crianças" possa abrandar e renovar as esperanças dos corações que lutam pelo direito à maternidade ou à paternidade.
    Boa sorte a todos!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Excluir
  14. Acho que já passou da hora das pessoas ficarem postando anonimamente, eu NUNCA me escondi atrás do anonimato. Defendam ou ataquem com raça e coragem! É pela acovardamento de muitos que esse país nada em lama!

    Sou Nelma Luz, mãe do Guilherme, que morreu com sofrimento desumano por unica e exclusiva culpa de Roger Abdelmasshi e sua equipe "médica"!

    ResponderExcluir
  15. Nesse tópico apenas EU me faço valer! Cadê o nome de vocês, amigos, ex funcionários, parentes, médicos, hahahahaha! Cômico!

    ResponderExcluir
  16. Este tópico se refere aos filhos e não ao pai.
    Cada um tem o direito de expressar sua opinião e de se reservar ao anonimato. O blog dá esse direito ao oportunizar esse perfil.
    O intermediador desse blog deveria retirar postagens agressivas e ofensivas.
    Se existe pendência com a outra clínica e com o outro médico q entre com ação judicial contra aquele.

    ResponderExcluir
  17. Nao quero incluir o meu nome, pois este blog lida com muitas pessoas agressivas.
    A Nelma Luz e uma delas. Nao sabe o que fala.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo integralmente com vc! E com o anônimo anterior tb!
      Já me submeti há inúmeros protocolos de FIV's, com quadros recorrentes de abortamento - e outras complicações mais, em variadas clínicas e isso não me habilita, de modo algum, a ficar "vomitando" minhas frustações ou angústias por aqui... Tento administrar "minhas pendências emocionais" com um bom terapeuta! Essas farpas lançadas por aqui são improdutivas!

      Excluir
    2. Concordo plenamente!! Fica destilando ódio!! aff!!

      Excluir
    3. Lamento viver em um país que justiça é confundida com vingança! Eu estive por alguns meses naquela clínica e vi os coitadinhos do Vicente e Soraya, o que passei ali EU SEI, e muitos sabem: ERRO MÉDICO, não apenas do foragido, mas também de todo seu staff, hahaha, e que staff!! Sem mas, digo que brevemente, bem brevemente ainda terão notícias minhas! E sobre a pobreza que os tadinhos se encontram, façam como sugerido, retirem esse sobrenome, já que realmente é vergonhoso, e vocês sequer são filhos do dito cujo! Ah!!! E sobre saber o que falo...Sei simmmmmmmmmmmmmm! Sei muitoooooooooo!Sei Bemmmmmmmmmmmmm! Aguardem, essa novela sequer está no meio! Agressiva, eu? hahahahaaha, não me conhecem mesmo!!!!

      Excluir
    4. Olhem como são artistas!
      Aprenderam direitinho com o papi!
      Olhem as caras, hahhahahahaaha!

      Excluir
  18. Acho que vi o Roger passeando no centro de Roma em Julho ,aproximadamente dia 21 ou 22.Tentei verificar,mas não consegui...Alguém teria como verificar ? Se não era ele,era muito parecido...

    ResponderExcluir
  19. Obrigado pela valiosa informação! Irei repassar para o serviço de inteligência. Cãmbio, desligo!

    ResponderExcluir
  20. Soraya agora reclama do Pai???

    fui cliente da clinica de horrores em 1991, quando a filha Soraya era uma biologa e o filho Vicente certmanete ainda estava estudando. Todos desfilavam de carros caros, a esposa era uma linda madame e o Roger um medico arrogante que maltratava seus assistentes , tais como o dr. Lister. Para a esposa Sonia,valia a pena manter a pose e curtiro dinheiro que a clinica gerava mesmo sabendo que o marido era um calhorda. A filha Soraya na epoca nao me parecia ser "judiada"pelo pai como cita na entrevista. O que vi foi aproveitar a vida e ter muito conforto para uma recem-formada.Se o clima era tenso em casa, as mordomias valiam a pena aguentar o pai severo. Dinheiro faz coisas! e a falta dele entao?!

