CNBB se opõe à vontade do doente terminal de recusar tratamento

Raymundo Damasceno Assis
Assis disse que médico
tem de cuidar da vida
O cardeal Raymundo Damasceno Assis (foto), presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), criticou a resolução do CFM (Conselho Federal de Medicina) segundo a qual os médicos têm de respeitar a decisão do doente terminal de recusar o chamado "tratamento fútil", que, na prática, prolonga o sofrimento. 

Para Assis, trata-se de uma decisão equivocada porque “um médico preocupado em terminar com uma vida humana, em que fase for, está como que negando sua própria profissão, que é cuidar da vida”.

Pela resolução, os médicos terão de acatar a vontade do doente terminal de não querer postergar a sua morte com tratamento inócuo, mesmo que essa não seja a decisão da família dele. Para que a sua decisão ser respeitada quando estiver inconsciente, em coma, por exemplo, o doente terá de registrá-la em cartório.

Roberto d’Ávila, presidente do CFM, disse que a resolução foi editada para que quem esteja em situação terminal possa ter morte natural, “sem intervenção tecnológica inútil e fútil, que pode acalmar a família, mas não está fazendo a vontade do paciente”.

A resolução é polêmica porque dela discordam não só religiosos, mas também médicos, além eventualmente da família de pacientes.

O articulista Hélio Schwartsman, da Folha de S.Paulo, escreveu que o “bonito dessa resolução é que, ao não impor crenças externas a ninguém, maximiza a liberdade de todos”.

Para ele, todas as considerações metafísicas sobre a vida devem ser deixadas de lada, de modo que cada pessoa possa dispor dela como desejar.

Argumentou que, de princípio, o médico tem de preservar a vida do paciente, “mas o mundo é um lugar bem mais complexo e nuançada do que sugerem nossos esquemas mentais”.

Com informação da Folha de S.Paulo.





Padre recusa funeral a corpo de homem que morreu por eutanásia
agosto de 2011

Comentários

  1. "Um médico preocupado em terminar com uma vida humana, em que fase for, está como que negando sua própria profissão, que é cuidar da vida".

    Ué, não era deus que salvava a vida das pessoas?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Como eu odeio essa gente, essa sua insistência em querer impor as suas crenças, os seus valores e a sua tacanhice não só aos católicos, mas a toda sociedade, incluindo os ateus. Ninguém está obrigando os doentes terminais que querem viver a recusar o tratamento. Mas para essa canalha religiosa é preciso obrigar os doentes terminais que querem morrer a prolongar um tratamento inútil. Esses miseráveis não se contentam em poder fazer alguma coisa. Querem que todo mundo faça o mesmo. Lembro-me de um poema que li certa vez do Murilo Mendes chamado URSS. Ao que parece, o poema foi escrito depois de deflagrada a revolução russa, no começo do século passado. Nele Mendes conclama a Rússia a voltar para o seio da igreja. Para ele não era suficiente ter o direito de rezar; era preciso que todo mundo rezasse. "O verdadeiro crente", disse Hitchens, "não pode descansar enquanto o mundo inteiro não se ajoelhar."


    ResponderExcluir
  4. Todo palpiteiro da vida alheia, não assume nenhuma responsabilidade e consequencias de seus conselhos.

    ResponderExcluir
  5. Normal vindo de quem veio, estranho se fosse o contrário

    ResponderExcluir
  6. Que engraçado. o antigo Papa João Paulo II optou por não receber nenhum tratamento e a Igreja na época não viu nada de mais, apenas seu direito de morrer em paz e como queria. Agora como se trata dos outros não pode...quanta hipocrisia.

    Leandro

    ResponderExcluir
  7. Tb NÃO comungo da mesma opinião do Cardeal... mas não vi nenhuma heresia na defesa de sua tese ... qual o problema quando alguém lança mão do livre pensamento??? Ele não impôs e não tem força para mudar a questão (pq senão não precisaria opinar).

    ResponderExcluir
  8. Esses religiosos sao tao, mas tao tolos, que nao perceberam que NAO EH PROIBIDO, se ele quiser que termine gemendo por meses numa UTI, mas cada um tem o direito de ter dignidade, coisa que eles nao sabem o que significa.

