Religiões avançam às custas da saúde da mulher, afirma Marta

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) lamentou ontem (20) que a Rio+20 tenha permitido que houvesse uma “grande derrota” das mulheres diante do avanço da pauta das religiões.

Isto porque o texto final da conferência confirmou a substituição da expressão “direitos reprodutivos” pela “saúde reprodutiva”, resultado da pressão do arcebispo Francis Chullikat, representante do Vaticano no evento.

No entendimento da senadora e de representantes do movimento feminista, a redação imposta pelo Vaticano restringe a autonomia da mulher em tomar decisão quanto ao seu próprio corpo, como na gestação ou não de filhos. A questão envolve a discussão sobre a descriminação do aborto, entre outras.

Sem citar o Vaticano, Marta afirmou que as “religiões cada vez mais impositivas estão ganhando espaço às custas da saúde da mulher". Para ela, o retrocesso nos direitos da mulher, na conferencia, foi “além de todos os limites”.

O chanceler Antônio Patriota também lamentou a supressão da expressão “direitos reprodutivos”. "Meu sentimento é de frustração”, disse. “Eu gostaria que o texto tivesse incluído [a expressão], mas infelizmente há divisões profundas em relação a esse tema".

Ele afirmou que o Brasil, por ser o anfitrião, teve de ceder às pressões para conseguir um consenso.

Com informação da Folha, entre outras fontes.

Na Rio+20, Brasil se dobra ao Vaticano e limita direitos da mulher.
junho de 2012

Comentários

  1. O Cristianismo é, fundamentalmente, machista, misógeno e homofóbico, e tem raízes fortes no solo do preconceito e da intolerância. Eles amam apenas quem for igual a eles, ou pelo menos que dá seu dinheiro para a Igreja. E desde que seja do jeitinho deles, que se danem quem não for como eles ou pensarem como eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Cristianismo é, fundamentalmente, machista, misógeno e homofóbico, e tem raízes fortes no solo do preconceito e da intolerância".

      Concordo. O marido da minha tia é médico e ele disse-me que na época da epidemia da AIDS (anos 1980), as pesquisas não se desenvolveram na Organização Mundial de Saúde e na ONU devido a insistência do Vaticano, dos países islâmicos e do governo neocon do Ronald Reagan. Isso fazia-os lidar com a questão da homossexualidade, que era praticamente um tabu naquela época. Muitas pesquisas poderiam ter sido desenvolvidas e muitas vidas, salvas, se não fosse o preconceito de cristãos e muçulmanos que, lá no fundo, encaravam a AIDS como um castigo de Deus para com os homossexuais. Achamos também muita coisa na internet sobre o assunto.

      AIDS: Who is opposing condom use?
      The Vatican at the United Nations: A Cause for Concern
      Islamic countries decry homosexuality at U.N. meeting (este site é islâmico, então cuida para não vomitar...)
      Mortal sins of the Vatican

      Excluir
    2. ex-eleitora do PT22 de junho de 2012 22:40

      E Marta Suplicy é, fundamentalmente, abortista, gayzista, esquerdopata, e sua visão distorcida do mundo é toda pelo avesso.

      Em suma, Marta Suplicy é alguém que não tem nada de positivo a acrescentar à sociedade, muito pelo contrário.

      Excluir
    3. Luan ,para de pagar mico rapaz!

      Marta "relaxa e goza" é uma mulher imoral, nem o marido ela respeita, deixa o homem mas fica com o nome dele, ela deveria volatr a ser uma silva da vida.

      Quanto á religião, você não sabe o que fala . Todos os direitos que você tem foram eduzidos do cristianismo, até o de ser viado, se você estivesse em Cuba, na China(laicos) ou no Irã(muçulmano) estaria morto!

      O problema com a religião é que os novos "porraloucas", acham que ordem é opressão, e decência totalitarismo, moral seria hipocrisia. Assim um sistema que defenda valores familiares é um absurdo, o certo seria a baderna. A contradição é gritante, como disse um comentarista abaixo: Marta defende os direitos da mulher, "desde que essa mulher não esteja na barriga de outra" e eu diria, nese caso, nem o direito á vida Marta reconhece.
      O "direito" ao aborto já existe no Brasil desde que em razão de estupro, risco de vida da mãe e impossibilidade de sobrevivência do feto. O que mulheres fúteis como Marta desejam é o beneplácito do estado, o dinheiro do contribuinte, par finaciar seu aborto criminoso, depois de praticarem o sexo irresponsável. Ué!, se as camisinhas são praticamente obrigatórias porque aborto?, O direito do feto a vida se sobrepõe ao direito da mãe em usar seu corpo, porque o corpo do feto é simbiótico ao da mãe, ela não esta decidindo sobre seu corpo apenas, mas também sobre o de outro. Um piloto não pode, em pleno vôo, decidir que o corpo é seu e portanto não quer mais pilotar, a hora de fazer isso é em terra!. Todos sabem que o ato sexual natural, naturalmente pode produzir filhos, a hora de decidir sobre seu corpo é essa. Não quer engravidar? não faça sexo ou use medidas contraceptivas. Depois disso a decisão não é mais sua! muito menos de "saúde pública" como a devassa quer parecer ser.

      marcilio leão

      Excluir
  2. O Cristianismo é contra as liberdades individuais, porque é fundamentalmente autoritário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. confundir liberdade com libertinagem é desonesto.

