Número de evangélicos cresce 61,45% em 10 anos, diz IBGE

do G1

O número de evangélicos no Brasil aumentou 61,45% em 10 anos, segundo dados do Censo Demográfico divulgado nesta sexta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2000, cerca de 26,2 milhões se disseram evangélicos, ou 15,4% da população. Em 2010, eles passaram a ser 42,3 milhões, ou 22,2% dos brasileiros. Em 1991, o percentual de evangélicos era de 9% e, em 1980, de 6,6%.

Mesmo com o crescimento de evangélicos, o país ainda segue com maioria católica. Segundo o IBGE, o número de católicos foi de 123,3 milhões em 2010, cerca de 64,6% da população. No levantamento feito em 2000, eles eram 124,9 milhões, ou 73,6% dos brasileiros. A queda foi de 1,3%.

A queda do percentual de católicos é histórica, de acordo com o instituto. Até 1970, em quase 100 anos, a queda foi de 7,9 pontos percentuais: o número de católicos em 1872 (ano do primeiro Censo) representava 99,7% da população e passou a 91,8% em 1970.

O Nordeste ainda mantém o maior percentual de católicos, com 72,2% em 2010. Apesar de ser a região do país com maior concentração do grupo religioso, a população nordestina católica sofreu queda. Em 2000, o percentual era de 79,9%. No Sul, o IBGE também identificou redução do percentual de católicos, saindo de 77,4% para 70,1% nos censos de 2000 e de 2010, respectivamente.

A maior redução foi registrada pelo instituto no Norte, passando de 71,3% da população em 2000 para 60,6% em 2010.

O IBGE registrou que, ao mesmo tempo em que o número de católicos caiu no Norte e no Nordeste, o número de evangélicos cresceu com maior volume nas duas regiões. A representatividade no Norte saiu de 19,8% (2000) para 28,5% (2010). No Nordeste, o aumento de evangélicos foi menor, saindo de 10,3% para 16,4%, se comparados os Censos de 2000 e de 2010, respectivamente.

No estado do Rio de Janeiro, o percentual de católicos é 45,8% da população em 2010, o menor do país, segundo o IBGE. No estado também foi registrada a maior concentração de espíritas com 4%; seguido de São Paulo, com 3,3%; Minas Gerais, com 2,1%; e Espírito Santo, com 1%.

No Piauí, o percentual de católicos foi o maior, com 85,1% da população do estado. A proporção de evangélicos foi maior em Rondônia, com 33,8%. A menor foi registrada no Piauí, com 9,7%.

O IBGE registrou que 15 milhões de pessoas se declararam sem religião no Censo de 2010, o que representa 8% dos brasileiros. Em 2000 eram 12,5 milhões, o equivalente a 7,3% da população.

O Censo 2010 também apontou que 31,5% dos espíritas têm nível superior completo, apenas 1,8% das pessoas não têm instrução e 15% têm ensino fundamental incompleto. Outros 1,4% dos espíritas não são alfabetizados.

Os católicos têm 6,8% das pessoas sem instrução e 39,8% com ensino fundamental incompleto. No grupo dos que se declaram sem religião o percentual de pessoas sem instrução é de 6,7% e outros 39,2% têm ensino fundamental incompleto. Entre os evangélicos o percentual chega a 6,2% (sem instrução) e a 42,3% (com ensino fundamental incompleto).

Com informação do Censo de 2010.

Apenas 6,5 milhões dos brasileiros são católicos praticantes, diz padre.
abril de 2012

Estatística das religiões no Brasil.

Comentários

  1. Normal. Câncer se espalha rápido se não for tratado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Normal. Câncer se espalha rápido se não for tratado.[3]

      Like a plague.

      Excluir
    2. A renda média dos evangélicos não é alta mas não existe indigência sistêmica no meio evangélico.
      Evangélico não necessita de indigente para fazer "boa obra" como os Católicos e Espíritas.
      Os minúsculos espíritas têm renda alta mas necessitam mortalmente de INDIGENTES para fazer "boa obra".
      Legal, hein?
      Seus hipócritas! Espíritas ou Católicos. Não querem um Brasil de maioria Evangélica porque a demanda de INDIGENTES ou VAGABUNDOS nos semáforos será muito menor. Por conseguinte essa "caridade fratricida" não será tão barata: R$ 0,20 ou R$ 0,25 ou mesmo R$ 0,50.
      f_l_gomes@hotmail.com

      Excluir
  2. O IBGE separa as religiões cristãs entre católicos e evangélicos, mas insiste em não fazer a separação entre os que não possuem religiões (quantos são ateus, quantos são agnósticos, etc.).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles nem perguntam religião. No último Censo, só me perguntaram quantas pessoas moravam na minha casa, minha renda e idade (acho que mais um ou outra besteirinha, mas foi super resumido).
      Esse esquema de fazer a pesquisa completa só com uma parte escolhida aleatoriamente não funciona bem. Embora seja estatisticamente confiável para algumas coisas como idade da população, etc., para dados onde a porcentagem é muito pequena, dá muita margem de erro.

