Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Ser ateu em país muito religioso exige coragem, afirma sociólogo

Casanova disse que Brasil se
tornou em potência religiosa
Ser ateu em países de forte religiosidade — como Estados Unidos e Brasil — exige uma coragem enorme, disse o espanhol naturalizado americano José Casanova (foto), 61, um sociólogo que se dedica ao estudo da religião.

“Ser ateu na América é ser contra toda a sociedade”, afirmou. “É estar continuadamente lutando e defendendo a sua posição diante de todos.”

Casanova é o professor titular da cadeira de sociologia da Universidade de Georgetown, em Washington (EUA), e diretor do programa “Globalização, religião e o secular”, de um centro de estudos da mesma instituição.

O professor esteve no início do mês no Brasil, onde deu palestras e falou a jornalistas. Abordou questões como secularismo e ateísmo na Europa, globalização do Islã, politização da religião nos Estados Unidos e a religiosidade de brasileiros, chineses e indianos.

Ele afirmou que o Brasil se tornou não só uma potência econômica, mas também em um centro mundial do catolicismo, pentecostalismo e crenças afro-americanos. “O Brasil é também uma potência religiosa”.

Por isso, disse, o processo de secularização no país está sendo lento em comparação com o de países europeus.

“Na Europa, ou você pertence a uma religião/igreja ou sai dela de vez”, disse. “Então, a secularidade aparece como a única alternativa à religião. Ela é tida como um estágio mais avançado do que a religião.”

O professor reconheceu que a religião, com sua proposta de transcendência, facilita o relacionamento entre as pessoas.  “Mas as religiões também podem nos tornar mais egoístas, obcecados por nossa salvação.”





Com informação da Istoé.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...