Com queda de 22%, desaba o número de religiosos na Irlanda

por Alessandro Speciale para Vatican Insider

País entrou na lista dos
menos religiosos
No mundo, cada vez menos pessoas se consideram crentes – independentemente da fé que professam e se frequentam efetivamente um lugar de culto regularmente. Mas em nenhum país do mundo (com exceção do Vietnã), essa queda é mais rápida do que na já ex-catolicíssima Irlanda, ainda abalada pelos abusos de menores e pelos encobrimentos dos pedófilos na Igreja Católica.

Os dados – publicados no Índice Global de Religião e Ateísmo, pesquisa realizada pela WIN-Gallup International – mostram que, de 2005 até hoje, o percentual de irlandeses que se definem como "religiosos" passou de 69% para 47% da população: uma queda de 22%, ligeiramente superado somente pelo número registrado no Vietnã, onde apenas três em cada dez pessoas se definem como "religiosas".

Graças a esse dado, a Irlanda entrou no "top ten" dos países menos crentes do mundo: uma classificação liderada não surpreendentemente pela China (onde apenas 14% das pessoas se definem como "religiosas") e em que também aparecem o Japão, República Tcheca, Coreia do Sul, França, Alemanha, Holanda e Áustria. Na Irlanda, as pessoas que não se consideram religiosas – 44% – já são quase mais do que aquelas que afirmam ter uma fé, enquanto um em cada dez irlandeses já é um "ateu convicto".

Irlanda quer terras da igreja para pagar vítimas de abuso
julho de 2011

A lista dos países mais crentes do mundo é liderada por Gana, com 96% de pessoas "religiosas", e conta com as presenças de nações de todos os continentes, da Romênia às Ilhas Fiji, do Brasil ao Iraque. Em geral, segundo a pesquisa, no mundo o sentido religioso caiu nos últimos sete anos em quase 10% (de 77% a 68% da população), enquanto os ateus convictos passaram de 4% para 7% da população mundial.

Na Itália, o número daqueles que se dizem religiosos permaneceu substancialmente inalterado ao longo dos anos, acima dos 70%, mas os ateus cresceram ligeiramente, passando de 6% para 8%.

Entre os resultados destacados pela pesquisa, está a genérica confirmação de um fato que, para muitos, é evidente: quanto mais cresce o bem-estar de uma população, mais a sua religiosidade média diminui. Mas há duas notáveis exceções a essa tendência: de um lado, os Estados Unidos, muito ricos, mas também muito religiosos; de outro, a China, com uma renda média ainda baixa, mas com uma porcentagem de não crentes altíssima.

O que chamou a atenção, no entanto, foram principalmente os números referentes à Irlanda. Tanto que o arcebispo de Dublin, Dom Diarmuid Martin, homem de ponta na resposta da Igreja Católica ao escândalo da pedofilia, comentou os dados, destacando os "desafios" que os crentes irlandeses ainda têm que enfrentar.

"A Igreja Católica – disse – não pode dar como certa a passagem automática da fé de uma geração para a posterior, nem que os seus membros vivem a fé de modo pleno. Essa pesquisa serve apenas para nos lembrar, mais uma vez, que precisamos de uma sólida e contínua educação para a fé".





Com tradução de Moisés Sbardelotto para IHU Online.

Íntegra em inglês da pesquisa (pdf).

Irlanda recusa guarda à procissão; Igreja diz que foi uma afronta
julho de 2012

Estatística das religiões no mundo.


Comentários

  1. E pensar que Portugal e Irlanda tiveram seus primeiros pedido de admissão na ONU negados, exatamente por terem decretado luto oficial quando da morte do ditador alemão católico Adolf Hitler! Cidadania plena e prosperidade geral definitivamente não rimam como fé.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa. Essa eu não sabia. Morrendo e aprendendo!

