Bancadas evangélicas crescem nas câmaras de vereadores de capitais

Título original: Evangélicos aproveitam rebanho para aumentar poder político
Fontes: IBGE, Transparência Brasil, TSE e Valor
por Alessandra Saraiva e Guilherme Serodio para Valor

A corrida pelas eleições municipais começou oficialmente no fim de semana com perspectivas favoráveis para candidatos evangélicos. Levantamento feito pelo Valor com dados do mais recente recorte sobre religião do Censo Demográfico de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra crescimento expressivo no número de fiéis evangélicos em cinco das principais capitais brasileiras na última década.

Para analistas, o aumento do número de evangélicos nas capitais vai se refletir fortemente nas urnas, principalmente nas eleições para vereadores. Os números mostram que a expansão de fiéis entre os anos de 2000 e 2010 impulsionou o crescimento na bancada evangélica de vereadores no mesmo período. O mesmo deve ocorrer nas votações deste ano, avaliam especialistas.

Todas as cinco capitais pesquisadas pelo Valor entre 2000 e 2010 apresentaram aumento no número de vereadores evangélicos, no período. De acordo com o IBGE, houve acréscimo de 16,09 milhões de evangélicos no país, na última década, totalizando 42,275 milhões em 2010, cerca de 22% da população brasileira.

A expansão no número de pessoas desta fé vai impulsionar ainda mais a sua presença na política, diz o cientista político da PUC-Rio, César Romero Jacob. Para ele, o aumento da participação dos evangélicos deve ser mais perceptível nas câmaras de vereadores do que em prefeituras. Isto porque em eleições majoritárias candidatos de bandeira religiosa esbarram na rejeição de outros segmentos. Mas sua influência política é tão grande que obrigará candidatos a prefeitos que não compartilham desta fé a promoverem articulações com representantes evangélicos durante a campanha e incluí-los em sua base de apoio.

As recentes mudanças nos perfis religiosos dos eleitores já influencia a fotografia de alianças políticas no país. ParaJacob, o divisor de águas foi a aproximação do PT aos evangélicos neopentecostais na eleição presidencial de 2002. O partido sempre teve a desconfiança deste eleitorado, por sua posição progressista em temas como o aborto e por estar historicamente ligado à Igreja Católica por meio das Comunidades Eclesiais de Base, uma de suas forças fundadoras. "Hoje direita e esquerda negociam com os evangélicos", diz.

Os neopentecostais, de onde saíram políticos como o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho (PR) e o ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB-RJ), são a ramificação evangélica mais organizada politicamente em âmbito nacional. Na análise de Jacob, a participação desta corrente nas eleições é marcada pelo "voto de cabresto", sistema tradicional de controle do voto do eleitor. Na prática, os eleitores neopentecostais votam mais em nomes do que em princípios, avaliou Jacob. "Essa população, normalmente com baixo nível de escolaridade e de informação política, acaba seguindo o que o pastor recomenda", diz.

As eleições de representantes neopentecostais têm ainda um fator geográfico, analisa Jacob. Como essa população concentra-se nas periferias dos grandes centros urbanos, é dos subúrbios que devem sair os vereadores evangélicos nas grandes capitais.

Mesmo religiosos que se engajam na vida política admitem a existência do "voto de cabresto" usando a fé como arma. É o caso do pastor da Igreja Evangélica de Confissão Luterana, e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mozart Noronha, que foi candidato a deputado estadual pelo PSOL, no ano passado, no Rio. "Existem lideranças, bispos, que dizem aos fiéis em quem eles devem votar", diz.

Crescimento dos evangélicos vai
se refletir nas eleições municipais
O avanço no número de fiéis evangélicos pode gerar, ainda, expressiva aversão a outros candidatos com ideologias distantes das defendidas por este tipo de fiel, na análise do especialista em marketing político e propaganda eleitoral pela USP e sócio-diretor da consultoria Stratégia Marketing Político, Alan Kardec Borges. "Se alguém vira evangélico, isso não significa que esta pessoa vai votar sempre em candidatos evangélicos", avalia. "Mas, certamente, este evangélico dificilmente votaria em um candidato que defenda o aborto ou o casamento entre os homossexuais", afirma, citando temas cuja defesa é combatida fortemente por correntes neopentecostais.