    ResponderExcluir
  21. se hoje ha um enorme peso o sobrenome Abdelmassih, um dia , este mesmo sobrenome abriu muitas portas e trouxe grande notoriedade para a clinica. Antes dos escandalos, os filhos tinham muito orgulho do sobrenome que carregavam e pegaram "carona"na fama do pai, na riqueza, na sociedade paulista. Nao se importavam com os maus-tratos, pois o dinheiro e conforto valiam a pena. A vida muda todos os dias!
    O ex-medico era arrogante , dono do mundo e um conquistador barato.Hoje deixou uma "herança "vergonhosa pra toda a familia e sumiu pra nao pagar pelos crimes cometidos.
    Marcia

    ResponderExcluir
  22. Soraya e Vicente podem trocar de sobrenome. Basta querer!

    Mesmo com todos os escandalos, a clinica teve notoriedade por tempo suficiente para se formarem em boas faculdades. Eles tiveram a oportunidade de aproveitar bastante o sobrenome que um dia foi grandioso.Eles nem deviam lamentar, pois , com tudo o que aconteceu, eles estao trabalhando. Poderia ser pior!

    ResponderExcluir
  23. Enquanto o rogento esta curtindo a vida longe de Tremembé, os filhos estao pagando o pato.
    A vida rica durou pouco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nelma luz morrendo de rir27 de novembro de 2012 14:16

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  24. Melhor que a entrevista dos filhos de Roger, seria mesmo saber seu paradeiro e coloca-lo atras das grades e faze-lo cumprir pelos varios crimes cometidos.
    Não acredito que os filhos não saibam onde está escondido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prisão para eles e seus cúmplices!!!!!!!
      Lugar de quadrilha é encarcerada!!

      Excluir
  25. Deve existir alguma maneira de rastrear as finanças do sr e sra monstro....Como estarão sobrevivendo no exterior?Ninguém vive de vento,muito menos com duas crianças....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho, polícia para quem precisa de polícia!!!

      Excluir
    2. quem procura , acha. Mas acho que nao tem ninguem procurando...

      Excluir
  26. Nelma Luz,
    Referente o que e como voce escreveu nodia 11 de novembro demonstra que voce e uma louca.
    Acho que precisa se tratar. Os loucos realmente nao admitem a doenca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!
      Vou me tratar, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

      Excluir
  27. nelma luz morrendo de rir27 de novembro de 2012 14:07

    Vou para um SPA!

    ResponderExcluir
  28. nelma luz morrendo de rir27 de novembro de 2012 14:09

    E então vamos?

    ResponderExcluir
  29. Srs,

    Desde inicio de 2011 não voltava a este Blog sobre o assunto. Confesso que me surpreendeu encontrar ainda tantas pessoas postando.

    Li todos os post da reportagem, alguns interessantes outros idiotas e ate cómicos.

    Sei que alguns podem discordar, mas credito que jamais o ex-medico será encontrado novamente. Qualquer pais que ele possa estar escondido absolutamente ninguém esta preocupado com a sua procura, já que certamente tem bastante bandido local mesmo, além disso imagino eu que provavelmente a policia brasileira já tem 100% de certeza que ele não se encontra mais em território Brasileiro.

    Quanto aos filhos tenho ainda algumas dúvidas se realmente sabiam dos abusos, principalmente a filha não teria condições de simplesmente acobertar.

    Acredito que do ponto de vista legal, caso fique provado que havia cúmplice, legalmente apenas o administrador da clinica(que provavelmente era o próprio Abdel),responsável médico,técnico e médicos que tinham como rotina contatos diários comprovados com pacientes,principalmente durante procedimentos clínicos e consultas privadas.

    Pelo andar da carruagem ate agora tirando o doctorhorror, nada foi provado contra citados no meu parágrafo acima e nem será. A clinica não existe mais, tudo foi vendido e/ou leiloado, imagino que passados quase 4 anos as possibilidades disso ser esclarecido são bastante remotas.

    Boa Noite a todos,

    LF

    ResponderExcluir

Postar um comentário