      Excluir
    2. Fato : Hitler não é nenhum demônio.
      Ele foi apena DEMONIZADO pelos vencedores.
      Ouve holocausto de todos os lados, mas comenta apenas os dos Nazistas.
      .
      Na 2ª guerra mundial , não existia o BEM e o MAL não, apenas jogos de interesses , poder e $$$$

      Excluir
    3. Pelas barbas do profeta.... Hitler foi artífice da morte de 6 milhões de seres humanos e você diz que ele não era "nenhum demônio", que foi apenas "demonizado pelos vencedores"? Você não pode estar falando sério... Larga esse videogame e vai ler uns livros, rapaz! Senão daqui a pouco você vai estar frequentando sites nazistas e achando que esses desequilibrados são pessoas normais.

      Excluir
    4. Na realidade foram 6 milhões de judeus e quase 20 milhões de cidadãos da Rússia, sem contar os soldados aliados, mortos em batalha

      Excluir
    5. E os soldados dele, afinal ele foi quem causou TODA a segunda guerra mundial.

      Excluir
  2. "...Essa pesquisa serve apenas para nos lembrar, mais uma vez, que precisamos de uma sólida e contínua educação para a fé".

    Precisam é parar de acobertar pedófilos e abafar escândalos.

    ResponderExcluir
  3. Depois que eles se tornaram o "tigre celta", não houve mais necessidade de levantar as mãos pro céu querendo que algo caia de lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa epoca já ficou p/ trás, agora aqui não tá nem gato celta mais, mas realmente da p/ notar que por mais que tenha uma igreja catolica a cada esquina a maioria está fechada.

      Excluir
  4. Curiosamente, Vietnã e Irã são dois países devastados pela guerra de intenções religiosas (alguém vai ter a cara de pau que a intervenção criminosa dos EUA no país asiático não foi porque o mesmo estava nas "mãos ateístas-comunistas"? Ou que os irlandeses perderam incontáveis vidas graças aos embates de católicos e protestantes?!).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Alguém vai ter a cara de pau que a intervenção criminosa dos EUA no país asiático não foi porque o mesmo estava nas "mãos ateístas-comunistas"?

      Sim, foi exatamente por isso.

      Mas querer vincular a guerra do Vietnã com religião é o cúmulo da vigarice intelectual. A guerra do Vietnã teve causas politicas/economicas, como todas as guerras que ocorreram durante o período da Guerra Fria que se deu após o fim da Segunda Guerra Mundial até a queda da União Soviética em 1991.

      Excluir
  5. Digo, Vietnã e Irlanda.

    ResponderExcluir
  6. Nooooossa, esse negócio de religião é igual merda:quanto mais mexe mais fede. Não consigo entender como participei disso com radicalismo. Sim, eu era um cristão radical. E cagava de medo de pecar contra o espírito santo! Hoje até o pulmão nelhorou. Consigo respirar com mais facilidade.

    ResponderExcluir
  7. Eu diria que este aparente paradoxo de "quanto mais rico menos religioso", o que parece não se aplicar aos EUA acontece pelo seguinte fato:

    Existe uma confusão entre causa e efeito.

    Não é a riqueza que leva a redução da religiosidade, mas, a redução da religiosidade que leva a riqueza.

    Os EUA nasceram como uma nação completamente laica, o que os levou a maior potência do mundo, hoje, contudo, se voltam a religião, sobretudo por causa do partido republicano, e, estão ameaçados de perderem o seu status de país rico.

    A China está se tornando rica exatamente por sua falta de religiosidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara essa foi cruel, a China é rica,mas esconde os muitos que sofrem pela politica de exploração, não é por causa da religiosidade, mas pela exploração do povo. você é a favor dessa exploração em nome da falta de fé ou de religião, não tem nada haver com a riqueza da China.

      Excluir
    2. Erros históricos colossais. Os ricos têm todos os motivos do mundo para serem religiosos. E são, mas de outro deus. O que fez a riqueza das nações não foi a religião ou a não religião, religiosidade ou descrença, mas O TIPO de religião, ou o TIPO de irreligiosidade. O ateísmo compulsório da plutocracia soviética, o seu capitalismo de Estado chamado comunismo; não resolveram a miséria econômica. Voltaram ao capitalismo de novo e à liberdade de religião. Os EUA não prosperaram por serem ateus (sociedade completamente laica, os USA?) mas pela religião protestante ser a base ética do capitalismo. Assim como a culpa católica e santidade da pobreza, explicaria o atraso da Europa católica, e o progresso da protestante. A China está se tornando rica pela sua devoção, fidelidade e religião aos ditames econômicos do neoliberalismo, este sim o Evangelho do verdadeiro deu$.