      Excluir
    2. É verdade. Salvo engano, aqui também não perguntaram sobre religião também não. Só que não era eu quem estava respondendo o recenseador.

      Excluir
    3. Aqui foi a mesma coisa. Eu respondi as perguntas do censo e não teve nenhuma pergunta sobre religião.

      Excluir
  3. "Feliz é a nação cujo DEUS é o Senhor".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O oriente médio então nem se fala ha.ha.ha

      Excluir
    2. Então o Brasil tá uma beleza, né? Educação e saúde de qualidade, baixa criminalidade, baixo índices de desemprego e analfabetismo, pobreza erradicada, e todos os nossos políticos são muito honestos e corretos, certo?

      Que mundo você vive, cara?

      Excluir
    3. Esse cara deve fazer parte daqueles 42,3%.

      Excluir
    4. Feliz é a nação q pensa por si própria , caralho ! Mete a tua alienação nos quintos dos '''infernos'''.
      Esse país precisa de democracia, laicidade, e uma filosofia política mt mais elaborada. E é claro, melhorar a EDUCAÇÃO ,aí sim resolveremos quase tudo nesse país. A saúde, a violência, a religiosidade barata e tudo mais !

      Excluir
    5. Por que você não tem nome ô imbecil? analisa aí...
      A renda média dos evangélicos não é alta mas não existe indigência sistêmica no meio evangélico.
      Evangélico não necessita de indigente para fazer "boa obra" como os Católicos e Espíritas.
      Os minúsculos espíritas têm renda alta mas necessitam mortalmente de INDIGENTES para fazer "boa obra".
      Legal, hein?
      Seus hipócritas! Espíritas ou Católicos. Não querem um Brasil de maioria Evangélica porque a demanda de INDIGENTES ou VAGABUNDOS nos semáforos será muito menor. Por conseguinte essa "caridade fratricida" não será tão barata: R$ 0,20 ou R$ 0,25 ou mesmo R$ 0,50.
      f_l_gomes@hotmail.com

      Excluir
  4. A quantidade de ignorantes esta aumentando.. desastre à vista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo movimento uma hora muda. Essa tendência vai se estagnar a partir de um momento. Pelo bem da nação. Esse país precisa de mais ateus/agnósticos. E se os espíritas cresceram isso é bom tb, pelo menos eles sao profundamente mais civilizados e respeitosos do q essa crentaiada pentecostal semi-analfabeta e intolerante. Pode notar q os evangelicos crescem mais em local periférico e com pouca educação. Vai lá no Sul pra ver a porcentagem de crentes...

      Excluir
    2. A Região Nordeste e o Estado do Piauí são os mais católicos do Brasil. Não por acaso são os mais caóticos.
      Religião católica: ferramenta de manipulação da dignidade e honra das pessoas. Tudo de que o CORONEL necessita para controlar os INDIGENTES.
      Religião Evangélica: anunciando a "salvação" e "bem-viver" PORQUE um não existe sem o outro.
      Católico: MONOPÓLIO (atraso).
      Evangélico: PLURALISMO (progresso).
      Dêem uma chance aos evangélicos e o Brasil mudará essa SINA de 500 anos.
      Duvide e perca!

      Excluir
    3. A renda média dos evangélicos não é alta mas não existe indigência sistêmica no meio evangélico.
      Evangélico não necessita de indigente para fazer "boa obra" como os Católicos e Espíritas.
      Os minúsculos espíritas têm renda alta mas necessitam mortalmente de INDIGENTES para fazer "boa obra".
      Legal, hein?
      Seus hipócritas! Espíritas ou Católicos. Não querem um Brasil de maioria Evangélica porque a demanda de INDIGENTES ou VAGABUNDOS nos semáforos será muito menor. Por conseguinte essa "caridade fratricida" não será tão barata: R$ 0,20 ou R$ 0,25 ou mesmo R$ 0,50.
      f_l_gomes@hotmail.com

      Excluir
  5. Os Espíritas cresceram 65%!!!!!

    Com mais instrução e renda mensal!!! Isso não derruba a teologia da prosperidade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, porque espíritas também acreditam em deus e Jesus Cristo.

      Excluir
    2. Mas o deus dos espíritas não é o mesmo deus dos evangélicos. Evangélicos dizem que o deus deles condena a reencarnação, que é doutrina do demônio.

      Pra ter alguma certeza, a gente deveira ter os resultados mais detalhados sobre renda. Eu ainda não vi, mas desconfio que o grosso dos evangélicos não está muito bem de renda. Bem de renda mesmo, só os pastores.

      Excluir
    3. Em jesus não!

      Excluir
    4. O espírita é uma "católico re-encarnado" nada mais. Ambos precisam dos miseráveis para fazer "BOAS OBRAS".
      Católico faz "boa-obra" para ir para o céu.
      Espírita faz "boa-obra" para não re-encarnar em suíno.
      A Organização Social e Política necessária a ambos é trágica: quanto mais INDIGÊNCIA MELHOR.

