Igreja ajudou ditadura argentina no silêncio sobre assassinatos

Videla (à direta) contava com os 'bons ofícios" dos bispos
Sempre se soube do envolvimento da Igreja Católica com a ditadura argentina, mas agora há informação de que se tratou de uma efetiva colaboração para que os assassinatos do regime fossem mantidos na época longe do conhecimento público. E a informação é de fonte segura, do próprio ex-ditador argentino Jorge Videla, 87, presidente de 1976 a 1981 da Junta Militar que se apoderou do poder político.

O general Videla cumpre prisão perpétua pelo assassinato de 31 prisioneiros capturados pela repressão aos opositores do regime. Ele deu uma entrevista à revista argentina El Sur, de Córdoba, contando que os bispos ofereceram seus “bons ofícios” para informar os pais sobre a morte de seus filhos nos porões da ditadura, convencendo-os a não divulgá-la para o bem de todos.

Ou seja, os bispos — entre eles Pio Laghi e Raúl Primatesta — ajudaram no trabalho sujo do acobertamento dos assassinatos, diferentemente do que ocorreu com integrantes da Igreja Católica brasileira, que não deixou de denunciar as barbaridades cometidas pela ditadura militar daqui, entre 1964 e 1985.

Videla concedeu a entrevista ao jornalista Adolfo Ruiz entre os dias 26 de junho e 23 de dezembro de 2010. Ela foi publicada somente agora a pedido do ex-ditador, que achou por bem que isso ocorresse somente quando saísse da prisão de Córdoba, a UP1, para outra, de maior segurança para ele.

Na entrevista, Videla reafirmou alguns pontos de sua defesa na Justiça, entre os quais o de que os chamados “decretos de aniquilação” foram assinados pelo presidente interno Ítalo Luder com o propósito de instituir “uma licença para matar concedida por um governo democrático”.


Ao ser questionado se essa licença incluiria tortura, roubo de bebês e  o saqueio dos bens das vítimas,  Videla respondeu ter sido inevitável que muitos usassem o “poder outorgado ao Exército” em “benefício próprio”. 

A Argentina tem passado a limpo a história de sua ditadura militar (o Brasil, nem tanto). Mesmo assim as revelações de Videla sobre os “bons ofícios” dos bispos são indícios de que ainda há muita coisa a ser relatada.

Com informação do Página/12.

Pastor torturava à noite presos da ditadura e de dia falava da Bíblia.
junho de 2011

Comentários

  1. é preciso ouvir os dois lados. isso se chama justiça e bom jornalismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com o anonimo das 14:21. É preciso ouvir os dois lados da icar: a safada e a sem vergonha. Ouvir só um lado desmascara muito pouco essa organização abominável!

      Excluir
  2. esta igreja romana é uma safadeza, sempre envolvida com malignidades.
    enganando o povo analfabeto e incauto.


    PUNK NOT DEAD

    ResponderExcluir
  3. E sobre a participação da Igreja Católica na ditaura no Chile e no Brasil? Alguem nao fala nada?

    ResponderExcluir
  4. O do 1º comemtário quem confessou isso foi o ex-ditador que esta preso pelos crimes que fez com a ajudinha da Catolica, leia melhor retardado antes comemtar besteiras, a igreja catolica esta envolvida em varios escandalos de preconceito, pedofilia e corrupção, isso é divulgado em varios jornais, só não encherga quem não que.

    ResponderExcluir
  5. A Igreja sempre foi amiguinha de ditadores. Até Hitler ela apoiou.

    ResponderExcluir
  6. Pessoal, seria verdade que a icar apoiou o ditador Benito Mussolini, e em troca teria ganhado do mesmo o estatus de estado para o vaticano. Então suponho que esse dito estado não tenha reconhecimento da ONU, haja visto que teria sido conquistada de forma criminosa! Alguém saberia me esclarecer isso melhor?

    ResponderExcluir
  7. "(...) diferentemente do que ocorreu com integrantes da Igreja Católica brasileira, que não deixou de denunciar as barbaridades cometidas pela ditadura militar daqui, entre 1964 e 1985."