      Excluir
    3. Quanto aos EUA, perfeito, causa e efeito, o abandono da religião leva à riqueza, com certeza, os eua caminham a passos largos para se tornarem terceiro mundo.

      A China, contudo, eu diria que foi a mão de ferro do governo em conseguir efetivamente implementar o CONTROLE POPULACIONAL, que possibilitou o país de se tornar uma superpotência.

      Esta mesma mão de ferro impede que religiões picaretas como o catolicismo e islamismo (e pastores evangélicos de televisão) entrem no país e causem danos.

      No fim, tem a ver com religião sim, ou, melhor, com a supressão desta.

      Excluir
  8. A Irlanda está vivenciando em plenitude o conselho 'conhecei a verdade e ela vos libertará'. Não?
    Pena que tenha sido através de tanta dor, tanta humilhação, de tantas crianças inocentes. As batinas[ e hábitos?] são amplas e rodadas para esconder o circo de horrores de tantos séculos. Coisas que nunca foram ditas e descobertas, coisas que nunca saberemos. Se a Justiça dos homens precisa da denúncia para que produza seus efeitos, a tal justiça 'divina' não precisaria e a total falta de manifestação dela por parte do 'divino', a ausência de castigos relegadas a um pouco provável pós morte, julgamento e devida prisão no suposto inferno, fez e faz com que não se queira mais esperar pelo carimbo de São Pedro. Deixar nas mãos de um 'deus' que nunca se manifestou e manifesta não tem mais cabimento.Tem de ser aqui e agora, de forma retroativa. O 'pouco' que sabemos hoje é graças aos audazes que não podendo mais esconder de si mesmos tanta dor, aceitam o sacrifício de duplo sofrimento ao se exporem publicamente para que a roda de perversidades pare de girar. O que seria dessa humanidade medrosa e chinfrim se não fossem os audazes de cada época que, mesmo com o custo das próprias vidas, nos deixaram legado de coragem e de pedagógico sofrimento? Ainda aprendemos mais pela dor do que pelo prazer, mas o importante é que aprendamos para não repetir os mesmo erros. Que a bela Irlanda e seu povo alegre e etílico seja bem-vida ao século 21, meio aos trancos e solavancos, mas chegou! E olhando assim do presente para o passado veja que as batatas foram o menor de seus problemas...

    ResponderExcluir
  9. So para lembra.. Que os Estados Unidos embora seja um pais com um grande numeros de religiosos.. Averiguemos uma coisa... Os estados mais desenvolvidos no U.E.A sao em suma maioria de pessoa menos ligadas a fé e enquanto que no inverso.. Os estados com maior precariedade sao justamente aqueles que onde a religiao e predominante.. Engraçado não?

    ResponderExcluir
  10. Quais seriam esses estados? Pq por toda lado tem crente aqui nos EUA...mega igrejas etc....rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, sem querer me meter, mas já me metendo. Alguns sites afirmam que mais da metade da população adulta dos estados do noroeste americano tende a ser menos praticante. Ademais, parece-me que a Califórnia também tende a ser menos 'fervorosa'. Embora, essas pesquisas não sejam lá tão precisas.

      Excluir
    2. Bobagem. Os Mórmons, e os Batistas, são riquíssimos.Com eles dois já se faz um país.

      Excluir
    3. O edir macedo, valdomiro, malafaias, também possuem fortunas, isto torna seu seguidores ricos?

