Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

sexta-feira, 2 de março de 2012

Lei do pai-nosso foi ditada pelo fanatismo, diz antropólogo

Albergaria: há uma tentativa de  
'resagralização' da sociedade
O antropólogo Roberto Albergaria (foto), professor aposentado da Universidade Federal da Bahia, disse que a lei que impõe o pai-nosso nas escolas públicas de Ilhéus (BA) é a expressão do fanatismo religioso que está se consolidando no país.

Ele entende que a aprovação da lei é mais uma tentativa de grupos religiosos de “resagralizar” a sociedade.

Afirmou que a sociedade está cada vez mais secular e, em consequência, o sagrado mais difuso. Segundo ele, os religiosos estão tentando mudar esse quadro com medidas como a dessa lei e a criminalização do aborto e a satanização da homossexualidade.

A lei é de autoria do vereador evangélico Alzimário Belmonte Vieira (PP) e foi aprovada sem dificuldade pela Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito Newton Lima (PT).

Lima afirmou que a lei não impõe a prática diária da oração, mas o texto não faz nenhuma referência a isso.

O prefeito disse que os professores que não tiverem crença não precisam orar. Mas os professores foram submetidos a um constrangimento pelas declarações de Lidiany Campos, secretária de Educação, de que a crença religiosa é importante porque atua no sentido de reduzir a violência nas escolas.

Para Albergaria, a lei, além de ser um sintoma do fanatismo religioso, é uma afronta à democracia e à liberdade individual.





Com informação das agências.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...