Pular para o conteúdo principal

Vírus são ameaças onipresentes. Trilhões vivem em nosso corpo. Alguns são bonzinhos

Eles são uma ameaça global à saúde porque se multiplicam e mudam (mutam) com rapidez, adaptando-se em diferentes condições


Rubén Martín Escolano

Amanda Fernández Rodríguez

Isidoro Martínez González 

María Angeles Jiménez Sousa

Salvador Resino García 

pesquisadores do Instituto de Salud Carlos III, Espanha


The Conversationl
plataforma de informação produzida por acadêmicos e jornalistas

Os vírus são muito menores que as bactérias e são encontrados em todos os ecossistemas da Terra. 

Eles não são células nem têm metabolismo próprio, mas podem replicar-se nas células de outros organismos, incluindo humanos. 

Isso os torna uma ameaça onipresente, embora também existam alguns que podem nos acompanhar desde o nascimento e que podem até ser benéficos para a nossa saúde, como descobriremos mais tarde.

Múltiplas rotas de propagação

Essas pequenas entidades podem ser transmitidas de diversas maneiras.

Existem aqueles que se espalham pelo contato direto com as mucosas ou a pele de uma pessoa infectada.

Outros se espalham pelo ar por meio de pequenas gotículas liberadas ao tossir ou espirrar, por picadas de insetos ou por superfícies contaminadas. 

Finalmente, alguns vírus podem ser transmitidos de mãe para filho durante a gravidez ou o parto.

A velocidade com que os vírus se multiplicam e mudam (mutam) permite-lhes adaptar-se rapidamente a novas condições, escapar ao sistema imunitário e desenvolver resistência aos medicamentos. Isto facilita a sua rápida propagação e torna-os uma ameaça à saúde global.

Vírus causadores de doenças e “vírus órfãos”

Se olharmos para dentro dos seres humanos, podemos encontrar tanto vírus patogênicos quanto vírus não patogênicos.

Os primeiros, como o vírus da constipação comum, o vírus da gripe, o vírus da SIDA, o SARS-CoV-2, os poliovírus ou os vírus da hepatite, tiveram um impacto profundo na saúde e na sociedade ao longo da história.

Além disso, alguns dos vírus que nos deixam doentes podem se instalar no corpo sem causar sintomas, estabelecendo infecções estáveis ​​de baixo nível. 




Os seres humanos são
um ecossistema ideal
para vírus. Temos
grande diversidade
deles, uma flora viral
que varia dependendo
do indivíduo e que
pode ter efeitos 
positivos ou
negativos na
nossa saúde.

Especula-se que esses patógenos possam ajudar a manter o sistema imunológico preparado para responder a novas infecções. Mas também podem aumentar o risco de sofrer de uma doença causada diretamente pelo vírus ou, indiretamente, mediante inflamação crônica e ativação do sistema imunitário, como ocorre com os herpesvírus.

Já os vírus não patogênicos, como os torquetenovírus, são chamados de “vírus órfãos” porque não foram associados a nenhuma doença. Porém, seu estudo é importante, pois podem causar complicações clínicas em pessoas imunossuprimidas e ser potenciais patógenos de novas doenças.

Um estudo recente da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis (Estados Unidos), descreveu que 92% das pessoas saudáveis ​​abrigam de um a quinze vírus de DNA em seus fluidos corporais, e que cada indivíduo tem um perfil viral distinto. 

A maioria são herpesvírus e papilomavírus humanos, que, juntamente com poliomavírus, adenovírus e parvovírus, são as famílias de vírus mais comumente encontradas em amostras de indivíduos saudáveis.

Retrovírus, transposons e bacteriófagos

O caso dos retrovírus merece menção especial. Embora seu material genético seja o RNA, eles conseguem convertê-lo em DNA e integrá-lo aos nossos genes, permanecendo adormecidos por toda a vida.

Dentro desse grupo encontramos os chamados “retrovírus exógenos”, que infectam as células de fora e depois se integram ao DNA. 

É assim que atuam o vírus da imunodeficiência humana (HIV ou vírus da AIDS) ou o vírus linfotrópico de células T humanas tipo 1 (HTLV-1).

Por outro lado, os “retrovírus endógenos” estão integrados no nosso DNA de forma endógena. Essas sequências, conhecidas como HERV (de RetroVirus Endógeno Humano ), são remanescentes de infecções que ocorreram ao longo da evolução e ocupam aproximadamente 8% do nosso genoma.

Os transposons, conhecidos como “vírus saltadores” porque se movem no genoma, também nos acompanham desde o nascimento. 

Eles parecem derivar de vírus antigos que se integraram ao genoma humano e perderam a capacidade de deixar as células para se tornarem elementos autônomos. Os transposons podem causar mutações e alterar a expressão dos nossos genes, causando doenças como o câncer.

E, finalmente, os bacteriófagos – vírus que infectam bactérias – são abundantes no corpo e desempenham um papel crucial na regulação da nossa flora bacteriana. Portanto, têm ganhado atenção como potenciais ferramentas terapêuticas para combater infecções causadas por bactérias, especialmente diante do aumento da resistência aos antibióticos.

O importante papel da microbiota viral ou viroma

Pode-se concluir que, assim como temos uma microbiota bacteriana, também existe uma microbiota viral ou viroma, que é rica e complexa e varia de indivíduo para indivíduo.

Os efeitos da microbiota viral que vive em nós são diversos e nem sempre prejudiciais. Alguns retrovírus endógenos evoluíram e têm funções benéficas. 

Por exemplo, o HERV-W é fundamental na produção de sincitina, uma proteína crucial para a formação da placenta. 

Certos HERVs tiveram funções essenciais na evolução dos vertebrados, como a regulação da produção de mielina, vital para a evolução do cérebro. Em contraste, a ativação de outros HERVs, como o HERV-K, tem sido associada à esclerose lateral amiotrófica (ELA).

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C