Políticas públicas de interesses particulares são falaciosas

por Fabian Alsaciano Livre a propósito de
Evangélicos cometeram aberração ética ao blindar Palocci, diz pastor

Esse é o problema da política atual, a política geral das políticas particulares, a falsa política, onde o negro resolverá o problema do negro, o gay conquistará direitos dos gays, o deficiente os dos deficientes e por aí vai.

Todos devem ter seus direitos assegurados por serem cidadãos, direitos fundamentados na Constituição, não por oposição ou delírios persecutórios. É dever de o Estado assegurar a universalidade da condição política, a cidadania, a todos de quem representa, e também porque a todos impõe igualmente o dever de serem tributários.

Estas políticas públicas de interesses particulares são todas falaciosas. O Estado deve representar o universal concreto, a sociedade, não o universal abstrato, o Poder político dos profissionais da política, a política eleitoreira, politicalha de cargos e sinecuras, interesses particulares travestidos de públicos e apropriação de tudo que é público para uso e fins privados.

Pastores ou quaisquer outros representantes eclesiásticos na política significam lamentável retrocesso. As instituições que representam, embora coletivas, de utilidade pública e caráter social, não devem por equívoco serem consideradas de âmbito público, pois representam segmentos da sociedade fracionada, não a totalidade e o universal efetivo da cidadania emancipada.

Grosso modo, podemos dizer que as igrejas, enquanto instituições empresariais arrecadadoras, porém não tributárias, isentas de impostos e locupletadas com chancelas, concessões e outras regalias inconstitucionais, representam uma ameaça à essa mesma unidade e universalidade que consistem na cidadania política real, efetiva e objetivada.

Igrejas e pastores devem ter sua circunscrição limitada à sua mesma influência, ao domínio privado, da consciência religiosa, liberdade individual de cada um.

Eles jamais, em hipótese alguma, podem imiscuir-se em representações pseudopolíticas, das políticas particulares, para ampliar seu estelionato político-econômico ao projeto público de poder que almejam, quer administrativo governamental, quer de controle social.

> Boa nota de estudante vale mais que cota, decide Justiça.
janeiro de 2009

> Religião na política.    > Posts de leitor.

Comentários

  1. Texto ótimo.O Estado deveria ser o amparador de todos sem distinções mas nem todos desejam isso.

    ResponderExcluir
  2. Concordo. Não é preciso pedir (rogar) o que já está implícito no texto constitucional, está lá, é escrito e pronto. E um direito.
    Não é necessário pedir cotas pra "entrar na Universidade" por ser negro, mas exigir esse direito, como um cidadão.
    Nem é preciso rogar proteção para não apanhar na rua por ser gay, mas por ser cidadão. Ser respeitado como humano, não "categoria" sexual.
    Este texto demonstra que fica bem clara a diferença
    entre o universal e o particular.

    ResponderExcluir
  3. Nesse caso não pode haver dois pesos e duas medidas.

    ResponderExcluir
  4. É o caso do SIC ET NON Aristotélico. Sim OU não, excluída a terceira possibilidade...
    Mas nunca "olvides" um quizas, quizas, quizas...(Nat King Cole).

    ResponderExcluir
  5. A manobra no caso do ministro Palocci foi uma vergonha absoluta.

    ResponderExcluir

Postar um comentário