      Excluir
    5. A renda média dos evangélicos não é alta mas não existe indigência sistêmica no meio evangélico.
      Evangélico não necessita de indigente para fazer "boa obra" como os Católicos e Espíritas.
      Os minúsculos espíritas têm renda alta mas necessitam mortalmente de INDIGENTES para fazer "boa obra".
      Legal, hein?
      Seus hipócritas! Espíritas ou Católicos. Não querem um Brasil de maioria Evangélica porque a demanda de INDIGENTES ou VAGABUNDOS nos semáforos será muito menor. Por conseguinte essa "caridade fratricida" não será tão barata: R$ 0,20 ou R$ 0,25 ou mesmo R$ 0,50.

      Excluir
  6. Normal. Câncer se espalha rápido se não for tratado. (2)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A renda média dos evangélicos não é alta mas não existe indigência sistêmica no meio evangélico.
      Evangélico não necessita de indigente para fazer "boa obra" como os Católicos e Espíritas.
      Os minúsculos espíritas têm renda alta mas necessitam mortalmente de INDIGENTES para fazer "boa obra".
      Legal, hein?
      Seus hipócritas! Espíritas ou Católicos. Não querem um Brasil de maioria Evangélica porque a demanda de INDIGENTES ou VAGABUNDOS nos semáforos será muito menor. Por conseguinte essa "caridade fratricida" não será tão barata: R$ 0,20 ou R$ 0,25 ou mesmo R$ 0,50.

      Excluir
  7. Números ruins pois crente é quase sinônimo de idiota sem cultura etc..Isto só vai engordar o cofre dos safados silas, rr, valdomiro, edir, davi miranda etc etc etc bando de picareta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por quê você não tem nome seu IMBECIL? analisa aí...
      A Região Nordeste e o Estado do Piauí são os mais católicos do Brasil. Não por acaso são os mais caóticos.
      Religião católica: ferramenta de manipulação da dignidade e honra das pessoas. Tudo de que o CORONEL necessita para controlar os INDIGENTES.
      Religião Evangélica: anunciando a "salvação" e "bem-viver" PORQUE um não existe sem o outro.
      Católico: MONOPÓLIO (atraso).
      Evangélico: PLURALISMO (progresso).
      Dêem uma chance aos evangélicos e o Brasil mudará essa SINA de 500 anos.
      Duvide e perca!

      Excluir
    2. [Nhonho] Impressionante... [/Nhonho]

      Excluir
    3. A renda média dos evangélicos não é alta mas não existe indigência sistêmica no meio evangélico.
      Evangélico não necessita de indigente para fazer "boa obra" como os Católicos e Espíritas.
      Os minúsculos espíritas têm renda alta mas necessitam mortalmente de INDIGENTES para fazer "boa obra".
      Legal, hein?
      Seus hipócritas! Espíritas ou Católicos. Não querem um Brasil de maioria Evangélica porque a demanda de INDIGENTES ou VAGABUNDOS nos semáforos será muito menor. Por conseguinte essa "caridade fratricida" não será tão barata: R$ 0,20 ou R$ 0,25 ou mesmo R$ 0,50.
      f_l_gomes@hotmail.com

      Excluir
  8. Pessoal, isso foi em dez anos,e não do dia para a noite.Outra, essa mesma pesquisa do IBGE indica ESTAGNAÇÃO do crescimento dos evangélicos. Ou seja, eles já exploraram todas as formas de proselitismo, e isso indica que a população já está ficando saturada de suas pregações e conversões quase compulsórias. Gastaram todas as suas munições de conversão nas últimas décadas. A tendência INEVITÁVEL daqui para frente é diminuir o crescimento e depois remissão do mesmo. Podem apostar. Daqui há uns 60 anos isso aqui vai virar uma Escandinávia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por quê você não tem nome? Analisa aí...
      A Região Nordeste e o Estado do Piauí são os mais católicos do Brasil. Não por acaso são os mais caóticos.
      Religião católica: ferramenta de manipulação da dignidade e honra das pessoas. Tudo de que o CORONEL necessita para controlar os INDIGENTES.
      Religião Evangélica: anunciando a "salvação" e "bem-viver" PORQUE um não existe sem o outro.
      Católico: MONOPÓLIO (atraso).
      Evangélico: PLURALISMO (progresso).
      Dêem uma chance aos evangélicos e o Brasil mudará essa SINA de 500 anos.
      Duvide e perca!

      Excluir
  9. A Região Nordeste e o Estado do Piauí são os mais católicos do Brasil. Não por acaso são os mais caóticos.
    Religião católica: ferramenta de manipulação da dignidade e honra das pessoas. Tudo de que o CORONEL necessita para controlar os INDIGENTES.
    Religião Evangélica: anunciando a "salvação" e "bem-viver" PORQUE um não existe sem o outro.
    Católico: MONOPÓLIO (atraso).
    Evangélico: PLURALISMO (progresso).
    Dêem uma chance aos evangélicos e o Brasil mudará essa SINA de 500 anos.
    Duvide e perca!

    ResponderExcluir

Postar um comentário