Outro instrumento vantajoso dos vereadores de orientação evangélica nas eleições deste ano será a eficaz propaganda boca a boca, na avaliação do analista da CAC Consultoria Política, César Alexandre Tomaz de Carvalho. Enquanto vereadores de outras religiões aproveitam ao máximo a visibilidade televisiva, o chamariz dos candidatos ligados aos evangélicos é a corrente de informações dos próprios fiéis, observa Carvalho. "Evangélicos quase não aproveitam o seu tempo de TV, em propaganda eleitoral. O método deles é mais direto, mais eficaz", acrescenta.

A eficácia no planejamento de recursos para as campanhas políticas é outro fator que deve ajudar os políticos evangélicos, na análise do diretor executivo da ONG Transparência Brasil, Cláudio Abramo. "No Brasil quem elege é o dinheiro. Qualquer grupo que planeje suas candidaturas sabe disso. E eles, os evangélicos, planejam", diz.

Número de evangélicos cresce 61,45% em 10 anos, diz IBGE.
junho de 2012

Estatística das religiões.     Religião na política.

Comentários

  1. AGORA SIM VAI TER MAIS ROBALHEIRA E DAQUI A PQ ALÉM DOS IMPOSTOS TEREMOS TB QUE PAGAR DIZIMO A ESSA CAMBADA DE LOBO EM PELE DE OVELHA.

    ResponderExcluir
  2. A Constituição diz que todo o poder emana do povo, mas os únicos poderes que o povo tem é de ouvir as campanhas políticas e apertar o botão da urna eletrônica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto que os candidatos tem o poder de falar, influenciando os que ficam ouvindo, mas os candidatos fazem parte do povo e na hora de apertar o botão da urna, os candidatos devem votar em si mesmos.

      Excluir
  3. Isso significa que teremos mais corrupção e roubalheira, já foi provado que de todos os políticos os que tem mais problemas com a justiça e fazem projetos e leis estúpidos e idiotas são esses candidatos.

    ResponderExcluir
  4. É nessas hora que eu penso: "isso vai dar merda". E vai mesmo.

    ResponderExcluir
  5. Misericórdia o sangue dos ateu tem poder esta amarrado.

    ResponderExcluir
  6. Eleitor do voto em branco9 de julho de 2012 13:29

    Por que votar em branco?
    Porque nenhum candidato me satisfaz e sendo o voto secreto, ninguém sabe que eu votei em branco, mas ao dizer que eu votei em branco, meu voto deixou de ser secreto.

    ResponderExcluir
  7. Todos que ja conviveram com politicos sabem muito bem,que os mesmos são do tipo de pessoa que tem de deixar os escrupulos de lado e abraçar qualquer oportunidade, é o caso dos evangelicos tambem. Eu não isento nenhum politico da lista negra. Enquanto houver gente chorando em fila de hospital não voto em ninguem mais. Eu coloquei no facebook, uma foto onde se ve um lider religioso coberto de ouro, e do outro lado uma criança morrendo de fome, pedi que alguem me justifica-se a foto, e ninguem teve a coragem de comentar. Nenhum devoto ate hoje passados 30 dias falou alguma coisa, pois são todos manipulados e tal qual um animal de tração so olham para frente, e na frente esta o seu lider, todo poderoso que não resolve nada e poe a culpa no coitadinho do devoto.
    Evidente que ao dar poder a esses canalhas pelo voto o circulo vicisoso se mantera cada ves mais forte. Eu vejo canalhas de carteirinha virando evangelicos do dia para noite e assim vai a nossa depauperada democracia........