      Excluir
  11. A fé o que é, O que é o ateismo, o primeiro e verdade absoluta o segundo também, parece a definição marxista de contrários do movimento constante de Hegel a famosa dialética onde um não existe sem o outro, não cabe a cristãos e ateus julgaram uns aos outros ou vai me dizer que assim como diminui a fé na Irlanda ela não aumenta em outra lugar, assim como o ateismo aumenta e diminui em outros lugares, disse uma dos maiores antropólogos do mundo Levi Strauss, "quando o homem age se achando sem limites e ai que ele começa sua auto-destruição" crer o não crer não é questão é uma questão filosofica que só o ser define, se cristãos fanáticos e ateus fanáticos se odeiam e porque tomam isso por definição, agora atacar a fé das pessoas por causa de padres pedófilos não temnada a haver, pois crer ou não crer será sempre uma questão péssoal que cada acatara com sua responsabilidade social, ora sem a religião naõ haveria caridade, sem o ateismo a liberdade não seria completa, cada que siga o seu caminho,sou católico, tenho amigos ateus, nos discutimos mas nos respeitamos,agora ficar atacando um ao outro na tentativa de discordar da ideia de liberdade é da um tiro no pé, pois cada um tem a sua e a busca de acordo com sua filosofia de vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "vai me dizer que assim como diminui a fé na Irlanda ela não aumenta em outra lugar"...

      Sinto informar que a fé tem diminuído não apenas na Irlanda. E ao que consta não está aumentando em nenhum lugar do mundo. Não proporcionalmente, pelo menos - que é o mais importante.

      Excluir
    2. O cara não leu os estudos referendados na matéria original do IHU. A fé está indo pras cucuias no mundo inteiro.

      Excluir
  12. Você apresentou supostas tese e antítese, mas qual a síntese ?
    A História não ficará estagnada nesta situação. Decerto a religião está perecendo pelo ser ateu. Mas os contrários coexiste. Sem a religião não haverá mais o ateu. E qual será a nova tese ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo contrário, deus exige que o crente exista para existir, o ateu existe independente de qualquer pré-requisito.

      Excluir
  13. Ah pena que eu não vou estar vivo pra presenciar o fim das religiões, acho que ainda leva mais uns 400 anos pra isso.

    ResponderExcluir
  14. tomara que eu envelheça e veja o fim das crendices idiotas que ceifaram tantas vidas, mas vai custar demais não sei estarei viva para prensenciar este dia glorioso...

    ResponderExcluir
  15. É um erro afirmar q s EUA se enriqueceram na basedo protestantismo. Realmente a nação se tornou laica com a independência e o imediato republiacanismo. A confusão frequente q se faz entre protestantismo e desenvolvimento se deve ao fato da pregação luterana de liberdade de interpretação da bíblia - esta sim inspirou a ideia de laicismo q viria muito depois. Tanto assim q as nações europeias ainda pemaneceram teocráticas por muito tempo após a reforma protestante. A ideia de laicismo veio com a Revolução Francesa, e a igreja apoiou muito o capitalismo clássico inglês por causa dos interesses sobre os empreendedores da nova atividade econômica q moveria o mundo durante o século XX. No BRasil a frágil laicidade era uam inspiração republicana, para derrotar a monarquia apoiada pela igreja. Os escandinavos não atingiram os altos níveis de vida por causa do luteranismo, mas sim por anos de investimento pesado em desenvolvimento social, a começar pela educação. Os EUA cada vez mais religiosos estão também cada vez mais arrogantes e enfrentando problemas econômicos e a crise civilizatória de uam diversidade religiosa q abriga, mas não admite.

    ResponderExcluir
  16. Desculpem, pequena correção: a ideia de laicismo NA EUROPA iniciou-se com a Revolução FRancesa, enquanto q nos EUA já foi umaconsequência do republicanismo e da independência. Sobre a Irlanda, um país muito mais educado do q o nosso Brasil, a queda da religiosidade não me surpreende.

    ResponderExcluir
  17. Bom já é um começo. Espero que esse índice aumente ainda mais e as pessoas parem de ser bitoladas. Apesar de que ausência de religião em suas vidas não signifique que tenham perdido completamente a noção de criacionismo, ou segregações e outros pensamentos provenientes das religiões. Apenas não seguem os dogmas.
    Mas em geral tendem a ser pessoas mais tranquilas e livres de fanatismos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário