Igreja Católica da Irlanda continua a acobertar padres pedófilos

da Reuters

Um relatório patrocinado pelo governo disse na quarta-feira que o alto escalão da Igreja Católica na Irlanda continuou a ocultar casos de abuso sexual de crianças por padres mesmo depois de ter introduzido as regras para proteger os menores em meados dos anos 1990.

As revelações de casos de estupro e espancamento cometidos por membros de ordens religiosas e por padres no passado afetaram o papel dominante da Igreja Católica na Irlanda.

Entretanto, o mais recente relatório sobre as acusações de abuso sexual na diocese de Cloyne, no condado de Cork, mostra que o clero ainda tentou encobrir as acusações de abuso praticamente até os dias de hoje.

"Este não é o catálogo sobre o fracasso de uma era diferente. Não se trata da Irlanda de 50 anos atrás. Isso é sobre a Irlanda atualmente", disse a ministra para a Infância, Frances Fitzgerald, em entrevista coletiva.


Irlanda que quer Vaticano explique orientação para acobertar pedofilia.
14 de julho de 2011

O relatório, que centra seu foco em 19 padres que supostamente abusaram de crianças durante o período que vai de janeiro de 1996 a fevereiro de 2009, lista como a diocese deixou de reportar todas as reclamações sobre abuso sexual à polícia e não registrou nenhuma queixa às autoridades de saúde entre 1996 e 2008.

O bispo anteriormente responsável pela diocese, John Magee, disse falsamente às autoridades que registrava todas as acusações de abuso à polícia, disse o relatório.

Ele renunciou em março do ano passado depois que uma investigação da Igreja ter dito que a sua condução nos casos de acusações de abuso havia exposto as crianças ao risco.

Magee divulgou um pedido de desculpas às vítimas na quarta-feira por não ter denunciado os abusos e afirmou que espera que o relatório "proporcione um novo começo ao qual todos esperávamos em 1996."

O governo deve submeter uma lei ao Parlamento prevendo a prisão de clérigos por até cinco anos caso eles deixem de reportar às autoridades informações sobre o abuso de crianças, disse o ministro da Justiça, Alan Shatter.

maio de 2009