    ResponderExcluir
  8. Vermes parasitas se multiplicam rápido mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luan,a questão é,os candidatos hoje não precisam analisar,mostrar,elaborar projetos e propostas para melhorar a qualidade de vida do povo,basta ser evangélico para ter voto garantido.Eu vejo o quanto essa gente é cega, esses dias mesmo um cara publicou no facebook que se a Marisa Lobo fosse candidata a alguma coisa já teria seu voto,infelizmente é assim.Tem religião que quer tomar o Estado,esses religiosos tem sede de poder, eles estão exigindo cada vez mais espaço e o que é pior eles estão conseguindo,e depois eles dizem que os gays querem dominar o país!!!!

      Excluir
    2. Concordo, Danilo, concordo plenamente.

      Excluir
  9. Estamos na contra-mão. Enquanto a Europa se seculariza, a população brasileira emburrece. Estamos rolando ladeira abaixo. Estou considerando me mudar pra Dinamarca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou só terminar minha graduação aqui e vou ver se consigo um mestrado em algum país britânico. Quem sabe se com sorte eu consigo morar por lá.

      Excluir
  10. Muçulmano, homens e mulheres sem qualquer conhecimento do Evangelho e sem nenhum contato com os cristãos estão se convertendo a Cristo por meio de sonhos e visões de Jesus

    http://andandonagraca.blogspot.com.br/2012/07/muculmanos-se-convertem-cristo-por-meio.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado ateus não tem delírios , não tem demônios nada nadinha de nada, a gente fala o que quer das divindades e nunca um raio acerta nossa cabeça. kakakaka

      Um ateu que ouve vozes e vê pessoas mortas esquizofrenico.

      Um crente que ouve vozes e vê pessoas mortas é iluminado santo ungido. Kakaka

      Excluir
    2. Mais uma noticia fraude para alegrar fanatico.

      Excluir
    3. Os donos do Blog são um bando de covardes, excluíram o meu comentário criticando a matéria, o comentário era sensato, não tinha um palavão ou caixa alta. São uns desonestos, provavelmente a "notícia" é mentira, pois a única fonte é um dvd vendido pela a associação CBN, que é cristã fanática. Sequer há notícias em outros sites que não sejam cristãos.

      Excluir
  11. A velha e carcomida generalização ateia...e com isso nem percebem que há ateus politicos,e que nem todos são mau-carater....o carater esta na pessoa,independente de ser religioso ou ateu...que preconceito mais idiota!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguem aqui tá falando do caráter dos evangélicos?
      A notícia denuncia o voto de cabresto religioso, que pode ser falha de caráter, mas não ocorre com políticos assumidamente ateus.

      Excluir
  12. Eu acho que deveríamos chamar esse fenômeno de neocoronelismo. Não vejo muita diferença do velho coronelismo, não.

    ResponderExcluir
  13. É nessas hora que eu penso: "isso vai dar merda". E vai mesmo. ²

    ResponderExcluir
  14. "Essa população, normalmente com baixo nível de escolaridade e de informação política, acaba seguindo o que o pastor recomenda", diz.
    _Quanto preconceito; que pensamento sórdido! Como sempre, acham que estão cheios da razão!
    _Como se atrevem a falar nestes termos de pessoas que costumam tentar seduzir(porque não tem caráter), com seus discursos inflamados e mentirosos?
    _Como se atrevem a ridicularizar, enganar,, mentir...?
    _É, são o retrato fiel do que trazem dentro de si.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso nao é preconceito algum, é um fato, facilmente constatado quando se frequenta essas igrejinhas, especialmente em areas mais pobres e em epoca de eleiçao

      Excluir
    2. _Pessoas inteligentes, tendem a não generalizar outras pessoas por conta das atitudes que elas tomaram.
      _Ninguém é culpado pelas decepções que possam ter causado a você.

      Excluir
  15. O Brasil tá lascado mesmo, esses rebanhos protestantes estão colocando esses malandros no poder, aproveitem mesmo às custas do bestas.

    ResponderExcluir
  16. Como diria Raul Seixas: "Vote nulo, não sustente parasitas".

    ResponderExcluir

Postar um comentário