    ResponderExcluir
  9. Claro, quando a pessoa está agonizando, é a hora que padres e pastores vendem seu peixe, e fazem os parentes doarem tudo a espera de um milagre.

    Se a pessoa está em paz consigo mesma e não quer sofrer mais, sua escolha está no tal livre arbitrio (que a igreja adora usar p/ isentar deus de qualquer culpa)

    ResponderExcluir
  10. A CNBB quer obrigar que as pessoas usem a ciência para curar suas doenças incuráveis em vez de apenas rezarem por um milagre, é isso?

    ResponderExcluir
  11. Religião deveria de respeitar mais as pessoas. Esses mitos velhos e caducos já não serve mais para humanidade.. Respeito é questão de sobrevivência da espécie e não é carater de nenhuma religiao, pois bem sabemos qual é a deles e respeito passou longe começando pelo próprio deus inventado dos religiosos.

    ResponderExcluir
  12. Eles, igreja, se opôe ao aborto até nos casos previstos na lei, quando o feto é fruto des estupro ou nos casos do feto sem cérebro, sabe-se lá com que objetivo...ainda querem palpitar se o moribundo pode decidir sobre a própria morte ou se deve continuar padecendo.

    ResponderExcluir
  13. tem um errinho de português na matéria :)

    ResponderExcluir
  14. Mais um que quer cuidar mais da vida dos outros que a dele. Mas é o que a ICAR vem fazendo há anos, com respaldo de vários Estados submissos.

    ResponderExcluir
  15. O homem também tem direito de morrer quando quiser. Não, não sou adepto da Lei de Thelema, "Faze o que tú queres, há de ser tudo da lei", embora admita simpatizar com seus ideais por saber que eles buscam tão e somente a liberdade plena do homem.
    Ora, a igreja conclama aos quatro ventos ser a favor da vida, mas, vida, por si só, não nos diz nada. Por que casais pobres tendem a ter mais filhos? Transam mais? São mais férteis? Ou, por serem quase sempre religiosos, se negam a usar preservativos, anti-concepcionais porque a igreja quer vida e mais vida?
    E assim nascem os bebês, em condições precárias de saúde, moradia e educação. A igreja ganha mais fiéis nos seus registros de batismo (que é daonde eles estimam a quantidade de seguidores) e cada vez mais influência para praticar esse círculo vicioso.

    (continua)

    Winston Smith

    ResponderExcluir
  16. (continuando)

    Mas, não basta o controle da vida, querem agora o controle da morte. Já não basta fazerem pais terem crianças sem querer, querem que morimbundos vivam sem querer. Não querem dar a opção dele escolher a vida ou morte, mais algum tempo de vida sofrida ou o descanso final, querem impor a primeira condição.
    Veja que o que procuro não é dizer o que é melhor ou pior, é dar a liberdade do doente escolher seu destino, de ser seu próprio senhor.
    De ter o direito de morrer como e quando quiser!

    Winston Smith

    ResponderExcluir
  17. A verdadeira doutrina defendida por Karl Marx

    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1396

    ResponderExcluir
  18. Se o paciente terminal for mantido vivo e consciente, sob tratamento que não vai resolver, e recebendo doses de analgésicos caso esteja sentindo dor, vão sofrer ele e a familia dele.

    Se o paciente terminal for mantido vivo e sedado ou se estiver em coma, sob tratamento que não vai resolver, vai sofrer a familia dele.

    Pro Cardeal tá tudo bem, desde que alguém sofra. Afinal, ele faz parte de uma instituição que coloca em pedestais pessoas que sofreram mortes horríveis e sentindo dores excruciantes. É da cultura deles.

    O Cardeal, como todo bom religioso tapado, acha que se alguém puder ter o direito de por fim a sua vida, então automaticamente todos terão a obrigação de por fim a sua vida. Normal pra quem faz parte de uma instituição que diz que ninguém é dono de sua própria vida, mas se acha dona da vida de todo mundo.

    Liberdade é palavrão pra essa gente. Normal pra quem faz parte de uma instituição que também manteve mão-de-obra escrava no passado e continua até hoje esxcravizando a mente de muita gente.

