Por que a fé tem isenção de impostos e os remédios não?

por José Geraldo Gouvêa em resposta a um leitor no post
Abertura de empresa no Brasil demanda 119 dias e de igreja, 5


-- Quais os critérios destes jornalistas para dizer que alimentos e remédios são itens mais essenciais à vida que a fé?

Permaneça 40 dias sem comer e sem tomar remédios, apenas rezando com fé.

-- Com fé, o paciente ajuda o médico. Sem ela há apenas a relação entre um cadáver e o legista.

Sem remédio, mas com fé, você logo se torna cadáver. Fé cura enxaqueca e TPM, mas nunca vi curar meningite ou câncer.

-- Assim, a fé é um item mais essecial que alimentos e remédios e não deve ser tributada, mesmo porque não pode ser quantificada de forma precisa.

De tudo que você disse, a única coisa que não é absurda é a última frase: razão de não se tributar a fé está no seu caráter abstrato. Eu concordo que igrejas não devem ser tributadas, porém também concordo que:

a) deva haver controles sobre sua criação e administração

b) deva haver menos burocracia para criar empresas

c) deva haver submissão das igrejas à lei humana, como recomendou o apóstolo Paulo.

Entre os controles mencionados, a obediência a níveis de ruído pelos cultos, a localização dos templos segundo posturas municipais etc.

Deputado propõe isenção só às igrejas com transparência em contas.
julho de 2011

Isenções da Igreja.   Ciência versus religião.