Karine Chagas de Oliveira, vítima do atirador do Realengo

Karine Lorraine Chagas de Oliveira (foto), 14, vivia com a avó desde os dois anos. Ana Paula de Oliveira Santos, sobrinha da menina, disse que a avó está em estado de choque. Até o começo da tarde de ontem, os pais não sabiam da morte da filha. “Ela era muito carinhosa”, disse Ana. “Estava animada porque tinha começado a praticar atletismo na escola militar.”

A vendedora ambulante Nilza Candelária da Cruz Ferreira, 63, a avó, foi ao IML (Instituto Médico Legal) reconhecer o corpo. Ela disse que queria a neta de volta, e não "dentro de um saco preto". “Por que Deus não levou a mim, que sou velha, em vez dela, que é uma criança? Ela não fez nada de mal a ninguém, só saiu de casa para estudar.” Ela concordou em doar os órgãos da menina.

O corpo de Karine foi sepultado no começo da tarde de sexta-feira (8), no cemitério Jardim da Saudade, na Zona Oeste do Rio. O momento mais emotivo do velório foi quando Nilza disse: "Levanta, minha filha, levanta que a vó tá pedindo".


> Perfil no Orkut de Karine. (a foto é fake)

Vítimas do atirador da escola do Realengo.

Caso do atirador do Realengo.