    ResponderExcluir
  19. Nenhuma novidade do que é vindo da Conferência Nacional que fala Bosta no Brasil.

    ResponderExcluir
  20. http://g1.globo.com/politica/noticia/2012/08/para-cnbb-novo-codigo-penal-pode-superlotar-presidios.html

    Esses mesmos inuteis falaram isso sobre os codigos penais, daqui a pouco eles botam os adultos no ECA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe, a CNB do B está cumprindo o seu objetivo progressista (esquerdista):Você está surpreso por quê?

      Eu concordo com você. Os esquerdistas da CNB do B são inúteis.

      Só defendem aquilo que é contra a Doutrina da Igreja.

      Excluir
    2. Até católicos odeiam os bispos...

      Ótimo!

      Excluir
    3. "Até católicos odeiam os bispos..."

      Anônimo de 17:02, bispos progressistas (esquerdistas).

      Bispos tradicionais tem todo o nosso apoio.

      Excluir
  21. “um médico preocupado em terminar com uma vida humana, em que fase for, está como que negando sua própria profissão, que é cuidar da vida”.


    Incrível... ninguém pode ser dono de sua própria vida!

    Esse tipo de afirmação, comum em protestos religiosos, sobretudo católicos - eis que o catolicismo sempre se arvorou em detenor da verdade e sabedor de qual é o correto caminho para as pessoas, é apenas mais uma imbecilidade como tantas outras já houve.

    O significado de Vida para os que afirmam coisas desse tipo é extremamente raso: permanecer respirando, isso é vida para eles.

    E, o pior de tudo, hipócrita, na acepção da palavra, pois sabemos muito bem que não há notícia de que a santa madre igreja dispense sua fortuna - sua imensurável fortuna - com a vida dos miseráveis e dos famintos do mundo.
    Também não há notícias de que as cúpulas da ICAR desçam de seu trono de ouro para prestar assistência a gente miserável, gente sofredora, gente necessitada - o que seria, isso sim, valorizar a Vida humana e, no mínimo, seguir literalmente o exemplo do mestre do Cristianismo.
    É fácil dizer frases lindas sentado no conforto e na mordomia.

    Que a igreja católica prove muito bem e publicamente que de fato se preocupa com a vida.
    Caso contrário, somente os ignorantes seguirão esse emblema de acreditarão nessas declarações sem conteúdo e sem valor.

    E, se há médicos com a mesma opinião, certamente se orientam somente pela religião, o que os torna igualmente superficiais e sem qualquer empatia por seus doentes.

    ResponderExcluir
  22. Não à distanásia! Essa é a minha opinião.

    ResponderExcluir
  23. Eu sou a favor dos medicos prolongarem artificialmente a vida dos religiosos ao maximo, com muito sofrimento e dor ! E que eles deixem as pessoas em paz !!!

    ResponderExcluir
  24. Bispo serve pra que mesmo?

    ResponderExcluir
  25. Eu acredito que se EU E SOMENTE EU poderia escolher se eu quero receber o tratamento que só prolongaria meu sofrimento ou escolher morrer.

    ResponderExcluir
  26. ... Ah! o costume antiquíssimo de se meter (leia-se "se impor") nas coisas do Estado, como se fosse o próprio Estado!

    Se é da natureza da ICAR se meter com garra em tudo o que diz respeito à "defesa da Vida", por que razão não se pronunciam - com a mesma força - em relação às leis que permitem a, praticamente, impunidade e liberdade das pessoas que lesam e matam por imprudência, imperícia e embriaguês no trânsito?
    Por que não assinam - todos eles, padres e bispos - o abaixo assinado da petição para mudar essa Lei?
    Isso também é - e como! - defesa da vida humana.

    Entretanto, não tenho conhecimento de que representantes da ICAR se manifestem por vídeo no Youtube, ou artigos de jornal, ou em seus sites, preocupados com essas vidas que se perdem nas ruas e estradas brasileiras tão repetida e brutalmente!
    Ou então... de qual vida a Igreja Católica está falando?

    ResponderExcluir
  27. Sugiro a leitura da VEJA, na segunda semana de setembro/2012, sobre o Testamento Vital. Muito esclarecedora. Abraço, Abraão Silva

    ResponderExcluir

Postar um comentário