      Excluir
    2. Gayzista, comunista e autoritária, Marta Suplicy e seu bando são a favor da "liberdade", mas só pra fazer sexo.

      E contra todas as outras liberdades que o ser humano possui ou tem o direito de exercer.

      Excluir
  3. Realmente Lucas, aliás, todas as religiões tem fundamentação machista e preconceituosa e agem de forma autoritária pois é o único jeito de manter o povo subjugado a eles. Tenho pena de quem se deixa influenciar por esses fundamentos ou daqueles que não tem outra escolha... triste isso, pleno século 21 ainda se vê a escravidão intelectual e moral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Vânia. Mas meu nome é Luan. :P

      Excluir
    2. Ops! Sorry... rss

      Excluir
  4. Lembro de que, quando era adolescente em 1995 (para verem como estou ficando velho...), fizemos um trabalho sobre uma Conferência de Pequim que tratava das mulheres e dos direitos femininos. Foi um trabalho interdisciplinar que envolveu toda a escola. Lembro de ter lido num artigo de jornal que, tirando os países escandinavos, as mulheres enfrentavam sérias dificuldades na Ásia, na África, na América Latina e mesmo na América do Norte. E, quando leio uma coisa dessas, parece que pouca coisa mudou.

    Agora, um adendo: sobre essa questão dos direitos reprodutivos e aborto, eu tenho uma ligeira impressão que as mulheres tendem a ser mais tradicionalistas que os homens. Uma vez estava com um grupo de amigos (tanto homens quanto mulheres) e o assunto surgiu. E para minha surpresa, somente duas pessoas posicionaram-se contra o aborto e eram duas mulheres. Achei estranho...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas mulheres confundem o direito de abortar com a posibilidade(ou vontade) de poder abortar ou não.
      Por exemplo: eu não abortaria, nao teria coragem, mas nem por isso sou contra o aborto, já que tem mulheres que abortariam e a mulher tem que ter a opçao (ou controle) do seu proprio corpo, como também o controle de natalidade.
      Concluindo: Não é EU nao faria que vou contra todas as outras mulheres fazerem isso. Sacou?
      É o princípio de: "Não concordo com uma palavra do que dizes, mas defenderei até o ultimo instante seu direito de dizê-la" ou nesse caso de "fazê-la"

      Excluir
    2. Como dizia o comediante George Carlin em suas stand-ups: "Por que, por que a maioria das pessoas que são contra o aborto são pessoas com as quais você não faria sexo?"

      Excluir
  5. As mulheres são criadas para serem submissas, logo elas acatam os preconceitos de seus pais, essa é a tendencia geral. Os homens são maioria na defesa ao aborto, quando dizem que é fácil um homem ser contra o aborto, apesar disso eles são maioria em apoio a legalização. O maior inimigo das liberdades da mulher deixou de ser o homem e passou a ser o próprio machismo que assola o peito de tantas mulheres.

    ResponderExcluir
  6. nao sei nao se a maioria do apoio ao aborto vem dos homens... o q eu sabia era q a grande maioria (70%) dos """""pro-life""""" eram homens, isso sim. a minha percepcao pessoal quanto ao apoio diz que da empate.

    ResponderExcluir
  7. uma pessoa que é a favor do aborto, ele é a favor de qualquer crime.quem nao é a favor da vida é contra ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, cara, sou a favor da descriminalização do aborto e trabalho como "matador de aluguel". Cenzão e eu mato um pró-escolha, é só indicar quem é qu'eu faço o resto. Também trabalho nas horas vagas como "narcotraficante", "cafetão" e vendedor de CDs gospel piratas.

      Excluir
  8. Marta ( separada e usa o sobrenome do marido) se preocupa com a saude da mulher, desde que essa "mulher" não esteja no ventre de outra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não me diga que isso aqui É uma mulher:
      http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/21/Tubal_Pregnancy_with_embryo.jpg

      Excluir
  9. Isso é puro machismo, se homens também corressem o risco de engravidar, o aborto seria com certeza legalizado, mas como não , eles querem controlar isso na vidas delas, muitas vezes por medo da sexualidade feminina.

    ResponderExcluir

Postar um comentário