    Não se engane, Jornalista, os Militares sempre tiveram forte ligação com a Igreja Católica. Todas as Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) e as ditas Forças Auxiliares (Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares) sempre tiveram capelães, que até pouco tempo eram exclusivamente católicos.
    Na época da Ditadura Brasileira, esses padres fardados sabiam, sim, de muita coisa e se calaram. As notícias que emergiam através da ICAR não eram nem a ponta do iceberg e muitas vezes eram informações plantadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No começo, a Igreja Católica apoiou o golpe militar, mas depois passou para a oposição, tendo à frente o destemido cardeal dom Paulo Arns. Houve padres esquerdistas que foram torturados. Henrique Pereira Neto, assessor de dom Hélder Câmara, por exemplo, foi assassinado. Sei bem do que falo, meu caro. Não me engano, não. Eu vivi esses fatos. Sou uma "testemunha ocular" dessa história. Rs, rs.

      Excluir
    2. Eles apenas queimaram (ou utilizaram o Sistema Vigente para queimar) algumas peças de sacrifício, que provavelmente já vinham dando dor de cabeça à Santa Sé há mais tempo.
      Mesmo diante de toda esta "combatividade" que eles encenaram diante de seus olhos, meu caro, a ICAR - naquele período - jamais abandonou sua aliança com as Forças Armadas, obteve cessões e comodatos de terrenos do Estado e ministrava o "Corpo de Cristo" na boca dos oficiais em todos os quartéis.

      Excluir
    3. Como acreditar em papo de ditadura se, por exemplo, Aldo Rebelo(em quem eu confiava mais do que em Lula), que foi integrante da AP(Ação Popular), pertence aos quadros do PCdoB, foi secretário-geral e depois presidente da UNE(União Nacional dos Estudantes), meses atrás foi entrevistado pelo CQC (Danilo Gentili) chegando na festa de aniversário de 80 anos de Paulo Maluf.
      Lula agora também se aliou a Maluf, causando asco em Luiza Erundina, qua abandonou a chapa onde era candidata a vice-prefeita de Addad.
      Maluf era um símbolo da ditadura, assim como Delfim Neto, que conduziu o doutorado furado de Mercadante.

      Excluir
    4. Tentei postar o link do flagra do Aldo mas foi cortado. Basta digitar "CQC - Aniversário de 80 anos de Paulo Maluf , com Danilo Gentili - 05/09/2011" no Google, e ver aos 2:52 min.

      Excluir
  8. "...tendo à frente o destemido cardeal dom Paulo Arns. Houve padres esquerdistas que foram torturados. Henrique Pereira Neto, assessor de dom Hélder Câmara, por exemplo, foi assassinado. Sei bem do que falo, meu caro. Não me engano, não. Eu vivi esses fatos. Sou uma "testemunha ocular" dessa história. Rs, rs."

    É isso ai, Paulo Lopes!

    Você demonstrar que é, pelo mesmos, simpatizante dos teólogos da libertação.

    São esses padres esquerdistas que encheram os seminários de padres pedófilos que agora você notícia com muito gosto.

    Foi muito revelador saber que você apoia os padres esquerdistas pedófilos!

    Faço outra pergunta:

    Quando o esquerdista Paulo Evaristo Arns for acusado de pedofilia (todo esquerdista tem a tendencia de abusar e acobertar pedófilos), você ficará surpreso e o colocará como um sacerdote tradicional?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uns estruparam pela direita, outros pela esquerda, amaioria porém prefere pelo centro mesmo. O importante é ser cristão e estar wenfeitiçado por aquela merda chamada espírito santo!

      Excluir
    2. Corrigindo: "estupraram" e "enfeitiçado"

      Excluir
    3. Anônimo de 13:12, você é tão idiota!

      Excluir
    4. Tou curioso sobre o motivo de ser JULGADO idiota!Seria pela merda do espirito santo ou pela posição dos estupros?

      Excluir
  9. Qualquer um fala o que quer aqui, sem a menor responsabilidade.

    ResponderExcluir
  10. Essa igreja católica, tão santinha!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário